×
ContextoExato

Abelhas: Fundamentais para agricultura, mas ameaçadas pelos agrotóxicos

Abelhas: Fundamentais para agricultura, mas ameaçadas pelos agrotóxicosFoto: Arquivo pessoal

No município de Mata (RS), deriva provocou mortandade de abelhas e intoxicação de agricultores, mas o caso foi abafado pela comunidade

Walmaro Paz - Brasil De Fato | Porto Alegre (rs) - 24/05/2021 - 07:30:24

Nações Unidas promovem evento para "apoiar, restaurar e aprimorar o papel dos polinizadores”

Em 2017, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) definiu o dia 20 de maio como o Dia Mundial da Abelha. A data, celebrada na última quinta-feira, realça a dependência do mundo em relação a estes insetos e a necessidade de conservação para resolver questões como o abastecimento global de alimentos e a eliminação da fome nos países em desenvolvimento.

Sem as abelhas, 80% dos vegetais conhecidos não produziriam sementes ou frutos - Pixabay

Atualmente a ONU está realizado um evento virtual sob o lema "Empenhados com as Abelhas: Reconstruindo Melhor para Elas".

A agência das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a FAO, destaca que o objetivo dessas ações é incentivar a cooperação e a solidariedade para combater as ameaças da pandemia à segurança alimentar e aos meios de subsistência agrícolas.

:: Radinho BdF: por que as abelhas são tão importantes para a vida humana? ::

O objetivo do evento é mostrar que a regeneração ambiental e a proteção da abelha são prioritárias. A agência considera que a atividade será uma ocasião para aumentar a consciência de que todos “podem fazer a diferença para apoiar, restaurar e aprimorar o papel dos polinizadores”.

Polinizadores

É consenso entre técnicos e ambientalistas que sem estes insetos polinizadores, 80% dos vegetais conhecidos não produziriam sementes ou frutos.

Por isso, a utilização de venenos que matam estes insetos e também outros animais pode comprometer a produção mundial de alimentos, levando até mesmo à extinção da espécie humana.

:: Agrotóxico está fazendo as abelhas migrarem para a cidade, relata apicultor em Goiás ::

Desde o inicio do século que estudos na Alemanha e na Califórnia, Estados Unidos, constataram que as culturas de transgênicos e a utilização e agrotóxicos vêm acabando com as colmeias utilizadas na produção de mel e polinização de pomares. Conforme livro de Geraldo Hasse, foi em 2007 quando se detectou pela primeira vez nos Estados Unidos o fenômeno denominado “ colony collapse disease ” (CCD), ou “síndrome do colapso das colmeias”, na versão adotada no Brasil.

Embora a nomenclatura adotada pelos cientistas norte-americanos sugira causas múltiplas, a maioria dos apicultores gaúchos não duvida que a mortandade das abelhas, drástica o bastante para aniquilar toda atividade nas colmeias mais fortemente lesadas, só pode ser atribuída ao contato direto das abelhas com produtos químicos usados na pulverização de lavouras.

O que acontece, na realidade, é um desastre: muitas abelhas campeiras, que abastecem as colmeias com néctar e pólen, não voltam a seus ninhos após visitar flores em áreas mais ou menos próximas de lavouras. Como que desorientadas, elas extraviam-se no campo enquanto outras acabam morrendo amontoadas na entrada das colmeias, que sucumbem por falta de alimento ou pela ausência da mão-de-obra.

Detectada em 2007 nos EUA e na Europa, a mortandade de colmeias inteiras, denominada “síndrome do colapso das colmeias”, é associada ao uso sem controle de venenos agrícolas. A causa de tamanho desarranjo seria a absorção pelas abelhas de partículas de agrotóxicos. São apontados como mais nefastos os inseticidas à base de nicotina – os neonicotinóides, proibidos em diversos países e liberados no Brasil.

Rio Grande do Sul

No Rio Grande do Sul, na quinta-feira (20), a Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa do estado realizou uma audiência pública sobre o Projeto de Lei 260/2020, que pretende revogar a lei 7774/1882, que disciplina a utilização de agrotóxicos e todos os biocidas no estado. Aprovada em 1982, a lei só começou a vigorar em 2002 quando foram constituídos órgãos de fiscalização.

Leia mais: RS: deputados pedem explicações a governador sobre PL que libera mais agrotóxicos

Esta lei é considera a mais adiantada no país sobre agricultura e ecologia e, de acordo com o depoimento do presidente da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN), Francisco Milanez, foi praticamente elaborada dentro da associação e apresentada e defendida pelo deputado estadual Antenor Ferrari (PMDB).

A audiência pública que teve a participação de diversas entidades ambientais e até mesmo setores do governo estadual, como a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) e a Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), terminou com a orientação para que o governador retire o projeto de lei em tramitação no Legislativo.

Origens

As abelhas chamadas europeias foram introduzidas no Brasil pelos imigrantes e, conforme os originais do livro “A Geografia do Mel” , ainda não publicado, de autoria do jornalista Geraldo Hasse, a apicultura profissional no RS começou com os imigrantes alemães vindos no século XIX.

Na primeira parte do livro aparecem os pioneiros em Rio Pardo, depois em Taquari, onde está em ruínas a Estação Experimental de Citricultura que tinha anexa uma escola Apícola que vendia rainhas, caixas e outros acessórios.

O Aroni Sattler foi diretor dessa estação antes de se tornar professor da Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Ele estuda especialmente a mandaçaia, em vias de extinção, não se sabe por que. Os apicultores gaúchos atribuem aos agrotóxicos a grande mortandade de abelhas que ocorre nos últimos anos.

Em 1867, o imigrante Frederico Hanemann trouxe da Alemanha duas colmeias de Apis mellifera carnica , conhecida como abelha preta, num navio. Foi com esse material genético que ele começou, em Rio Pardo, um apiário que o tornou reconhecido como "pai da apicultura nacional" título concedido por apicultores em 1919, sete anos após sua morte. O Museu de Rio Pardo tem utensílios desenvolvidos por Hanemann.

Outro pioneiro foi Emílio Schenk, fundador da escola apicola de Taquari. Inventou um caixa (colmeia) até hoje usada por apicultores gaúchos. Segundo Hasse, foi ele que construiu o apiário modelo da Faculdade de Agronomia de Porto Alegre nos anos 10 do século XX.

O outro grande mestre apícola do RS foi Hugo Muxfeldt. Nasceu em 1904 em Nova Petrópolis e morreu em 1999 em Porto Alegre, onde manteve uma escola particular de apicultura. Manteve no Correio do Povo por mais de 30 anos uma coluna semanal sobre abelhas. Criou apiários em vários municípios de Viamão, Região Metropolitana, e São Borja, na Fronteira Oeste.

A importância da apicultura é tão grande para a produção e alimentos e para a ecologia que a fábrica de celulose de Guaíba manteve, desde 1980, um projeto de fomento em seus eucaliptais. O Walter Lídio Nunes, como penúltimo presidente, deu uma incrementada no projeto por ver nele um "selo social" capaz de amenizar as críticas à monocultura vegetal, concluiu Geraldo Hasse.

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira

Comentários para "Abelhas: Fundamentais para agricultura, mas ameaçadas pelos agrotóxicos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório