×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de junho de 2022

A luta pelos valores democráticos no Egito não acabou

A luta pelos valores democráticos no Egito não acabouFoto:

Longo processo contra trabalhadores chega ao fim, mas ainda há muito por fazer

Foto: Tripadvisor - 29/12/2018 - 09:55:40

Nunca esquecerei das palavras rabiscadas na parede que li quando me colocaram em uma cela em um tribunal do Cairo, no dia 26 de fevereiro de 2012: “Se defender a justiça é crime, então viva a criminalidade”. Era o primeiro dia do meu processo, o caso número 173/2011. (Nos tribunais egípcios, os réus são colocados em celas.) Juntamente com outros 42 réus, 17 deles americanos, que trabalhavam para organizações não governamentais internacionais no Egito, fui acusada de trabalhar em uma organização sem uma licença (uma inverdade) e de receber remuneração estrangeira ilegal (outra inverdade). Todos nós trabalhávamos para organizações que promoviam o governo da lei, a transparência e a democracia.

No dia 4 de julho de 2013, fomos declarados culpados e condenados de um a cinco anos de prisão. O tribunal afirmou, sem nenhuma prova legal, que nós representávamos uma ameaça para a segurança nacional e conspirávamos com agentes estrangeiros. Mas em fevereiro deste ano, foi aceito um recurso, e em novembro, o novo processo começou. No dia 20 de dezembro, um tribunal do Cairo nos absolveu de todas as acusações.

Evidentemente, estou muito feliz pelo fato de a minha inocência enfim ter sido reconhecida oficialmente. E o que é mais importante, espero que esta notícia traga um pouco de otimismo tão necessário aos movimentos da sociedade civil do Egito, alguns dos quais continuam sofrendo processos semelhantes. Mas isto não significa que eu possa comemorar completamente.

Apesar da absolvição, fui punida, assim como meus colegas de infortúnio, de várias maneiras. Alguns de nós, como eu, não conseguimos encontrar trabalho no Egito ou fomos obrigados a nos exilar e a separar-nos dos filhos, dos pais e das nossas famílias. Em 2012, fui obrigada a sair do Egito e ir aos Estados Unidos, deixando para trás os meus filhos gêmeos, Adam e Farida. Por seis anos, sofri com saudades da família e da minha casa.

Escondi a verdade dos gêmeos, que tinham apenas 3 anos quando deixei o Egito e não poderiam ir comigo, por motivos pessoais e burocráticos. Disse a eles que ia a Washington a trabalho, e não porque estava sendo processada no meu país. Minha irmã passou a levá-los aos EUA para me verem uma vez por ano. No Natal passado, finalmente contei a verdade a eles. Sua sabedoria me impressionou. “Mamãe, você deve continuar o seu trabalho”, disse Adam. Farida me chamou de “heroína”. “Nós amamos o Egito. Como poderemos consertar as coisas para que nada disso volte a acontecer com as pessoas?”, acrescentou Adam.

Esta sempre foi a minha preocupação, não a minha experiência de injustiça, que, comparada com o que muitos outros egípcios sofreram, é relativamente menor. Como poderemos consertar o Egito? Nos últimos cinco anos, o meu país se tornou um dos que mais põem jornalistas na cadeia em todo o mundo; as pessoas são comumente sequestradas pela polícia; a tortura é corriqueira, e também os processos viciados; o direito a protestar é restrito.

A verdade é que o Egito precisa exatamente do tipo de trabalho por causa do qual eu e outras 42 pessoas fomos processadas. As organizações não governamentais, os grupos da sociedade civil e os defensores destes movimentos funcionam como supervisores do governo e examinam suas estruturas, em defesa da democracia, da transparência e da responsabilização.

Será possível? Trinta membros da sociedade civil egípcia estão proibidos de viajar neste momento. Alguns tiveram seus bens congelados, e eles foram processados pelo mesmo caso número 173. Muitos deles são líderes da sociedade civil que serviram à causa da democracia e dos direitos humanos por muitos anos. Estas pessoas não deveriam ser tratadas como criminosos comuns; deveriam ter a permissão de ajudar a construir o Egito.

