×
ContextoExato
Responsive image

Aumenta a tensão com o Supremo Tribunal Federal

Aumenta a tensão com o Supremo Tribunal FederalFoto: STF

Centrão esfrega as mãos

Denise Rothenburg - Correio Braziliense - 24/05/2020 - 11:36:24

Os últimos lances políticos colocaram o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, numa situação de ser obrigado mais uma vez a reagir em defesa da instituição. Até aqui, o comandante do STF tentava amenizar a relação entre os Poderes, em busca do equilíbrio e da boa convivência. Porém, diante do video da reunião de 22 de abril e da nota do general Augusto Heleno, cuja leitura foi de ameaça à estabilidade, a visão é a de que o Supremo está sendo desmoralizado de forma injusta.

» » »

Na reunião, Bolsonaro repreende os ministros que não o defendem, mas não faz o mesmo quando Abraham Weintraub, da Educação, xinga o Supremo e prega a prisão de seus ministros. Se Bolsonaro quiser retomar a política da boa vizinhança com outro Poder, terá que promover gestos nessa direção. Ou seja, Weintraub balançará mais no cargo e sua saída foi levada ao presidente por apoiadores políticos como um gesto de pacificação com o STF.

» » »

Em tempo: a defesa institucional nada tem a ver com os inquéritos em curso no STF. Ali, a letra da lei será seguida à risca, da mesma forma que foi o envio do pedido da oposição, de apreensão do celular presidencial, à Procuradoria-Geral da República, para que dê seu parecer a respeito do mérito do pedido feito pelos oposicionistas, sem juízo de valor do STF. É o que determina a lei. E, assim será.


Centrão esfrega as mãos

Juridicamente, até aqueles especialistas em direito ligados a partidos de esquerda têm dificuldades em caracterizar, em conversas reservadas, um crime cabal do presidente da República com base apenas no vídeo que desnudou o modus operandi do governo em 22 de abril. Porém, do ponto de vista político, o cenário está posto. Não para a aprovação de um processo de impeachment, mas para que o Centrão reforce ao presidente Jair Bolsonaro a necessidade de atender melhor aos seus deputados e senadores, leia-se participação no governo.


Governo na encruzilhada

Se tem algo que a reunião ministerial deixou patente aos políticos e ao mercado é que o governo, logo ali na frente, quando passar a pandemia, terá que optar por um caminho: sair da crise com investimentos do capital privado ou dobrar a aposta nos recursos públicos.


Marinho versus Guedes

Por enquanto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, ganhou a parada, quando o presidente disse que é ele quem determina a política econômica. Porém, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, demarca território ao dizer que é preciso “deixar os dogmas de lado” e que a pandemia requer investimentos públicos.


Guedes versus Marinho

Lá pelas tantas, Guedes rebate Marinho, dizendo que “não tem música, não tem dogma, não tem blá blá blá”. O ministro da Economia reforça que o Brasil saiu na frente dos emergentes e da Europa em termos de programas sociais de auxílio e completa: “Se não existe algo, aqui é dogma.”


“Caravana patriota”/ Na sexta-feira, circulou por vários grupos de WhatsApp um apelo em busca de pessoas para completar um ônibus que sairia de São Paulo para Brasília neste fim de semana, para participar de uma manifestação hoje em favor do presidente Jair Bolsonaro. Preço da passagem ida e volta: R$ 150. Em Brasília, cada um teria que arcar com suas próprias despesas de hospedagem e alimentação. A volta está marcada para amanhã. Em plena pandemia, tem muita gente com medo de viajar.


O corpo fala/ O ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas (foto), se remexe na cadeira. Justamente, quando o do Meio Ambiente, Ricardo Salles, diz na reunião que era preciso aproveitar o momento de atenção à pandemia de covid-19 para, “de baciada”, desregulamentar setores, esquecendo o Congresso. Tarcísio está ministro, mas é consultor da Câmara dos Deputados.


Por falar em Tarcísio.../ Na semana passada, representantes do Centrão tentaram espalhar que Bolsonaro pretendia demitir o ministro. Era mentira e, no Planalto, ficou a desconfiança de que um dos sonhos do Centrão é voltar a comandar a área de transportes, como fazia nos tempos do governo Dilma e Lula.


Damares, a exorcista/ A reunião ministerial já passava da metade quando o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro, defendeu a implantação dos resorts integrados, com uma parte dedicada aos cassinos, como parte importante para auxiliar na recuperação econômica do setor. Logo, a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, reagiu: “Pacto com o Diabo!”

Enquanto isso, nas redes sociais.../ O volume de 625 mil interações com hashtags positivas ao presidente Jair Bolsonaro detectado pela consultoria Bytes na última sexta-feira chamou a atenção da turma da CPI das Fake News. A ordem é verificar se houve impulsionamento por robôs, uma vez que as hashtags negativas chegaram a 112 mil interações. Investigações à parte, a avaliação dos bolsonaristas, entretanto, é a de que o presidente sempre cresce politicamente quando há um conflito direto com qualquer setor. Ele ganhou espaço na política com esse confronto e tensão. E não largará as batalhas até o fim do governo.

Comentários para "Aumenta a tensão com o Supremo Tribunal Federal":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório