×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de janeiro de 2022

A cloroquina é uma esperança. E não é de direita nem de esquerda

A cloroquina é uma esperança. E não é de direita nem de esquerdaFoto: Portal UOL

Comprimidos contendo cloroquina: não, eles não são fascistas

Thaís Oyama Colunista Do Uol - 06/04/2020 - 01:55:09

O dono de uma empresa farmacêutica que produz um medicamento composto por hidroxicloroquina é um simpatizante do bolsonarismo, diz uma reportagem que circulou pelas redes sociais neste domingo.

O industrial, informa o texto, além de ser um apoiador do presidente Jair Bolsonaro, já "criticou o PT em suas redes sociais abertas".

Céus.

Mas o que isso quer dizer?

Não quer dizer nada — além do fato de que a hidroxicloroquina é a mais nova vítima do embate ideológico que domina as discussões no Brasil, e que inclui das queimadas na Amazônia ao aquecimento global.

A hidroxicloroquina, um análogo menos tóxico da cloroquina, é um poderoso anti-inflamatório há tempos disponível nas prateleiras das farmácias para tratamento de lúpus e malária, entre outros males. No dia 31 de março, ela teve o uso emergencial aprovado pelo FDA americano para pacientes de coronavírus. No Brasil, o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, anunciou na última sexta-feira, dia 3, que a hidroxicloroquina passaria a ser ministrada também para doentes de Covid-19 em estado grave. Até então, ela era usada apenas em pacientes em estado crítico (um estágio pior que o "grave"). Isso na rede pública, porque em hospitais da Prevent Senior e no Albert Einstein, em São Paulo, o medicamento já era usado desde o início de março —de forma discreta e mediante a autorização por escrito de familiares dos pacientes.

E por que a cloroquina e a hidroxicloroquina vinham sendo ministradas se não existem estudos conclusivos sobre a sua eficácia?

Porque os hospitais estão em esforços de guerra para salvar vidas e esses medicamentos, mesmo sem atestado oficial de eficácia, vêm colaborando para isso.

Há poucos estudos sobre o uso e os efeitos colaterais da hidroxicloroquina em pacientes da Covid-19. Sabe-se que, para pacientes com problemas cardíacos — ou que façam uso de medicamentos que alteram o ritmo dos batimentos, como antidepressivos— o uso do remédio pode trazer complicações fatais. Seu uso crônico (atenção, "crônico") também pode causar lesões na retina ocular e eventualmente levar à perda da visão.

A prática, porém, vem mostrando que os resultados compensam os riscos. Médicos de São Paulo que varam noites em UTIs abarrotadas de pacientes com os pulmões tomados pela infecção relatam o alívio que sentem ao ver seus doentes respirando melhor depois de receber a hidroxicloroquina. Uma pesquisa divulgada na quinta-feira, feita em trinta países com seis mil médicos e conduzida pelo Sermo, instituto de pesquisa especializado em saúde, mostrou que a hidroxicloroquina é, para 37% dos entrevistados que trataram de doentes da Covid-19, o "mais eficaz tratamento" em uma lista de quinze opções - o antibiótico azitromicina ficou em segundo lugar.

A hidroxicloroquina virou um Fla X Flu ideológico entre partidários da esquerda e da direita graças a Donald Trump. No dia 19 de março, o presidente dos Estados Unidos defendeu o uso do medicamento contra o coronavírus no Twitter. Até aquele instante, a única pesquisa relevante sobre o fármaco era o hoje famoso estudo francês feito com apenas vinte doentes da Covid-19 (quatorze deles receberam só hidroxicloroquina e metade teve melhoras significativas; já quando se adicionou ao medicamento o antibiótico azitromicina, a melhora foi sentida por todos os outros seis voluntários testados).

Foi a partir do tuíte de Trump que a hidroxicloroquina deixou o ostracismo para estrear no front ideológico. No campo da direita e da esquerda, o hábito do alinhamento automático -que dispensa o penoso trabalho de pensar com a própria cabeça - fez com que os partidários do primeiro time aprovassem sem restrições o uso do medicamento no combate à Covid-19 e os do segundo decretassem que ele não podia ser boa coisa (afinal, Trump era a favor).

Para consolidar as posições no ringue, no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro divulgou um vídeo no dia 21 de março anunciando ter determinado aos laboratórios das Forças Armadas que incrementassem a produção do fármaco no Brasil.

Foi o bastante para que a hidroxicloroquina virasse coisa "de direita".

Neste momento, cientistas discutem a hipótese de o uso da hidroxicloroquina ser estendido a pacientes de Covid-19 em estágios iniciais da doença. A evolução desse debate pode ser um ponto de inflexão na pandemia - desde que militantes da esquerda e da direita não atrapalhem muito. Discutir o uso do medicamento à luz do pensamento de grupo ou de suas matrizes ideológicas só aumentará a dor de milhares de pacientes, e parentes de pacientes, que aguardam uma resposta da ciência para mitigar seu sofrimento.

É pedir muito deixá-los fora dessa briga?

Comentários para "A cloroquina é uma esperança. E não é de direita nem de esquerda":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Chacina de Unaí completa 18 anos, e mandantes do crime ainda estão soltos

Chacina de Unaí completa 18 anos, e mandantes do crime ainda estão soltos

As operações do último ano flagraram situações de trabalho análogo ao escravo em 23 dos 27 estados. Minas Gerais, mais uma vez, foi o estado com mais ações fiscais

Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

A ANM fica proibida de liberar novas autorizações de pesquisa mineral, permissão de lavra garimpeira e concessão de lavra mineral na região, no perímetro que abrange as terras indígenas Parakanã, Trocará e suas adjacências.

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Voo com brasileiros deportados dos EUA chega a Belo Horizonte

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Se privatizar a Eletrobras haverá aumento da conta de luz e precarização dos serviços, diz integrante de Coletivo

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Armas e plantas de maconha que teriam sido apreendidas pela Polícia Militar no local da chacina

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Possível federalização do caso anularia setenças da Justiça estadual

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

De outubro de 2020 a setembro de 2021 foram registrados 375 assassinatos no mundo, o que representa um aumento de 7% em relação ao ano anterior

Intolerância religiosa:

Intolerância religiosa: "Brasil vive negação de direitos", afirma especialista

Violência aumentou nos últimos anos e políticas de combate foram enfraquecidas

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019