×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de novembro de 2021

A casca de civilidade está rachando. Espero que meu pessimismo passe com o ano novo

A casca de civilidade está rachando. Espero que meu pessimismo passe com o ano novoFoto: Pixabay

A casca de civilidade está rachando

Fernando Reinach-estadão Conteúdo - 28/12/2019 - 18:45:07

O homem não passa de um animal recoberto por uma casca de civilidade. Nos últimos dez anos, me parece que essa casca começou a rachar. Pelas trincas, o passado está invadindo o presente e nos transformando no que sempre fomos. Por baixo da casca, somos um símio agressivo, temeroso dos fenômenos naturais e focado unicamente no futuro próximo.

Comer e reproduzir foram as únicas atividades que garantiram nossa existência por milhões de anos. Recentemente, há menos de um milhão de anos, o desenvolvimento do cérebro e da mente que ele produz fez com que descobríssemos nossa mortalidade, algo novo no reino animal. A descoberta adicionou o medo de morrer à fome e ao desejo sexual e talvez seja o motivo para criarmos o que chamo de casca civilizatória.

Criar e aperfeiçoar a casca vem do fato de sermos também o único ser com dois modos de transmitir informações entre gerações. Animais têm só a capacidade de transmitir sua informação genética por meio de espermatozoides e óvulos. Para eles, o progresso depende do lento processo da seleção natural . O que aprendem durante a vida se perde com a morte, pois só os genes sobrevivem na próxima geração.

Alguns animais são capazes de aprender com os pais: pássaros aprendem a cantar e carnívoros, a caçar. Mas isso não chega aos pés do que aprendemos na infância, lendo, vendo aulas, fotos e filmes. Nossos filhotes, além de receberem nossos genes, passam anos absorvendo parte da enorme quantidade de informação que acumulamos em milhares de anos. É por esse processo de aquisição de conhecimento que cada um de nós é recoberto por sua própria casca e nossa espécie leva adiante o que chamamos de civilização.

Os benefícios da casca civilizatória são enormes e cresceram ao longo dos séculos. No início, os aprendizados eram estocados na memória de uma geração e repassada à próxima nas conversas ao pé do fogo. Como lascar a pedra para fazer uma lança, cercar a presa, construir um abrigo, voltar ao local onde frutas podem ser colhidas.

Mais tarde, foram as informações sobre como cultivar plantas, domesticar animais e praticar o comércio. Com o advento da escrita, a quantidade de informação que pôde ser acumulada para consulta futura aumentou exponencialmente e ainda não parou de aumentar, passando pelas bibliotecas e chegando à memória dos computadores.

Fenômenos naturais que nos apavoravam começaram a ser compreendidos e, em vez de rezar por chuva, irrigamos lavouras. Roupas e outros utensílios permitiram que nos espalhássemos pelo planeta. Leis e acordos sociais contiveram a violência do individualismo e permitiram que colaborássemos. Surgiram as primeiras civilizações.

A preservação da casca e seu desenvolvimento nortearam a humanidade nos últimos séculos. O ensino passou a ser obrigatório e se espalhou pelos países e classes sociais. O aperfeiçoamento das regras de convivência, formas de governança das nações e mecanismos para garantir a paz se tornaram metas da humanidade, mesmo quando abandonadas temporariamente. O conhecimento científico se tornou indispensável, pois, aos poucos, se transformou em tecnologia – da eletricidade às ondas eletromagnéticas, passando pela metalurgia, máquina a vapor, medicina, carro, bomba atômica e internet.

Grande parte da humanidade lamenta o fato de muitas pessoas não terem a possibilidade de desenvolver sua casca individual e inveja países em que isso ocorre.

No Brasil era assim. Nos últimos dez anos, em muitos locais do planeta, mas principalmente no Brasil, me parece que essa casca está rachando. Políticos não só se vangloriam de não serem educados, como percebem que vivem um enorme conflito de interesse: se incentivarem a educação, a ciência e a cultura, põem em risco os votos que conquistaram com discursos populistas e simples mentiras.

Corrupção e mecanismos para defender sua manutenção e impunidade seriam insustentáveis se a educação tivesse fortalecido a casca da população. Rachaduras na casca civilizatória tornaram aceitáveis a difusão de mentiras, a agressividade nas redes sociais, a religiosidade dogmática, o desprezo pela ciência ( terraplanismo e negacionismo climático ) e pelo planeta onde vivemos. A medicina vai sendo solapada (movimento antivacina e homeopatia) e as instituições de ensino e pesquisa são aos poucos destruídas.

Combinadas, essas mudanças permitem surgir por baixo da casca nossa natureza animal: agressiva, temerosa de deuses imaginários, suscetível a líderes fanáticos, propensa à violência irracional e preocupada unicamente com o curto prazo. São mudanças difíceis de reverter, pois têm a seu favor a natureza selvagem do animal que ainda somos. Só espero que meu pessimismo passe com o ano novo.

*FERNANDO REINACH É BIÓLOGO

Comentários para "A casca de civilidade está rachando. Espero que meu pessimismo passe com o ano novo":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Um dos objetivos da ação foi enfatizar a importância do meio ambiente para a qualidade de vida das pessoas

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Festival é indicado para para famílias com crianças de 0 a 5 anos de idade

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Após reforma, Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita de peças e utensílios de povos originários

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Com a retomada das escolas públicas às atividades presenciais nesta nova fase da crise sanitária, a proposta dos músicos é levar uma motivação extra às aulas presenciais.

Praça da República é reinaugurada com programação  especial

Praça da República é reinaugurada com programação especial

Estão confirmados o grupo Samba Urgente, Digão (Raimundos), Philippe Seabra (Plebe Rude), GOG (foto), Bboy Samuka (breakdancer), Turko (grafiteiro), Realleza (rapper e cantora) e Tio André (mágico), entre outros

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

A mostra traz fração do lote de oito mil artefatos apreendidos pela Polícia Federal do contrabando de objetos indígenas e doados à Secec

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Chamado de Água Mineral, local pode receber 1,5 mil visitantes por dia

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Projeto desenhado por Lúcio Costa foi o vencedor em 1957

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

O roteiro deste sábado (20) da coordenação da Web Summit incluiu evento com empreendedores de startups e sobrevoo de helicóptero por Brasília

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Zenilda Vilarins Cardozo conversa com crianças da EC 3 do Gama

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Todos os eventos são gratuitos, de classificação livre e será feita arrecadação de 1 kg de alimento não perecível para doação de cestas básicas a famílias em situação de vulnerabilidade social do DF.