×
ContextoExato

Assassinato e ameaças. Sandra Moraes é a 32ª vítima de feminicídio do DF em 2019

Assassinato e ameaças. Sandra Moraes é a 32ª vítima de feminicídio do DF em 2019Foto: Correio Braziliense

Justiça concede liberdade provisória ao filho da cabelereira Sandra Maria Sousa Moraes, morta pelo próprio irmão. Jovem disse que foi obrigado a ajudar a esconder o corpo da mãe porque teve medo do tio

Darcianne Diogo-correio Braziliense - 28/11/2019 - 09:15:19

A Justiça concedeu liberdade provisória a Brendo Sousa Moraes, 21 anos, filho da cabeleireira Sandra Maria Sousa Moraes, 39, assassinada no último sábado pelo próprio irmão. Segundo investigadores da 38° Delegacia de Polícia (Vicente Pires), Brendo teria ajudado o tio, Danilo Moraes Gomes, a enterrar o corpo da vítima, no Assentamento 26 de Setembro, em Vicente Pires, onde a família residia ( leia Entenda o caso). O suspeito pelo assassinato continuava foragido até o fechamento desta reportagem.

Na manhã de ontem, Brendo passou por audiência de custódia no Departamento de Controle e Custódia de Presos (DCCP), no Complexo da Polícia Civil. A juíza que presidiu a sessão, Lorena Alves Ocampos, entendeu que o jovem não responde pelo feminicídio de Sandra e, conforme os depoimentos prestados à 38° DP, só soube do crime após ação do tio. “Esclareço, novamente, que não há indícios de que o autuado esteja envolvido na morte da mãe. A todo momento, ele colaborou com a polícia mostrando o local do corpo e as câmeras de segurança e descrevendo em detalhes tudo o que ocorreu”, esclareceu a magistrada.


Em depoimento, Brendo afirmou que não teve outra alternativa a não ser ajudar a esconder os restos mortais da mãe, pois, segundo ele, estava com medo e se sentia ameaçado a todo momento, pelo fato de estar sozinho com o assassino, que estaria armado. O jovem disse ainda que teria sido obrigado a dormir com a esposa na casa de Danilo, afirmando que o tio estava no controle da situação. O Correio entrou em contato com a esposa de Brendo, mas ela não quis se pronunciar sobre o caso.

Investigação

Na noite de ontem, o delegado à frente do caso, Eder Charneski, foi ao Fórum de Águas Claras para expedir mandado de prisão preventiva contra Danilo Moraes. Contudo, por conta do horário, a resposta do juiz só sairá na tarde de hoje. “Até então, estávamos recolhendo os depoimentos e juntando o máximo de provas para remeter o mandado”, explicou.

Uma das testemunhas do caso foi convocada para prestar depoimento na delegacia ontem, mas não apareceu. Segundo o delegado, a pessoa a ser ouvida seria uma fonte importante para o andamento das investigações. Agentes chegaram a analisar as câmeras de segurança do local, entretanto, de acordo com Charneski, não foi possível identificar como se deu o contexto do crime.

O suspeito também é procurado pela Justiça do Maranhão. Ele cumpria pena de 30 anos e seis meses no Presídio de Pedrinhas, em São Luís (MA), por latrocínio, estupro e ocultação de cadáver. “Os familiares nos informaram que ele teria fugido do complexo, mas não existe mandado de prisão. Hoje, faremos novas pesquisas e analisaremos novamente as câmeras de segurança para buscar mais informações”, acrescentou.“Batalhadora e alegre”

Sandra Maria Sousa Moraes morava há mais de seis anos com a filha Samara Sousa Moraes, 22, na Rua 1 de Vicente Pires. As duas trabalhavam em um salão que mantinham na própria casa. Sandra era cabeleireira, e Samara, manicure. Abalada, Samara não quis se pronunciar sobre o caso.

Vizinhos e amigos da vítima lamentam a morte da mulher. O auxiliar de serviços gerais Jailson Lima, 32, mora em frente à casa de Sandra e sente pela perda da amiga. “Ela só vivia aqui em casa, conversando e brincando. Era uma pessoa alegre, batalhadora e que não dependia de ninguém para ser feliz. Quando soubemos da morte, ficamos desesperados. Aqui na rua, tinha gente gritando, chorando, pois ela era muito querida”, contou.

A bancária aposentada Onicia Gontijo, 65, fazia tratamentos no cabelo com Sandra. Ela também mora em frente à casa da vítima. “Muitas mulheres daqui de Vicente Pires procuravam o salão dela e gostavam do trabalho. Era uma pessoa muito comunicativa, alegre e que gostava de agradar os clientes”, relatou.

De acordo com a aposentada, o irmão da vítima chegou a morar na casa dela por um tempo. “A Sandra até montou um barraco para ele. Aparentemente, a relação dos dois era normal. Jamais imaginava que ele pudesse fazer isso. Mas percebia que ele não parecia ser uma pessoa tão boa. Depois que o Danilo foi morar com ela, deixei de frequentar o salão, pois não me sentia segura”, disse.

Enterro

O corpo de Sandra ainda não foi liberado pelo Instituto Médico Legal (IML), pois os documentos da vítima não foram encontrados. “Provavelmente, o Danilo levou ou jogou em algum lugar. Como ela é natural de Maranhão, não tem prontuário civil, que é o que comprova a identidade”, explicou o delegado Eder Charneski.

Mobilizados com o caso, amigos de Sandra montaram uma “vaquinha” para ajudar nos custos do velório. A técnica em enfermagem Isabel Pereira, 33, é uma das pessoas à frente da ação. As duas frequentavam uma igreja evangélica em Vicente Pires. “Nós, da comunidade, nos sensibilizamos com a situação. A família dela não tem condições financeiras para promover um velório digno”, frisou.

Isabel conheceu Sandra no salão dela há mais de seis anos. “Quando soube que ela estava morta, não consegui ficar sobre as pernas. Pensei comigo: ‘como pode uma pessoa tão alegre, que gosta de ajudar, morrer desse jeito?’. Nunca vou me conformar”, lamentou.

Onde procurar ajuda

Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência —

Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República

Telefone: 180 (disque-denúncia)

Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)

» De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h

» Locais: 102 Sul (Estação do Metrô), Ceilândia, Planaltina

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam)

» Entrequadra 204/205 Sul - Asa Sul

(61) 3207-6172

Disque 100 — Ministério dos Direitos Humanos

Telefone: 100

Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar

Telefones: (61) 3910-1349 / (61) 3910-1350

Entenda o caso

Sandra Maria Sousa Moraes foi encontrada morta na última segunda em um local de mata que faz divisa com o Parque Nacional de Brasília. A vítima foi achada com um cabo de telefone enrolado no pescoço. A cabeleireira teria sido estrangulada pelo próprio irmão, Danilo Moraes, considerado foragido da Justiça do Maranhão. No crime contra a irmã, o suspeito teria tido a ajuda do filho de Sandra para enterrar o corpo. A moradora de Vicente Pires é a 32ª vítima de feminicídio no Distrito Federal em 2019.

Comentários para "Assassinato e ameaças. Sandra Moraes é a 32ª vítima de feminicídio do DF em 2019":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório