×
ContextoExato
Responsive image

Atacados pelo ‘Gabinete do ódio’, Mourão e Ramos avisam: ‘paraquedistas andam sempre no mesmo passo’

Atacados pelo ‘Gabinete do ódio’, Mourão e Ramos avisam: ‘paraquedistas andam sempre no mesmo passo’Foto: PRTB

Vice-presidente e ministro se irritam com especulações de que pretendem formar uma Junta Militar para limitar o presidente Jair Bolsonaro

Estadão Conteúdo - 09/04/2020 - 10:18:24

Os generais influentes do Palácio do Planalto se irritaram com especulações de que pretendem formar uma Junta Militar para limitar o presidente Jair Bolsonaro ao papel de “Rainha da Inglaterra” – no dicionário da política, uma figura sem poder de fato. As insinuações foram feitas, no final da semana passada, pela ala ideológica do governo, liderada pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), o filho 02 do presidente, nas redes sociais.

A reação militar só veio na tarde desta quara-feira. Em mensagens no Twitter, o vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, elevaram o tom. “Aos aventureiros de muitos costados que nesta hora de dificuldades pretendem inviabilizar o @govbr lembro que sou o Vice do Presidente @jairbolsonaro e que os paraquedistas andam sempre no mesmo passo”, publicou Mourão. “O #Brasilvencerá o #COVID-19 como venceu todas as guerras de sua História”, ressaltou o general. Na verdade, o Império Brasileiro não conseguiu vencer a Guerra da Cisplatina, em 1828, e teve que aceitar uma negociação internacional que garantiu a independência do Uruguai. A derrota ou empate, historiadores divergem, arruinou a popularidade de D. Pedro I e a economia brasileira.

Horas depois do Twitter de Mourão, foi a vez do general Ramos sair para o contra-ataque. “Só lembrando também que existem mais paraquedistas ao lado do nosso Pres Bolsonaro”, escreveu no Twitter. Ele citou os ministros Augusto Heleno Ribeiro (Gabinete de Segurança Institucional) e Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e o presidente dos Correios, Floriano Peixoto. “Paraquedistas são como águias, aves da mesma plumagem que voam juntas e enfrentam qualquer desafio! Vamos vencer o Covid-19.” No Palácio, o que mais se ouviu foi o desbotado mantra de que “a tropa está unida” e “trabalhando pelo governo”. “O presidente é Jair Bolsonaro e estamos aqui com ele e por causa do governo dele”, disse à reportagem um interlocutor militar.

Os ataques aos generais pela ala ideológica, recorrentes desde o início do governo, foram reiniciados no dia 2 de abril. O primeiro alvo foi Mourão, que naquele dia se reuniu com governadores da Amazônia. Ele foi designado por Bolsonaro para presidir o Conselho da Amazônia. No dia seguinte, sexta-feira passada, ele foi bombardeado pela militância após o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), elogiá-lo e dizer que, se Bolsonaro entregar o governo para ele, o Brasil chegará em 2022 em melhores condições. Foi o suficiente para Carlos Bolsonaro perguntar no Twitter o que levava o vice-presidente a se reunir “com o maior opositor socialista do governo”. Mourão ficou calado.

Na segunda-feira, um dos apoiadores de Bolsonaro chegou a dizer ao presidente, na portaria do Palácio da Alvorada, para ele não se tornar “ Rainha da Inglaterra ”. Bolsonaro não respondeu porque não ouviu ou porque preferiu fazer ouvido de mercador. Ele tinha outra batalha pela frente naquele dia. Precisava decidir se demitia o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta , que provoca ciúmes nele e nos filhos desde que começou a aparecer em coletivas para falar sobre o coronavírus.

Bolsonaro decidiu não demitir Mandetta, aceitando, assim, os conselhos justamente dos militares, especialmente do general Braga Netto, ministro-chefe da Casa Civil. A decisão realimentou a fúria do grupo de Carlos e da militância bolsonarista conta a “Junta Militar”. A ala extremista não poupou nem mesmo o “interventor”, como Braga Netto passou a ser tratado nas redes sociais. Por conta da polêmica com o ministro da Saúde, os generais do governo atuaram como bombeiros para tentar desfazer os imbróglios criados pela troca de farpas entre o presidente e Mandetta, e mantê-lo no governo. Neste momento, os generais avaliam que não é hora de aumentar as turbulências no Palácio e no País.

Comentários para "Atacados pelo ‘Gabinete do ódio’, Mourão e Ramos avisam: ‘paraquedistas andam sempre no mesmo passo’":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório