×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de outubro de 2021

Afeganistão: 'A milícia não moderou conduta e está mais vingativa do que antes'

Afeganistão: 'A milícia não moderou conduta e está mais vingativa do que antes'Foto: Pixabay

Qual a diferença do Taleban de hoje e o de 2001

Estadão Conteúdo - 13/08/2021 - 17:29:04

Ainda mais virulento e vingativo do que em 2001, e ao contrário do que seus líderes afirmam, o Taleban não abrandou sua conduta, segundo o diretor do Centro de Estudos Afegãos da Universidade de Nebraska (EUA), Sher Jan Ahmadzai. Com uma maioria de combatentes que era ainda criança ou adolescente naquela época - alguns nem mesmo tinham nascido -, a milícia foi capaz de manter viva sua retórica radical pelo mesmo método de catequização em madrassas, mas desta vez no Paquistão, como explica Ahmadzai, que foi um dos assessores de Hamid Karzai, o presidente que assumiu após a queda da milícia.


Qual a diferença do Taleban de hoje e o de 2001?

Em qualquer grupo, quando se compara o passado e o presente, é preciso ver o que eles estão falando e o que estão fazendo de verdade. O que os líderes do Taleban disseram em Doha (sede das negociações com os EUA) era que eles estavam diferentes do que foram do passado, que tinham aprendido muito. Infelizmente, na prática, suas políticas, especialmente nas áreas em que já controlam, não têm sido diferentes em nada.


Pode citar um exemplo?

Em alguns lugares, eles estão até piores, especialmente em áreas capturadas. Como reflexo, essas capturas têm sido baseadas em vingança contra pessoas que trabalharam para o governo ou para as forças militares estrangeiras no Afeganistão. Por exemplo, eles capturaram um dos distritos na Província de Kandahar, fronteira com Paquistão. Houve relatos de que mataram muita gente, entre 100 e 200 pessoas, que trabalharam para o governo ou para forças estrangeiras.



Em outras partes também?

Na realidade, o discurso não condiz com as ações no terreno, infelizmente. E isso pode ser dito sobre os distritos no nordeste ocupados até agora. Eles disseram que respeitariam os direitos das mulheres, os direitos humanos, mas isso não está acontecendo. Há relatos de que os milicianos estão pedindo à população para entregar suas filhas para seus combatentes. E isso é o contrário do que falaram em Doha.


Com a guerra no Afeganistão, como o Taleban manteve sua ideologia viva?

A maioria de seus combatentes vem de escolas religiosas, as madrassas, no Paquistão, não mais do Afeganistão. Eles são em sua maioria cidadãos afegãos que já estudaram ou são estudantes das madrassas, com o apoio do governo do Paquistão. São jovens com menos de 30 anos, alguns deles adolescentes. São estudantes que acreditam na causa do Taleban, na sua ideologia, e são a grande parcela de sua força. Há também afegãos de vilas que lutam com eles, não porque acreditam em sua ideologia, mas porque estão descontentes com o poder em Cabul.


Há paquistaneses entre os combatentes?

Se olharmos os combates dos últimos anos no Afeganistão, a cada ano, as lutas se acirram no verão (Hemisfério Norte), como neste ano. Isso acontece porque as madrassas estão fechadas no Paquistão e os estudantes estão livres para combater no Afeganistão. Acrescentando a isso, há muitos cidadãos paquistaneses lutando com o Taleban no Afeganistão. Há relatos nas redes sociais sobre centenas de corpos de combatentes paquistaneses transportados de volta para o Paquistão.


O processo de formação é o mesmo do início da milícia?

Sim. Eles ainda usam a mesma técnica e a mesma propaganda, dizem a seus combatentes que lutam uma guerra santa, para pôr fim ao establishment no Afeganistão e reinstalar um sistema que perderam em 2001. É o mesmo sadismo, tentam despertar com a mesma propaganda o sentimento de que lutam por uma causa religiosa.



Nesse contexto, o papel do Paquistão é fundamental?

Sempre. Não apenas nos últimos 20 anos, mas desde 1994, quando o Taleban foi fundado, o establishment paquistanês apoia a milícia. Se você olhar para o número de combatentes da Al-Qaeda mortos, verá que a maioria foi no Paquistão, incluindo o líder da rede, Osama bin Laden. Todos esses combatentes do Taleban e de outros grupos receberam o apoio do Paquistão, de seu Exército e de suas agências de inteligência e segurança. Se olhar agora para a milícia, há combatentes que estavam na Caxemira, que lutaram ao lado das forças do Paquistão, mas são do Taleban.


Qual o interesse do Paquistão?

O interesse é significativo. Olhando o Paquistão de uma perspectiva diferente, eles ainda consideram o Afeganistão o seu quintal, e necessário contra uma possível agressão no futuro. Se tiverem um governo aliado em Cabul e se a Índia um dia atacar, o Paquistão vai querer ter alguém para apoiá-lo. É por isso que eles sempre demonstraram apoio ao Taleban.



As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



fonte: Estadão Conteudo



Comentários para "Afeganistão: 'A milícia não moderou conduta e está mais vingativa do que antes'":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Golpe de Estado no Sudão: Premiê é liberado, Alemanha deixará de prestar ajuda ao país africano

Golpe de Estado no Sudão: Premiê é liberado, Alemanha deixará de prestar ajuda ao país africano

China diz que Taiwan não tem 'direito nenhum de se juntar às Nações Unidas'

Biden será 1º presidente dos EUA a participar da cúpula da ASEAN em 4 anos

Biden será 1º presidente dos EUA a participar da cúpula da ASEAN em 4 anos

Erdogan muda de ideia quanto a expulsão de embaixadores após escândalo diplomático

Ministério Público da Argentina recomenda suspensão de trigo transgênico discutido no Brasil

Ministério Público da Argentina recomenda suspensão de trigo transgênico discutido no Brasil

Iniciativas tentam barrar o trigo transgênico no Brasil e na Argentina; trigo HB4 já é cultivado em cinco províncias do país vizinho.

China vai defender paz mundial, diz presidente Xi no aniversário do retorno à ONU

China vai defender paz mundial, diz presidente Xi no aniversário do retorno à ONU

Ministros e líderes partidários são detidos no Sudão

Rússia bate novo recorde de mortes por Covid-19

Rússia bate novo recorde de mortes por Covid-19

A Rússia foi o primeiro país do mundo a autorizar uma vacina contra covid-19 com o lançamento do Sputnik V em agosto de 2020

Moscou adotará medidas de lockdown para conter alta da Covid-19

Moscou adotará medidas de lockdown para conter alta da Covid-19

Regras entram em vigor a partir do dia 28

130ª Feira de Cantão: China continua a abertura e compartilha oportunidades com o mundo

130ª Feira de Cantão: China continua a abertura e compartilha oportunidades com o mundo

Em sua carta, Xi observou que a feira fez contribuições significativas para facilitar o comércio internacional, o intercâmbio externo-interno e o desenvolvimento econômico desde sua criação em 1957

Paraguai reforça segurança na fronteira com Brasil

Paraguai reforça segurança na fronteira com Brasil

Congressistas americanos pedem recuo na relação com Brasil

Desenvolvimento é a força motriz da erradicação da pobreza na China

Desenvolvimento é a força motriz da erradicação da pobreza na China

Entre 1990 e 2010, no contexto da arrancada industrial, proporção de população pobre chinesa passou de 66,3% para 11,2%, de acordo com o Banco Mundial

China emite selos comemorativos da COP15

China emite selos comemorativos da COP15

Foto tirada em 11 de outubro de 2021 mostra os detalhes de um selo comemorativo para a 15ª reunião da Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (COP15) realizada em Kunming, Província de Yunnan, sudoeste da China.

ONG austríaca denuncia Jair Bolsonaro a tribunal internacional por 'crimes contra a humanidade'

ONG austríaca denuncia Jair Bolsonaro a tribunal internacional por 'crimes contra a humanidade'

O tribunal não tem obrigação de julgar todos os casos apresentados.