×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de setembro de 2021

Atacar sistema eleitoral é tática comum para minar confiança nas democracias e gerar caosFoto: Alan Santos / PR

Atacar sistema eleitoral é tática comum para minar confiança nas democracias e gerar caos

Jair Bolsonaro e Donald Trump durante reunião do G20 em Osaka, no Japão

Daniel Giovanaz - Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 12/08/2021 - 08:38:39

Em sua cruzada pelo voto impresso, Bolsonaro mira um dos pilares democráticos e repete postura de Trump

O Brasil demorou a comprar vacinas contra a covid, está de volta aos patamares do Mapa da Fome e atingiu uma taxa de desemprego recorde. Essas três situações impactam a vida de milhões de famílias na pandemia, mas passam longe dos discursos de Jair Bolsonaro (sem partido). Há uma semana, o presidente só fala em supostos problemas no sistema eleitoral.

A próxima disputa presidencial no Brasil será em 2022, e Bolsonaro aparece em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto – atrás de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que recuperou seus direitos políticos em março.

O Planalto apostou todas as fichas na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do voto impresso, que acabou derrotada na Câmara dos Deputados na última terça-feira (10). Mesmo assim, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) continua sendo alvo dos discursos do capitão.

“Não tenho provas”, ele ressaltou pelo menos três vezes na quarta-feira (11), ao insinuar que o TSE “poderia saber” de uma suposta tentativa de fraude contra sua candidatura em 2018.

Segundo pesquisadores ouvidos pelo Brasil de Fato, tirar o foco dos problemas reais do país é apenas um dos objetivos do ataque de Bolsonaro às urnas eletrônicas.

O cientista político Vitor Marchetti observa que o presidente brasileiro segue uma cartilha que vem sendo adotada por candidatos conservadores em outros países, como Donald Trump, nos Estados Unidos, em 2020, representantes da direita boliviana em 2019, e Keiko Fujimori, no Peru, este ano.

“A lógica é a mesma, de produzir instabilidade para o cenário eleitoral. Porque é por meio do caos, da formação de disrupturas, que essas figuras conseguem se colocar como ‘antissistema’. Tudo isso é parte de um sistema desestabilizador, que é uma estratégia para favorecer seu grupo na concentração e centralização do poder”, analisa.

O passo a passo é simples, mas arriscado. Se conseguirem minar a confiança pública na eleição, esses políticos colocam em xeque as bases da democracia liberal e abrem caminho para governar sem o respaldo das urnas.

“São figuras [nos EUA, na Bolívia, no Peru e no Brasil] que fogem aos scripts esperados de disputas eleitorais em regimes democráticos. Essa é a grande onda: a ruptura com a lógica das instituições democráticas e eleitorais”, acrescenta Marchetti, que é professor da Universidade Federal do ABC (UFABC).

O discurso precisa ser direto e agressivo, para que as bases de apoio se sintam convocadas a defender esses políticos a qualquer custo. Na pior das hipóteses, o adversário que vencer as eleições assumirá sob desconfiança de parte da população.

Contradições

Nos últimos oito anos, países como Israel, Alemanha e Venezuela viveram experiências semelhantes. O próprio Brasil, já em 2014, com Aécio Neves (PSDB), voltou a se deparar com acusações infundadas de fraude eleitoral. Dilma Rousseff (PT) tomou posse sob pressão, e o tucano levou meses para admitir o resultado.

“Mesmo após a vitória [em 2018], Bolsonaro já fazia um questionamento às urnas. Durante a campanha também houve essas falas, embora menos contundentes e organizadas do que agora”, observa Marchetti.

Especial: Brasil com fome: pandemia e desmonte do Estado agravam drama dos trabalhadores

“O bolsonarismo hoje tem capacidade de mobilizar uma base armada, nas polícias militares, nas milícias, nos clubes de atiradores. E ele vai tentar alimentar esses grupos para tentar produzir instabilidade. Afinal de contas, esse é um governo militar, conduzido estrategicamente por militares”, completa.

Doutora em Ciências Sociais com pós-doutorado em Comunicação Política, Rosemary Segurado enfatiza que o objetivo dos líderes que vêm atacando os sistemas eleitorais não é aprimorá-los ou torná-los mais transparentes.

“A escolha dos representantes pela vida direta é um dos pilares básicos da democracia. Então, quando Bolsonaro diz que se não tiver voto ‘auditável’ a eleição será roubada, é como se ele dissesse que não precisa ter eleição, porque se ele não ganhar, é fraude. Então, o que ele não reconhece é a democracia em si.”

“Essa estratégia da extrema direita, em âmbito global, acaba até ficando contraditória. Trump questionava o voto pelo correio e a forma de contagem; Bolsonaro pede o voto impresso. Então, cada um olha para a especificidade do sistema em seu país e busca algum questionamento”, analisa.

A especialista lembra que não é a primeira vez que se especula a possibilidade de fraude eleitoral no Brasil. A própria demanda por urnas eletrônicas surgiu nos anos 1990 como resposta a essa desconfiança.

“Isso sempre existiu. Sempre tivemos muita teoria da conspiração em torno de eleições. O que é novo é a intensidade desse discurso, a ponto de virar um movimento”, diz.

Leia também: Coluna | Qual é o Capitólio de Jair?

“E vale lembrar que isso entrou fortemente na agenda de Bolsonaro entre março e abril, depois que Lula recuperou seus direitos políticos.”

Inviável

Bolsonaro não fala em substituir a urna eletrônica, mas em torná-la híbrida: cada voto geraria uma cédula impressa, o que supostamente diminuiria a chance de erros e fraude na apuração.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vem ressaltando que o atual modelo já é auditável e que a urna híbrida teria alto custo operacional, além de não aumentar a segurança e a confiabilidade.

As urnas são monitoradas e submetidas ao controle público em todas as etapas antes de serem lacradas. Ao final da votação, é emitido um boletim, a partir do qual qualquer cidadão tem acesso ao resultado das zonas eleitorais.

Ao denunciarem supostas fraudes eleitorais, Bolsonaro e outros representantes da direita radical assumem o papel de vítimas.

“A ideia que eles vendem é a de romper com o que chamam de globalismo. É como se existisse uma orquestração mundial de funcionamento das instituições para uma única direção, que romperia com certos valores culturais e agendas conservadoras, e eles precisariam produzir uma ruptura para defender princípios calcados no que eles entendem por moral e bons costumes”, descreve Vitor Marchetti.

“Nesse pacote, entram até elementos religiosos.”

A observação final de Marchetti remete às articulações de Bolsonaro com igrejas neopentecostais no Brasil, mas também ao golpe de 2019 na Bolívia. Lá, o candidato mais votado, Evo Morales, foi impedido de tomar posse após setores da direita alegarem fraude eleitoral.

Com a Bíblia em mãos, a parlamentar de direita Jeanine Áñez assumiu o cargo interinamente e ordenou a retirada de símbolos indígenas da sede do governo.

Para o cientista político, a hipótese de que Bolsonaro era controlável ou “moderável” mostrou-se incorreta. O presidente mantém seu discurso violento contra adversários e só aceita recuar quando sua sobrevivência está em jogo. Um dos exemplos seria a aliança com o chamado “centrão”.

“Bolsonaro tenta surfar na ideia do voto impresso, que ele passou a chamar de ‘voto auditável’, mas aqui temos um sistema robusto, uma capacidade de coordenação nacional. A articulação do TSE com o Supremo dá muita força e respaldo, e nosso sistema de urnas eletrônicas é legitimado internacionalmente. Então, o Brasil tem remédios, do ponto de vista institucional, para lidar com essas tensões. O que não significa que elas serão pequenas”, analisa Marchetti.

“Em resumo, se por um lado temos instituições capazes de realizar eleições em 2022, o cenário ainda é uma incógnita. Temos passado por processos conturbados em termos de organização política e institucional, e as instituições estão na UTI respirando por aparelhos. Se elas vão ter capacidade de reagir, essa será a grande questão”, diz.

Rosemary Segurado chama atenção para a base de apoio de Bolsonaro no interior das Forças Armadas e das polícias militares, que poderia produzir resultados mais desastrosos do que em outros países onde houve ataques pontuais ao sistema eleitoral.

Para a cientista social, os 229 votos favoráveis à PEC do voto impresso na Câmara indicam um cenário preocupante.

“Esse número de votos [na Câmara] dá um combustível para Bolsonaro continuar sua cruzada de deslegitimação das urnas. Ele não vai abandonar essa narrativa”, finaliza.

Edição: Leandro Melito

Comentários para "Atacar sistema eleitoral é tática comum para minar confiança nas democracias e gerar caos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Lei da Improbidade deve ser aprovada e passar a ser chamada de Lei da Impunidade

Lei da Improbidade deve ser aprovada e passar a ser chamada de Lei da Impunidade

O relator Weverton Rocha é processado por improbidade

Presidente do STF, Luiz Fux marca para 25 e 26 de outubro a audiência pública sobre o juiz de garantias

Presidente do STF, Luiz Fux marca para 25 e 26 de outubro a audiência pública sobre o juiz de garantias

A audiência pública será transmitida pela TV Justiça e pela Rádio Justiça

MP aponta Carlos Bolsonaro como ‘beneficiário final’ de ‘organização criminosa’

MP aponta Carlos Bolsonaro como ‘beneficiário final’ de ‘organização criminosa’

Seis famílias são suspeitas de operar rachadinha

Autuadas por corrupção passiva no Hran deverão cumprir medidas cautelares

Autuadas por corrupção passiva no Hran deverão cumprir medidas cautelares

O inquérito policial será encaminhado para a Vara Criminal de Águas Claras, competente para processar e julgar o feito.

Barroso proíbe missões religiosas em terras indígenas na pandemia

Barroso proíbe missões religiosas em terras indígenas na pandemia

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu missões religiosas em terras indígenas de povos isolados durante a pandemia.

MPF quer que STJ analise denúncia contra procurador por vazar dados da Greenfield

MPF quer que STJ analise denúncia contra procurador por vazar dados da Greenfield

O MPF também acusa a Corte Especial do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região de promover um 'verdadeiro e ilegal rejulgamento' do caso ao anular a decisão que havia aceitado a denúncia.

Alexandre suspende reintegração de posse contra 800 famílias em São Paulo

Alexandre suspende reintegração de posse contra 800 famílias em São Paulo

A ação aponta que não foram tomadas as medidas necessárias para realocar as famílias em condições adequadas, conforme decidido pelo STF, sobretudo em relação ao isolamento social.

O preço começa a ser pago por Bolsonaro

O preço começa a ser pago por Bolsonaro

Inquéritos sobre o 7 de setembro, o Dia da Independência, avançam

Ministro do STJ relaciona Bolsonaro a aumento de mortes violentas no país

Ministro do STJ relaciona Bolsonaro a aumento de mortes violentas no país

Rogério Schietti criticou, em julgamento oficial, política de liberação indiscriminada do porte e da posse de armas por parte do presidente