×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Auditoria do Tribunal de Contas em Brasília aponta falhas na Funap

Auditoria do Tribunal de Contas em Brasília aponta falhas na FunapFoto: Correio Braziliense

Relatório conclui que a Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso é ineficiente e há má gestão para promover o trabalho interno e externo dos detentos

Por Helena Mader-correio Braziliense - 28/06/2019 - 09:23:22

Detento presta serviço em equipamento público: apenas 30% têm contrato para trabalho fora da prisão



Trabalhar na cadeia é um dever e um direito dos presos condenados. A Lei de Execução Penal obriga os detentos a desenvolverem atividades profissionais, com a garantia de um dia de pena a menos a cada três dias de trabalho. Mas a maioria dos internos do sistema penitenciário do Distrito Federal não tem acesso a esse direito. Uma auditoria do Tribunal de Contas do DF (TCDF) na Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap) mostrou que, entre os presos autorizados a trabalhar fora do Complexo Penitenciário da Papuda, apenas 30% têm contratos externos. O total de empregos intermediados pela Funap é ainda menor: 17% dos detentos conseguiram uma atividade por atuação da entidade. Assim, o TCDF cobra medidas do governo para garantir a ressocialização dos egressos do sistema penitenciário.


Criada em 1986, a Funap tem a atribuição legal de garantir a inclusão e a reintegração social das pessoas presas e egressas do sistema prisional. A fundação deve fazer a intermediação entre presos e o mercado de trabalho e assegurar a ressocialização dos detentos com oferta de cursos de capacitação e oficinas profissionalizantes. Para isso, a entidade firma convênios com empresas públicas e privadas. Segundo a entidade, são oferecidos cursos nas áreas de marcenaria, corte e costura, panificação, mecânica, serralheria e atividades agrícolas na Fazenda Papuda.


O levantamento dos auditores do TCDF, realizado no ano passado e concluído em março de 2019, mostra que a ação do órgão é insuficiente e praticamente restrita à intermediação de vagas de trabalho. “A situação é ainda mais grave com relação às ações de capacitação e classificação de presos em vagas de trabalho interno promovidas pela instituição, as quais beneficiaram apenas 3% da população carcerária sob custódia das unidades prisionais”, diz um trecho do relatório.


O trabalho interno é obrigatório no sistema penitenciário, à exceção do preso provisório. As autoridades da área devem considerar as atribuições e qualificações dos detentos, além das necessidades do preso e as oportunidades oferecidas pelo mercado de trabalho. Os internos do sistema prisional não se submetem às leis trabalhistas, mas a Lei de Execuções Penais determina que a jornada deve ficar entre seis e oito horas diárias, com descanso aos sábados e domingos.


O trabalho externo depende de autorização da Vara de Execuções Penais e deve seguir requisitos como o cumprimento de ao menos um sexto da pena. Nos contratos de trabalho intermediados pela Funap, as empresas contratantes pagam a remuneração e benefícios, como auxílios-alimentação e transporte. A entidade fica com parte dos recursos pagos pela contratante para arcar com os custos operacionais e institucionais.


A auditoria do TCDF apontou, ainda, que há falhas orçamentárias e de gestão na fundação. Uma das causas, aponta o documento, é o número de comissionados: 98% dos servidores da entidade não são concursados. “Esses percentuais demonstram uma completa falta de razoabilidade no preenchimento dos cargos, além de representar ofensa aos princípios da administração pública. A situação compromete a gestão do órgão”, apontam os técnicos da Corte de contas.


A falta de planejamento estratégico e a carência de diretrizes e de procedimentos internos conduzem “ao total empirismo no funcionamento da Funap/DF”. Os auditores apontam que não foram realizadas revisões no regimento interno, o que gerou a defasagem da estrutura administrativa. “Verificou-se que inexiste na estrutura da Funap setores de controle interno e ouvidoria”, acrescenta o corpo técnico do TCDF. Diante das falhas, o TCDF sugere que parte das atividades realizadas pela Funap passe a ser de responsabilidade da Subsecretaria do Sistema Penitenciário, vinculada à Secretaria de Segurança Pública.


Fechado
Sem vagas de trabalho, muitos presos qualificados para progredir do regime fechado ao semiaberto ficam atrás das grades por falta de oportunidades. A presidente da Associação de Familiares de Internos do Sistema Penitenciário do DF e Entorno, Alessandra Paes, lembra que a superlotação da Papuda é um complicador. “A lei é clara, os presos têm direito a trabalho e educação. Mas a lei não vale para todos”, reclama. O irmão de Alessandra ficou um ano e dois meses além do necessário na Papuda por não conseguir emprego. “Tiveram que dar a ele prisão domiciliar depois de tanto tempo à espera de uma vaga de emprego. Era para ter saído no começo do ano passado, mas só saiu neste ano”, lamenta a presidente da entidade.


