×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de outubro de 2021

Acusado de improbidade. Subsecretário de Saúde Alexandre Cavalcante é exonerado em Brasília

Acusado de improbidade. Subsecretário de Saúde Alexandre Cavalcante é exonerado em BrasíliaFoto: Felipe Menezes-Metrópoles

Segundo MPF, Alexandre Cavalcante assinou antecipação de pagamento para empresa que atrasou entrega de medicamentos a pacientes

Por Isadora Teixeira - Metrópoles - 09/05/2019 - 10:03:39

Acusado de improbidade administrativa, o subsecretário de Logística em Saúde do Distrito Federal, Alexandre Lages Cavalcante, foi exonerado nesta quinta-feira (09/05/2019). O Diário Oficial do DF (DODF) informa o nome de sua substituta: a farmacêutica Mariana Mendes Rodrigues.

Alexandre foi exonerado a pedido. Conforme o Metrópoles mostrou em reportagem publicada no dia 27 de abril deste ano, ele responde a processo por suspeita de improbidade administrativa cometida quando era diretor substituto do Departamento de Logística do Ministério da Saúde.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), as supostas irregularidades causaram o desabastecimento de medicamentos que a União deveria entregar, por força de decisão judicial, a pacientes com doenças raras e graves.

Reprodução/DODF

REPRODUÇÃO/DODF

A ação civil pública oferecida pela procuradora Luciana Loureiro Oliveira e recebida pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) destaca que, na aquisição de myozyme, fabrazyme, aldurazyme, elaprase e soliris, houve “atrasos injustificados na entrega com o consequente descumprimento de centenas de decisões judiciais e um grave desabastecimento, o que culminou na morte de pelo menos 14 pacientes e na piora do quadro de saúde de centenas de outros”.

Mais sobre o tema

Segundo o MPF, enquanto diretor substituto do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, em 2017, Alexandre Lages assinou a antecipação de R$ 19.906.197,08 à Global Gestão em Saúde para fornecer myozyme, fabrazyme e aldurazyme, mesmo com a alegação da fabricante de que a empresa não tinha os lotes dos remédios. A despesa foi liberada também pelo então titular do setor.

Testemunhas contaram à investigação que o pagamento antecipado, considerado muito excepcional no âmbito do Ministério da Saúde, causou constrangimentos internos, tendo em vista a irregularidade que ensejava, além de tratar-se de favorecimento indevido.

Reprodução/MPF

REPRODUÇÃO/MPF

Em 11 de janeiro de 2019, a juíza Iolete Maria Fialho de Oliveira, da 22ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal, aceitou a denúncia do MPF contra Alexandre Lages, o ex-ministro da Saúde Ricardo Barros, outras três pessoas e a Global.

Entenda o caso
Com a demora para entrega e as possíveis irregularidades no processo da Global em que houve ação de Alexandre Lages, em fevereiro de 2018, o MPF recomentou ao Ministério de Saúde a finalização da contratação e a convocação da segunda colocada para fornecer os medicamentos porque 152 pacientes aguardavam urgentemente os remédios.

Após atrasos, em junho houve acordo para entrega parcelada, mas a maior parte dos lotes não teria chegado aos pacientes.

Reprodução/MPF

REPRODUÇÃO/MPF

Na ação, o Ministério Público pede condenação por improbidade administrativa; ressarcimento integral do dano patrimonial causado ao erário, no valor de R$ 19,9 milhões; ressarcimento integral do dano moral coletivo advindo dos prejuízos causados à saúde das centenas de pacientes, bem como pelas mortes de pelo menos 14 pessoas, no montante de R$ 100 milhões, entre outras sanções.

Os atos ímprobos dos réus são consistentes, conforme o MPF, na inobservância da legislação administrativa, de licitações e sanitária e no descumprimento de centenas de decisões judiciais, com a intenção de favorecer as empresas fornecedoras.

A procuradora solicitou a indisponibilidade dos bens dos seis alvos em quase R$ 20 milhões. A juíza federal Iolete Maria Fialho de Oliveira avaliou ser precipitada a determinação do bloqueio dos bens “sem que se estabeleça o mínimo de contraditório, especialmente tendo em vista a gravidade dos fatos narrados e a complexidade que os envolvem”.

O outro lado
Alexandre e a Secretaria de Saúde não se manifestaram sobre a reportagem publicada em abril, bem como a Global.

Em janeiro, o ex-ministro Ricardo Barros negou as acusações. Ele emitiu nota afirmando que a legislação foi cumprida rigorosamente para aquisições por judicialização da Saúde. “Os R$ 5 bilhões economizados em 22 meses à frente do ministério contrariaram muitos interesses. Agimos sempre dentro da lei, e nesses casos com decisões judiciais favoráveis ao Ministério da Saúde”, disse.

Comentários para "Acusado de improbidade. Subsecretário de Saúde Alexandre Cavalcante é exonerado em Brasília":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

O sonho de ser modelo, ela relata, começou aos 16 anos, quando foi internada com meningite bacteriana e ficou dez dias em coma.

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Segundo as investigações da polícia, o gerente cometeu atitude discriminatória contra a delegada Ana Paula Barroso, que é negra no último dia 14 de setembro.

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

Senador Contarato dá aula a quem não merece um segundo de fama

O Zé Ninguém