×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de outubro de 2021

A luta das mulheres indígenas é legítima e devemos reconhecer sua importância

A luta das mulheres indígenas é legítima e devemos reconhecer sua importânciaFoto: Matheus Alves - Portal Brasil De Fato

É necessário ecoar as vozes das mulheres indígenas, elas lutam pela terra, mas lutam principalmente pelo futuro, pelo direito a ter um futuro para os seus, para nós

Anne Moura - Portal Brasil De Fato - 22/09/2021 - 10:32:14

Esse protagonismo das mulheres indígenas precisa também ser refletido nas esferas de poder

O Brasil inteiro viu a luta, resistência e protagonismo das mulheres indígenas que realizaram entre os dias 7 a 11 de setembro, uma das maiores mobilizações indígenas que este país já viu, a II Marcha das Mulheres Indígenas - “Mulheres originárias: Reflorestando mentes para a cura da Terra”. Estar ao lado de minhas parentas nesta segunda Marcha foi um dos momentos mais marcantes da minha vida. Me reconheço como uma mulher indígena, do Povo Manaós do Amazonas e lutar ao lado delas me deixa ainda mais próxima das minhas origens e da minha ancestralidade.

A Marcha foi um momento de muita força dessas mulheres que deixaram seus territórios para denunciar esse Governo genocida que tenta retirar os direitos dos povos indígenas. Foi um momento de muito protagonismo de muita força e unidade, resultado de um processo de auto-organização muito forte. Essa é a segunda vez que participo da Marcha, estive na primeira em 2019 e igualmente foi um momento de muita emoção e reafirmar certezas: a de que é impossível estarmos em um país que não respeita os direitos dos povos originários.

:: Brasília retomada: as mobilizações indígenas reinventam a capital federal ::

Ao mesmo tempo em que as mulheres indígenas pulsavam em Brasília a sua força, vivíamos momentos de avanço do golpismo bolsonarista, que convocou as manifestações antidemocráticas para o 7 de setembro e incitou seus apoiadores a invadirem a Esplanada e assim intimidar a realização da Marcha, que pretendia no dia seguinte realizar um grande ato de luta contra o marco temporal.

Essa tese ruralista que ganha força no governo de Bolsonaro e que pretende impor a promulgação da Constituição como definidora para a demarcação de terras indígenas. Na prática é dizer que os povos originários deste país que estão aqui desde antes de 1500, só tem direito àquelas terras em que estejam ocupadas no dia 5 de outubro de 1988.

:: Análise do marco temporal é suspensa por pedido de vista; voto de Marques faz placar de 1 x 1 ::

E as centenas de anos sob violência promovida por aqueles que usurparam suas terras, que violentaram mulheres e que dizimaram povos indígenas inteiros? Onde faz essa conta? Quem paga por ela?! Quantas áreas indígenas foram roubadas em todos esses anos? Quem paga essa conta?

A ameaça de não demarcação das Terras Indígenas (TI), legalização de mineração em TIs, aliado ao sucateamento de políticas públicas para povos originários é uma das formas de institucionalizar a violência contra indígenas no país, governado por Bolsonaro. A votação do Marco Temporal no Supremo Tribunal Federal (STF) por exemplo com o voto favorável a essa tese pelo ministro indicado por Bolsonaro, é um exemplo de como se institucionalizam violências.

Povos indígenas acompanham julgamento do marco temporal que volta para a pauta do STF / Carl de Souza / AFP

:: Mulheres indígenas ocupam Brasília em marcha histórica; STF retoma julgamento ::

São centenas de anos que os povos originários deste país vivem sob essa égide de preconceito, racismo, extermínio, invisibilidade e violência, muita violência. E nesses cinco dias de Marcha as mulheres indígenas elas puderam denunciar mais uma vez as violências, os descasos e lutar pelo direito aos seus territórios, suas terras, que representam elas próprias, como anunciaram no Manifesto da Marcha: “Nós, Mulheres Indígenas, também somos a Terra, pois a Terra se faz em nós. Pela força do canto, nos conectamos por todos os cantos, onde se fazem presente os encantos, que são nossas ancestrais. A Terra é irmã, é filha, é tia, é mãe, é avó, é útero, é alimento, é a cura do mundo”.

É necessário ecoar as vozes das mulheres indígenas, elas lutam pela terra, mas lutam principalmente pelo futuro, pelo direito a ter um futuro para os seus, para nós. Lutam pelo direito de viver dentro das suas comunidades, de viver dentro de uma aldeia, de desfrutar da caça, do rio, de suas culturas, de suas linguagens, de suas medicinas tradicionais, lutam para existir.

Indígena da etnia Xikrin acompanhou votação do STF sobre marco temporal em Brasília / Carl de Souza / AFP

A luta das mulheres indígenas é legítima, é latente e é vigorosa. Mais de cinco mil mulheres indígenas de 172 povos originários deram o recado em Brasília, de que é impossível olhar para o futuro sem considerar a existência delas como sujeitas de direitos. É impossível olhar para um país que continue a menosprezar sua essência e sua origem. É impossível olhar para a política e vê-la sem a representação dos povos indígenas, das mulheres indígenas. Embora tenhamos na Câmara Federal a deputada Joênia Wapichana (Rede/RR) não é suficiente que diante da população dos povos indígenas no país, não estejam representados no Congresso Nacional.

:: "Indígenas querem sua sustentabilidade", diz deputada Joenia Wapichana ao Programa Bem Viver ::

Esse protagonismo das mulheres indígenas precisa também ser refletido nas esferas de poder. Elas precisam ocupar a política. A luta das mulheres indígenas é central, é a defesa do território, da ancestralidade, não à toa o tema do encontro foi "reflorestarmentes", porque precisamos reflorestar mentes para poder curar o mundo, se não mudarmos as práticas e valorizar os nossos povos originários e valorizar as mulheres indígenas é tarefa urgente desta nação.

*Anne Moura é feminista, indígena, manauara e petista. Secretária Nacional de Mulheres do PT. Criadora do Projeto Elas Por Elas. Participa do grupo de mulheres do Foro de São Paulo e da Copppal (Conferência Permanente dos Partidos Políticos da América Latina). Leia outros textos.

**Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do jornal Brasil de Fato.

Edição: Vivian Virissimo

Comentários para "A luta das mulheres indígenas é legítima e devemos reconhecer sua importância":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Idec lança guia com orientações para internautas sobre direitos nas mídias digitais

Idec lança guia com orientações para internautas sobre direitos nas mídias digitais

O material foi inicialmente desenvolvido pelo Observatorio Latinoamericano de Regulación, Medios y Convergencia

Entregadores de apps afirmam que a greve agora é por tempo indeterminado até terem respostas

Entregadores de apps afirmam que a greve agora é por tempo indeterminado até terem respostas

Em contexto de alta no preço do combustível, entregadores reivindicam melhores taxas de entrega, o fim da coleta dupla e dos bloqueios de conta sem justificativa

Greves de entregadores contra apps de delivery se espalham e já duram dias

Greves de entregadores contra apps de delivery se espalham e já duram dias

Divididos em bloqueios pela cidade, entregadores em Jundiaí estão de braços cruzados desde sábado (9)

Economia edita portaria e remaneja R$ 70 bi para pagar servidores e aposentados

Economia edita portaria e remaneja R$ 70 bi para pagar servidores e aposentados

Se não fossem os recursos da desvinculação dos fundos, a capacidade de honrar os pagamentos seria muito baixa, segundo apurou o Estadão/Broadcast. Sem a portaria, haveria risco real de

Lei suspende obrigatoriedade da prova de vida para benefícios do INSS até o final deste ano

Lei suspende obrigatoriedade da prova de vida para benefícios do INSS até o final deste ano

Para entrar em vigor, no entanto, o INSS precisa publicar uma portaria para regulamentar a medida

Pensão por morte e auxílio maternidade poderão ser solicitados junto a certidões

Pensão por morte e auxílio maternidade poderão ser solicitados junto a certidões

De acordo com a entidade, a iniciativa favorecerá mais de 1,8 milhão de pessoas que estão na fila do INSS aguardando a liberação desses dois benefícios.

TJDFT aumenta valor de indenização após suspensão de serviço telefônico por mais de 1 mês

TJDFT aumenta valor de indenização após suspensão de serviço telefônico por mais de 1 mês

A decisão foi unânime.

Nascidos em fevereiro e março podem sacar auxílio emergencial

Nascidos em fevereiro e março podem sacar auxílio emergencial

Parcela foi depositada em 22 e 23 de setembro

Articulação frágil e alta rejeição enfraquecem previsões do governo para reforma administrativa

Articulação frágil e alta rejeição enfraquecem previsões do governo para reforma administrativa

Deputados de oposição em protesto contra a PEC 32 no plenário da Câmara, em agosto deste ano

“Cada deputado precisa ser pressionado para que vote contra a PEC 32”, defende Rogério Correia

“Cada deputado precisa ser pressionado para que vote contra a PEC 32”, defende Rogério Correia

Rogério Correia: “Impeachment é uma necessidade do Brasil. Nós não podemos aguentar Bolsonaro até 2022”

Trabalhadores nascidos em janeiro podem sacar auxílio emergencial

Trabalhadores nascidos em janeiro podem sacar auxílio emergencial

Parcela havia sido depositada em 21 de setembro