×
ContextoExato
Responsive image

A fatura do negacionismo e do radicalismo chegou: Brasil pode ficar sem vacina e mais gente vai morrer

A fatura do negacionismo e do radicalismo chegou: Brasil pode ficar sem vacina e mais gente vai morrerFoto: EVARISTO SÁ/ CorreioWeb

Não acreditem em mudança do presidente até 2022, quando ele tentará a reeleição.

Vicente Nunes - Correioweb - 20/01/2021 - 07:41:22

Foram muitos os avisos, de todas as vertentes políticas, mas o presidente Jair Bolsonaro sempre bateu no peito e manteve firme a sua estratégia destrutiva para o país. Agora, a fatura chegou. Por todos os erros que o governo cometeu, o Brasil pode ficar sem vacina e mais gente mais morrer por causa da covid-19.

Com seu negacionismo extremista, Bolsonaro nunca reconheceu a gravidade da pandemia do novo coronavírus. Desde o primeiro momento, desdenhou da ciência e desqualificou todos os estudos no sentido de combater a covid-19 e estancar as mortes no país — são mais de 210 mil vidas perdidas no país.

Quando se falou da possibilidade de o país desenvolver uma vacina, o presidente colocou a sua manada de seguidores para massacrar a proposta do Instituto Butantan de desenvolver um imunizante em parceria com a chinesa Sinovac.

Fez o que pode para difundir a ideia de que nenhuma vacina era confiável, sobretudo, a CoronaVac, simplesmente porque o Butantan é ligado ao governo de São Paulo, comandado por seu inimigo político, João Doria.

Mais: atacou o quanto pode a China, que, na visão de Bolsonaro, “criou o novo coronavírus para controlar o mundo”. Seus filhos e apoiadores, incluindo o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, dinamitaram todas as pontes diplomáticas com os chineses.

Bolsonaro acreditou que, ao comprar toneladas de cloroquina da Índia, tinha construído uma relação profunda com aquele país. Mas se esqueceu de que parceria é tudo, e jogou contra os indianos na Organização Mundial do Comércio (OMC). A Índia defende a quebra de patentes de medicamentos para combater a covid-19. Mas o Brasil ficou do lado dos países desenvolvidos, contrários à proposta.

Agora, o Brasil não consegue trazer vacinas da Índia nem insumos (Ingrediente Farmacêutico Ativo, IFA) da China. O país perdeu a capacidade do diálogo. De que adiantará a vacinação que começou agora, com quase 6 milhões de doses da CoronaVac, se não há perspectivas de chegada de mais imunizantes e de produção por aqui?

O presidente da República nunca pensou em salvar vidas. Para ele, só há um objetivo: manter-se no poder e transformar o Brasil em um país dominado por racistas, misóginos, homofóbicos e, acima de tudo, armados. Um país de milicianos.

Não acreditem em mudança do presidente até 2022, quando ele tentará a reeleição. Bolsonaro é o que há de pior em termos de ser humano. Triste ver que milhões de pessoas ainda acreditam em uma pessoa que só está preocupado com seus próprios interesses.

Brasília, 17h58min

Comentários para "A fatura do negacionismo e do radicalismo chegou: Brasil pode ficar sem vacina e mais gente vai morrer":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório