×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

2021 só começa com a vacinação, avalia presidente da Fiocruz

2021 só começa com a vacinação, avalia presidente da FiocruzFoto: Apu Gomes - CorreioWeb

A instituição já solicitou autorização para uso emergencial do imunizante produzido pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca

Carinne Souza* - Correioweb - 13/01/2021 - 08:29:25

Para a doutora em sociologia e presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade, 2021 só começa depois que a vacinação contra a covid-19 tiver início, e é por causa disso que a instituição está trabalhando para “vacinar todo mundo logo” –– o primeiro passo disso foi dado, há poucos dias, com a solicitação à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o uso emergencial do imunizante produzido pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca que, em breve, será reproduzido em solo nacional.

“Vamos poder vacinar o mais rapidamente possível, seguindo todos os requisitos impostos pela Anvisa”, disse Nísia, que, na última segunda-feira, foi reconduzida à presidência da Fiocruz para mais três anos de mandato. A seguir, trechos da entrevista ao Correio.

Com a aprovação da Anvisa para uso emergencial, qual o próximo passo?
Muito tem sido feito de forma simultânea para pouparmos tempo. Fizemos as aquisições das doses, estamos analisando com o laboratório (Instituto Serum, da Índia) a possibilidade de essas doses virem o mais rapidamente possível –– a previsão é para o dia 20. Estávamos trabalhando para trazer a vacina antes mesmo da aprovação. A partir disso, vai depender dos movimentos do Ministério da Saúde, que coordena o Programa Nacional de Imunização (PNI), e distribui de acordo com aquele critério de priorização de grupos que já foi apresentado. A nós cabe cuidar da vacina, entregar e contribuir para o início da vacinação. E vale lembrar que essa iniciação pode começar de forma convergente com outros imunizantes, como é o caso da CoronaVac.

O presidente Jair Bolsonaro enviou à Índia um pedido para antecipar a chegada dessas doses. É possível que chegue antes do dia 20 ao país?
Nossa meta é que chegue até o dia 20. Acredito que esse (pedido de Bolsonaro) é um procedimento para mostrar a importância da vacinação do ponto de vista do governo. Todo mundo está preocupado com prazos e nós também estamos. É uma prioridade vacinar todo mundo logo, mas é importante ter uma sustentação dessa vacinação, e isso só é possível com produção nacional. Também é importante chamar a atenção para os aprendizados com a pandemia. Nem todas as doenças têm vacinas. Temos que ter pesquisas continuadas e, no caso de entregas de vacinas à sociedade, uma estrutura de oferta. Daí a importância dos laboratórios nacionais, como a Fiocruz e o Butantan.

A produção da vacina foi rápida?
Muitas pessoas falam isso e se questionam se não existem riscos, já que foi produzida de forma muito rápida. Precisamos considerar algumas coisas. Primeiro, essas vacinas não estão surgindo do nada; vêm de pesquisas que estavam em desenvolvimento para outros coronavírus. Existe uma história de ameaça de novas doenças emergentes, como dizemos, que tem pelo menos 20 anos. Mas o fato de ter essa pesquisa desenvolvida na Universidade de Oxford, com essa tecnologia nova de vetor viral para outros coronavírus, permitiu o rápido desenvolvimento. O Brasil tem avançado muito nisso e existem grupos de excelência no país que desenvolvem esses ensaios. Além disso, aqui é quase que um laboratório para testagem dessas vacinas, devido à quantidade de infectados. Mas não é só isso: o país possui instituições com experiência, que podem participar dessas pesquisas de Fase 3, como é o caso da nossa vacina, que tem tido essa etapa coordenada pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) junto com vários parceiros que apoiam a iniciativa. É uma grande esperança. Para mim, e acredito que para grande parte dos brasileiros, o ano só vai começar depois da vacinação.

Para a produção aqui no Brasil, o que se pode esperar?
A incorporação dessa tecnologia que, a partir do segundo semestre, estamos dominando. Outro dado é que ela é uma vacina muito adequada, se pensarmos pela política de saúde pública: mostrou-se eficaz e segura, de baixo custo, e isso é um elemento muito importante não apenas para o Brasil, mas para outros países em desenvolvimento e para os de baixa renda e sem estrutura de produção, como nós temos. É a vacina que mais possui acordos firmados no mundo. Também considero importante que, além de dominarmos a tecnologia, o imunizante tem uma eficácia de 73% com a primeira dose e uma melhor resposta das pessoas com um intervalo entre 8 e 12 semanas, tempo de produção de anticorpos e células imunes. Vamos entregar, ainda este ano, 210,4 milhões de doses. Nossa expectativa é de que as primeiras entregas aconteçam em fevereiro. O início é sempre mais difícil, temos testes e ajustes para fazer, mas, até abril, nossa previsão é de uma entrega de 50 milhões de doses.

*Estagiária sob a supervisão de Fabio Grecchi

Comentários para "2021 só começa com a vacinação, avalia presidente da Fiocruz":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

O sonho de ser modelo, ela relata, começou aos 16 anos, quando foi internada com meningite bacteriana e ficou dez dias em coma.

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Segundo as investigações da polícia, o gerente cometeu atitude discriminatória contra a delegada Ana Paula Barroso, que é negra no último dia 14 de setembro.

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

O Zé Ninguém