×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 12 de agosto de 2022

Agiotagem. Maquininhas de cartão de crédito são usadas em Brasília como meio de empréstimo clandestino

Agiotagem. Maquininhas de cartão de crédito são usadas em Brasília como meio de empréstimo clandestino

Foto: Por Reginaldo Araújo - Cortesia

Ninguém vai fazer nada?

Por Roberto Fonseca-correio Braziliense - 31/05/2019 - 07:17:14

Uma espécie de agiotagem velada começa a se espalhar pelo Distrito Federal. Faixas distribuídas pelas principais vias da capital, como a EPTG e a EPIA, e cartazes afixados em paradas de ônibus anunciam “troque o limite do seu cartão de crédito por dinheiro vivo”. Normalmente, apresentam uma simulação. Em uma delas, a proposta era a seguinte: “R$ 1.000 em 10 parcelas de R$ 150.”


As faixas e cartazes não trazem o nome de nenhuma empresa. Apenas de um a três celulares para o interessado entrar em contato. Ao ligar para esses números, o interlocutor diz que uma pessoa vai até o “cliente” com a maquininha de cartão para realizar a transação e, sendo aprovada pela operadora, em 20/30 minutos uma TED será efetuada para uma conta-corrente indicada — ou seja, não há nenhum contrato assinado nem garantia alguma de que haverá o crédito do valor. Tudo meio que “na base da confiança”.


A grande questão é que isso é nitidamente um crime contra o sistema financeiro nacional. Com taxas de juros cobradas pelas operadoras de cartão de 3,9% a 18,7% dos “donos das maquininhas”, os R$ 1.500 parcelados da proposta apresentada acima, por exemplo, vão se tornar entre R$ 1.223,40 líquidos, no pior cenário, e R$ 1.446,50, se for cobrada a melhor taxa. Ou seja, descontando os R$ 1 mil “emprestados” ao dono do cartão, o “lucro” a cada transação varia de 22,34% a 44,65% para o “dono” da maquininha. Isso sem correr risco algum: o agiota tem garantia total do negócio, tendo em vista que, se houver atraso no pagamento das parcelas, o cliente será cobrado diretamente pela empresa do cartão de crédito, com mais taxas.


Em um cenário de endividamento crescente da população — em abril, por exemplo, 9,5% das famílias declararam não ter condições de pagar as contas futuras ou em atraso —, seria prudente as autoridades policiais e monetárias prestarem atenção nessa nova de “empréstimo”. Ocorre de forma velada, sem intermediários, mas que com certeza contribui e muito para o aumento do endividamento do interessado, que, por sua vez, não vai denunciar porque precisa daquele valor. A bola de neve só vai aumentar. E ninguém vai fazer nada?

Comentários para "Agiotagem. Maquininhas de cartão de crédito são usadas em Brasília como meio de empréstimo clandestino":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

"Carta bate com o que faço aqui", diz professor que levou documento para Londres

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'

'Os manifestos geram poder para a resistência', afirma Celso Lafer

'Os manifestos geram poder para a resistência', afirma Celso Lafer

No DF, políticos e militantes de esquerda têm sido vítimas de violência nas ruas

No DF, políticos e militantes de esquerda têm sido vítimas de violência nas ruas

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

MPDFT apoia criação de Frente Nacional de Combate a Cartéis

MPDFT apoia criação de Frente Nacional de Combate a Cartéis

Deputados distritais derrubam veto e demitidos da CEB recuperam emprego

Deputados distritais derrubam veto e demitidos da CEB recuperam emprego