×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 12 de agosto de 2022

A esperança. Jovens refugiados no Brasil participam de capacitação para o mercado de trabalho

A esperança. Jovens refugiados no Brasil participam de capacitação para o mercado de trabalho

Foto:

Curso preparatório reuniu em Brasília 14 estudantes vindos de 8 países

Por Heloisa Cristaldo - Agência Brasil Brasília - 10/06/2019 - 11:54:15

A esperança de conseguir uma vaga como aprendiz ou um estágio no Brasil levou 14 jovens estudantes refugiados a se reunir em Brasília em um curso preparatório para inserção no mercado de trabalho. Conduzida pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), a turma era formada por jovens com idade entre 14 e 24 anos vindos de oito países: Venezuela, Haiti, República Democrática do Congo, Togo, Gana, Síria e Angola.

Chamado de Oficinas de Criatividade, o curso, encerrado nesta sexta-feira (7), ofereceu atividades voltadas para a preparação e inserção de jovens refugiados e migrantes no mercado de trabalho a partir de vagas de estágio e aprendiz. Os jovens recebem informações desde produção de currículo a técnicas de comportamento em ambiente de trabalho.

A capacitação conta com apoio não remunerado do Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH) e da Agência da ONU para Refugiados (Acnur). Esta foi a segunda turma do curso, que já capacitou 30 jovens na capital federal. De acordo com o CIEE, o curso foi ampliado para ser aplicado em mais duas capitais – Manaus e Boa Vista – e deve chegar a São Paulo no próximo semestre.

Para a venezuelana Nicole Viana, de 14 anos, uma das nove meninas que participaram da Oficina de Criatividade, o valor da comunicação interpessoal foi lição mais importante do curso. Fluente no português ensinado pelo pai, também venezuelano, a jovem está há quatro anos no Brasil e vive em Brasília há um. No entanto, deixar Caracas, capital da Venezuela, Nicole passou por um complexo período de adaptação.

“Não consegui me adaptar na escola quando cheguei a Roraima. Foram dois anos sofrendo bullying diariamente", contou a jovem. "Além do problema com o idioma, fui nivelada em uma série que eu não conseguia acompanhar. As crianças me chamavam de burra, e era muito difícil. Em Brasília vivo o oposto. Aqui, além de estar na série certa, as pessoas se interessam pela minha história, gostam de saber que sou estrangeira e querem conhecer um pouco da minha cultura. Agora eu sei que quero continuar a viver no Brasil”, disse. “O curso me ensinou que saber me comunicar é importante, e mais ainda no mercado de trabalho.”

O haitiano Edy Boileau, de 24 anos, destacou que o curso lhe deu oportunidade de se reunir com outros jovens de seu país de origem. Há quatro anos no Brasil, Boileau faz o curso superior de Análise de Sistemas da Informação e espera que seu idioma natal, o francês, seja um diferencial no currículo.

“Deixei a capital [do Haiti], Porto Príncipe, em busca de oportunidade por aqui. Vim sozinho, só conhecia uma prima aqui. e a chegada não foi fácil, porque eu não sabia falar nada de português, apenas francês”, contou. “Ainda não sei se quero permanecer no Brasil, que é um país muito lindo, uma cultura diferente, mas acho que só o futuro me dará essa resposta”, acrescentou.

Segundo a supervisora de Assistência Social do CIEE, Ranyelle Braz, a perspectiva é que nova turma da capacitação seja aberta no segundo semestre deste ano. No primeiro curso desenvolvido pelo centro, que interliga estudantes a vagas de estágio em empresas públicas e privadas, 70% dos alunos foram inseridos no mercado de trabalho.

“São cinco encontros que seguem dinâmicas próprias, com atividades realizadas duas vezes na semana, em média. Esse tipo de curso também é destinado a brasileiros em situação de vulnerabilidade e apresenta, entre outros pontos, a legislação de trabalho no Brasil, como participar de uma entrevista de emprego e até como se vestir adequadamente no trabalho. Não há garantia formal de emprego, mas aumenta bastante as chances desses jovens”, explicou Ranyelle. O CIEE também faz a sensibilização com empresas para desmistificar a contratação de refugiados ou migrantes, para evitar preconceitos ou mesmo a falta de informação dos empregadores.

Refugiados no Brasil

Dados divulgados pelo Comitê Nacional para os Refugiados do Ministério da Justiça e Segurança Pública (Conare) no relatório Refúgio em Números revelam que o Brasil reconheceu, até o final de 2017, um total de 10.145 refugiados de diversas nacionalidades. Desconsiderando a chegada de venezuelanos e haitianoso, o maior número de pedidos de refúgio foi registrado em 2017. Foram 13.639 pedidos naqueleo ano; 6.287 em 2016; 13.383 em 2015 e 11.405 em 2014.

Segundo o Oficial de Meios de Vida da Acnur, Paulo Sérgio de Almeida, metade dos refugiados e migrantes do mundo são jovens com menos de 24 anos. “Uma das preocupações da Acnur é com os jovens que chegam ao Brasil", disse Almeida.

"Há situações que o idioma desses jovens é um fator complicador, que dificulta principalmente o acesso à informação. Eles não têm o conhecimento da realidade do mercado de trabalho brasileiro, e o curso tem o potencial de aumentar as chances que esses jovens têm de ingressar no mercado de trabalho”, acrescentou.

Edição: Nádia Franco

Comentários para "A esperança. Jovens refugiados no Brasil participam de capacitação para o mercado de trabalho":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
Busca do FBI na casa de Trump foi baseada em denúncia, diz jornal

Busca do FBI na casa de Trump foi baseada em denúncia, diz jornal

Incêndios florestais se espalham e peixes morrem em meio a seca na Europa

Incêndios florestais se espalham e peixes morrem em meio a seca na Europa

Defesa da democracia na USP expõe a diversidade e novos atores sociais

Defesa da democracia na USP expõe a diversidade e novos atores sociais

Artistas fazem festa para os 80 anos de Milton Nascimeto

Artistas fazem festa para os 80 anos de Milton Nascimeto

MP aciona TCU para barrar salários de até R$ 1 milhão recebido por militares

MP aciona TCU para barrar salários de até R$ 1 milhão recebido por militares

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

"Carta bate com o que faço aqui", diz professor que levou documento para Londres

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'