Depois que conseguimos um novo processo, os Estados Unidos liberaram 195 milhões de dólares de ajuda que haviam sido congelados em parte por causa das violações dos direitos humanos dos governos egípcios e por suas leis rigorosas sobre as organizações não governamentais.

As absolvições no dia 20 de dezembro teriam realmente um significado como um sinal de progresso se fossem o começo de uma mudança real da maneira como o Egito trata a sociedade civil. Isto não deveria impedir que fôssemos considerados inocentes, ou mesmo o esperado fim do processo de outros no caso número 173. O progresso representaria uma verdadeira reforma das leis restritivas do Egito sobre as organizações não governamentais e uma mudança de atitude do judiciário.

O caso número 173 começou sob o governo militar, durou por toda a breve presidência de Mohammed Morsi, e foi reaberto sob o atual presidente, Abdel Fattah el-Sisi. As cabeças do Estado mudaram, mas as estruturas continuaram as mesmas. Mas o governo egípcio começou a adotar medidas na direção certa: primeiramente, um novo processo e depois, em outubro, o presidente Sisi anunciou a sua intenção de mudar a legislação sobre as ONGs. Uma comissão terá de apresentar um novo esboço no próximo mês ao gabinete antes de seguir para o Parlamento.

Espero que estas emendas permitam realmente que as organizações que atuam pela democracia no Egito realizem o seu trabalho e responsabilizem o governo sem serem intimidadas, processadas ou presas. Este veredicto não deveria ser considerado o fim do capítulo, mas um começo de muitas reformas efetivas. Ainda lembro das palavras na parede daquela cela.

Nancy Okail é diretora executiva do Instituto Tahrir para a Política do Oriente Médio

Comentários para "A luta pelos valores democráticos no Egito não acabou":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

A comunidade internacional deve defender a Carta das Nações Unidas e se esforçar para manter a paz em um mundo volátil, disse ele.

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Segundo analistas, trata-se de uma "mudança de maré" provocada pelo descontentamento com governantes anteriores.

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

A Polícia Federal brasileira informou que a prisão decorreu das investigações desenvolvidas no âmbito da Operação Enterprise

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Jair Bolsonaro na abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2022, em 14 de junho de 2022 © Alan Santos / Palácio do Planalto / CCBY 2.0

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

A Educação Não Pode Esperar

Ball Corporation avança em investimentos na América do Sul com nova fábrica de latas de alumínio no Peru

Ball Corporation avança em investimentos na América do Sul com nova fábrica de latas de alumínio no Peru

A empresa, líder global em embalagens sustentáveis de alumínio, anunciou abertura que vai gerar mais de 100 empregos diretos e 300 indiretos.

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso

Milhares de burquinenses que se deslocaram pelo massacre em Seytenga encontraram segurança além da fronteira com o Níger.

Estados Unidos alertaram sobre projeto de bagagem gratuita vetado por Bolsonaro

Estados Unidos alertaram sobre projeto de bagagem gratuita vetado por Bolsonaro

Acordo foi assinado em março de 2011, no governo Dilma Rousseff, e entrou em vigor em maio de 2018, na gestão de Michel Temer, após aprovação pelo Congresso.

Liderança da UE diz que crime no AM é fruto da postura de Bolsonaro; aliados criticam presidente

Liderança da UE diz que crime no AM é fruto da postura de Bolsonaro; aliados criticam presidente

Aliados de Bolsonaro acham que presidente errou

FC Barcelona e Acnur formam parceria para apoiar crianças refugiadas

FC Barcelona e Acnur formam parceria para apoiar crianças refugiadas

O logotipo do Acnur é apresentado, pela primeira vez, no uniforme dos jogadores da principal equipe masculina e feminina do time espanhol

Cartéis de Miami, Medellín e Sinaloa sustentam um Estado paralelo na Amazônia

Cartéis de Miami, Medellín e Sinaloa sustentam um Estado paralelo na Amazônia

Apesar de toda a movimentação militar em Atalaia, amigos de Pelado continuam entrando e saindo de terras indígenas com embarcações que levam freezers para pescados