×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

A crítica equivocada à Orgaização Mundial da Saúde

A crítica equivocada à Orgaização Mundial da SaúdeFoto: Deutsche Welle

O diretor-geral da Orgaização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus

Deutsche Welle - 17/04/2020 - 20:27:27

Trump acusa Organização Mundial da Saúde de ter fracassado na crise da covid-19. Crítica é desonesta e demonstra compreensão totalmente errada do papel e poder dessa organização, opina o jornalista Fabian Schmidt.

Críticos, como o presidente dos EUA, Donald Trump, acusam a Organização Mundial da Saúde (OMS) de não responder à crise do coronavírus a tempo. A organização da ONU sediada em Genebra teria aceitado e reproduzido por muito tempo informações tranquilizadoras do governo chinês.

Segundo os críticos, em meados de janeiro, a OMS ainda acreditava que a epidemia poderia continuar sendo um fenômeno regional na China, apesar de Taiwan ‒ que não é membro da ONU e da OMS ‒ já ter há muito fechado suas fronteiras.

Em essência, nada disso está errado. Mas montar a partir disso uma crítica devastadora à OMS é desonesto e demonstra uma compreensão totalmente errada do papel e poder dessa organização intergovernamental, que é principalmente uma autoridade administrativa e não um serviço de emergência médica.

Como as missões dos capacetes azuis da ONU, a OMS é um projeto conjunto de seus Estados-membros e depende principalmente da vontade, capacidades e meios disponibilizados por esses países para implementar projetos em todo o mundo.

Por um lado, essas organizações precisam lidar de forma diplomática e cuidadosa com seus Estados-membros. Dificilmente se podem esperar fortes críticas públicas por parte da OMS às políticas de informação e saúde de cada país-membro. Essa é antes uma tarefa das organizações independentes de ajuda humanitária, de lobistas e, claro, da imprensa.

De acordo com seus estatutos, a OMS deve se orientar pelas autoridades de saúde de seus Estados-membros e não pelos caprichos da opinião pública em sociedades liberais. Ela faz isso de forma uma tanto lenta, mas é devido ao sistema da ONU. Não se pode culpar a OMS por isso.

Portanto, criticar a OMS de forma generalizada é errado e irresponsável, porque a organização faz um trabalho muito importante.

Nesse contexto, os países-membros contribuem apenas com cerca de um quinto do modesto orçamento da organização, de menos de 5 bilhões de dólares ‒ nem mesmo um dólar por ano para cada habitante do planeta. A OMS custa tanto quanto um hospital universitário numa metrópole do mundo industrializado.

A maior parte do orçamento da OMS provém de doadores privados e governamentais, estando assim vinculada a projetos com objetivos claramente definidos e principalmente de longo prazo.

Exemplos de tais projetos são campanhas de vacinação nos países mais pobres do mundo, onde muito se pode fazer com pouco dinheiro. Quando se trata de problemas fundamentais que flagelam a humanidade, mas realmente fáceis de combater, a OMS pode fazer muito ‒ se lhe dermos os meios para fazê-lo. Apenas um exemplo: o sarampo, do qual 20 milhões de pessoas adoeceram e 140 mil morreram no ano passado, ou campanhas para combater a malária e reduzir a mortalidade infantil.

É claro que a OMS também deve ficar de olho em doenças infecciosas emergentes como a covid-19. E quando se trata de trocar informações, ela é uma importante interface global entre governos, cientistas em universidades, institutos públicos e empresas de pesquisas farmacêuticas.

Mas a OMS não é onipotente. O verdadeiro trabalho no combate às doenças emergentes deve e só pode ser realizado pelos sistemas de saúde dos países, pelas instituições de pesquisa e pela indústria.

Apesar do nome ostentoso, a Organização Mundial da Saúde não pode compensar as deficiências nos cuidados sanitários ou as flutuações nos mercados de medicamentos e equipamentos de proteção. Na verdade, ela se encontra no extremo inferior da hierarquia internacional.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter

Comentários para "A crítica equivocada à Orgaização Mundial da Saúde":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Varíola de macacos: Brasileiro é 1º diagnosticado com a doença na Alemanha

Varíola de macacos: Brasileiro é 1º diagnosticado com a doença na Alemanha

O Instituto de Microbiologia das Forças Armadas da Alemanha confirmou o caso após ter detectado a presença do vírus no paciente durante a última quinta-feira

Dia Mundial da Abelha lembra ação dos polinizadores para alimentação e saúde

Dia Mundial da Abelha lembra ação dos polinizadores para alimentação e saúde

Abelhas e outros insetos polinizadores apoiam a produção de alimentos para 2 bilhões de pequenos agricultores

Embaixadora dos Estados Unidos no Brasil 'garante' eleições justas, apesar de Bolsonaro

Embaixadora dos Estados Unidos no Brasil 'garante' eleições justas, apesar de Bolsonaro

O Senado dos EUA sabatinou, nesta quarta-feira (18), a diplomata Elizabeth Bagley. Ela foi questionada sobre as eleições no Brasil e a política ambiental do governo de Jair Bolsonaro.

Embaixadora americana indicada ao Brasil buscará colaborar para 'reduzir drasticamente desmatamento'

Embaixadora americana indicada ao Brasil buscará colaborar para 'reduzir drasticamente desmatamento'

Bagley falou em sua audiência para confirmação, no Comitê de Relações Exteriores do Senado americano.

Uso de máscara em aeroportos e voos não é mais obrigatório na Europa

Uso de máscara em aeroportos e voos não é mais obrigatório na Europa

Tal decisão foi confirmada e divulgada mundialmente por meio de um comunicado realizado pela Agência de Segurança da Aviação da União Europeia

Polícia investiga uso de estudantes de Medicina como 'mulas' do tráfico

Polícia investiga uso de estudantes de Medicina como 'mulas' do tráfico

Segundo o delegado, os traficantes pagam por volta de R$ 20 mil por quilo para comprar a droga e passam a comercializá-la no Brasil

"Democracia latino-americana está envenenada", afirma ex-presidente uruguaio Pepe Mujica

Em evento no Uruguai, o político aposentado cobrou uma união da população para barrar governos autoritários

Dia Internacional das Famílias destaca impacto da urbanização sobre os lares

Dia Internacional das Famílias destaca impacto da urbanização sobre os lares

A ONU marca em 15 de maio o Dia Internacional das Famílias com foco na urbanização e como melhorar a vida das pessoas nas cidades

Coreia do Norte confirma 21 novas mortes suspeitas de Covid-19

Coreia do Norte confirma 21 novas mortes suspeitas de Covid-19

Apesar das medidas restritivas para evitar a circulação de pessoas entre cidades, as descrições da mídia estatal norte-coreana indicam que a população não está confinada.

Espera de entrevista para visto norte-americano chega a 354 dias em SP

Espera de entrevista para visto norte-americano chega a 354 dias em SP

Nos demais consulados no país a demora é menor

"Sem Caribe, não há América": campanha busca visibilizar a necessidade da integração regional

Economista haitiano propõe uma "pedagogia das revoluções" como estratégia contra o domínio imperialista em toda a região