Em nota, a Secretaria de Justiça e Cidadania, responsável pela fundação, informou que “a nova gestão encontrou a Funap com muitos problemas e, para solucioná-los, a Sejus está implementando um modelo mais humanitário, já existente em presídios femininos”. Ainda segundo a pasta, cerca de 600 pessoas aguardam oportunidades de trabalho. “São egressos do sistema prisional com curso superior, segundo grau, pedreiros e outros perfis profissionais aptos e à espera de oportunidade de trabalho.”

A Sejus informou ainda que 1.350 presos trabalham hoje no âmbito dos 75 contratos firmados com órgãos públicos e empresas privadas, e que 80 reeducandos fazem trabalho voluntário. “Internamente, na Funap, encontram-se em funcionamento as oficinas de marcenaria, costura industrial, serralheria, e práticas agrícolas, tendo 75 classificados e 75 em período de estágio”. De acordo com a secretaria, serão qualificados neste ano 1 mil internos por meio de convênios com o Senai, e 600 presos, pelo Pronatec.


Despesas
A fundação custou, no ano passado, R$ 22,7 milhões aos cofres públicos. Desse total, R$ 19,7 milhões foram para remunerar presos trabalhadores e R$ 1,9 milhão para custear a folha de pagamento da entidade. O aluguel da sede custou R$ 297 mil.

Comentários para "Auditoria do Tribunal de Contas em Brasília aponta falhas na Funap":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Parecer dá razão a Paco Britto em acusação de propaganda eleitoral

Parecer dá razão a Paco Britto em acusação de propaganda eleitoral

O vice-governador compartilhou nas redes um vídeo sobre sua participação no evento.

Ibaneis Rocha viaja a Portugal para negociar edições da Web Summit

Ibaneis Rocha viaja a Portugal para negociar edições da Web Summit

Brasília no páreo para sediar o maior evento de tecnologia do planeta

Tribunal de Contas da União quer inspecionar Palácio do Planalto sobre orçamento secreto

Tribunal de Contas da União quer inspecionar Palácio do Planalto sobre orçamento secreto

Diferentemente de uma investigação formal do Ministério Público ou da Polícia Federal, porém, o tribunal não pode apreender computadores ou tomar depoimentos.

PDOT: Seduh conclui oficinas temáticas e retoma debate com Comitê Participativo

PDOT: Seduh conclui oficinas temáticas e retoma debate com Comitê Participativo

Ordenamento territorial é debatido a cada dez anos.

Governador do DF prevê desobrigar uso de máscara em ambientes abertos em novembro

Governador do DF prevê desobrigar uso de máscara em ambientes abertos em novembro

O número de vacinados com a 2ª dose ou dose única havia alcançado a taxa de 59,96% da população acima de 12 anos até hoje. Um total de 86,84% tomou a 1ª dose da imunização contra a covid.

Prorrogado o período de matrícula na rede pública de ensino do DF

Prorrogado o período de matrícula na rede pública de ensino do DF

Escola Parque da 308 Sul, no Plano Piloto.

CPI que investigará sonegação de bancos no DF tem composição definida

CPI que investigará sonegação de bancos no DF tem composição definida

O autor do requerimento para dar início às investigações, deputado Delmasso, espera resultados similares aos obtido por CPI paulistana que "colocou de volta nos cofres públicos cerca de R$ 3 bilhões”

Ativista por moradia popular denuncia perseguição em Santa Maria, no DF

Ativista por moradia popular denuncia perseguição em Santa Maria, no DF

Ativista Mona Lisa, do Coletivo Mais de Nós, denuncia ter sofrido perseguição após apoiar luta por moradia popular

Estudantes cobram da Capes pagamento de bolsas

Estudantes cobram da Capes pagamento de bolsas

UNE protocolou um ofício cobrando uma urgente reunião com a presidência da CAPES

Com autorização da Aneel, conta de luz no DF terá reajuste de 11,6%

Com autorização da Aneel, conta de luz no DF terá reajuste de 11,6%

A tarifa residencial no DF, que ocupava o 51º lugar do ranking nacional sendo uma das mais baixas do país, passa a ocupar a 36º posição.

Biotic sedia lançamento do programa ‘Centelha’ no DF

Biotic sedia lançamento do programa ‘Centelha’ no DF

Presente à cerimônia de lançamento, o vice-governador Paco Britto assegurou que o Centelha será um programa-modelo no DF