×
ContextoExato

“Autocrítica não é um dom dos políticos”, diz Cristovam Buarque

“Autocrítica não é um dom dos políticos”, diz Cristovam BuarqueFoto: Ed Alves/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF

À queima-roupa

Alexandre De Paula - Correioweb - 19/07/2020 - 19:51:39

À QUEIMA-ROUPA, com Cristovam Buarque (Cidadania), ex-governador do DF e ex-senador

Recentemente, o senhor fez uma postagem no Twitter em que questionava: “onde erramos?”. O senhor escreveu um livro sobre isso. No post, houve críticas tanto da esquerda quanto da direita. Por que isso incomodou tanto? Na sua visão, a ascensão de políticos como Bolsonaro ao poder é, de fato, culpa dos políticos do campo progressista?
Incomodou porque cada grupo joga culpa nos outros. A autocrítica não é um dom dos políticos, sobretudo dos que se julgam donos da verdade, sejam de esquerda, sejam de direita. Por isso, criticam sem ler nem mostrar quais os erros do livro: Por que falhamos: O Brasil de 1992 a 2018.

Qual a principal falha? Foi mais grave perder a capacidade de se comunicar com parte da população ou decepcioná-la?
Coloco 24 falhas. A primeira: a divisão do PSDB e do PT. Colocaram as eleições municipais na frente do Brasil. Segunda: não apresentamos uma utopia nova, que para mim teria sido o Brasil ter uma educação de qualidade e o filho do pobre na mesma escola no filho do rico. Um dos piores erros foi alguns caírem na corrupção e muitos fecharem os olhos para corrupção dos correligionários. Foi um erro acreditar em narrativas falsas de que estávamos mudando o Brasil.

É possível se recuperar desses erros?
Claro que vamos nos recuperar. Mas, para isto, é preciso reconhecer os erros, pedir desculpas ao povo pelos erros, mostrar as coisas boas que fizemos e oferecermos um programa novo para o futuro.

Ao fazer essa autocrítica, onde o senhor considera que errou?
Eu sou parte desse conjunto. Um erro pessoal foi não ter conseguido convencer o Presidente Lula da importância da educação de base e da necessidade da federalização.

Arrepende-se do voto a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff?
Não posso me arrepender de um gesto que me senti obrigado a fazer, por coerência. Falei dois anos que a presidente Dilma cometia crime de responsabilidade, alertei das consequências, que vieram. Eu seria incoerente se votasse diferente do que eu falara. Se foi um erro político, foi um acerto moral. Sempre coloquei a moral na frente da política. Fiquei meus anos na política zelando por esta coerência, e não a perdi. Apesar de perder amigos, eleitores, ser agredido na rua e ver até a minhas netas de 10 e 6 anos sendo agredidas. O Gabinete do Ódio já existia antes. Felizmente, naquele momento eu tive coragem para continuar coerente. Hoje, era capaz de eu ser mais pragmático e menos coerente.

O senhor foi ministro da Educação, como vê a sucessão de crises no MEC? Há esperanças com o novo escolhido?
O problema da educação não está no ministro, mas no presidente. Ministro não manda e se tenta mandar, cai. Sobretudo se carrega o celular em viagem. O atual governo vai cometer o triste milagre de piorar a educação, que já era ruim quando ele chegou.

Como o senhor, que também foi governador, tem avaliado a gestão de Ibaneis?
Depende do dia.

Mas como o senhor vê a condução da crise nestes últimos dias pelo governador? Acha que ele acerta ao reabrir todo o comércio?
Esta pergunta é para os médicos. Pelo que eu ouço no noticiário sobre outras cidades brasileiras e o resto do mundo, acho que ele comete um erro. Sabemos das dificuldades da população, nossas crianças estão traumatizadas e muitas nunca vão recuperar plenamente a educação, vemos as notícias de empresas encerrando atividades, mas todas as informações são no sentido de que precisamos agir como deu certo em outras partes “distanciamento, graças ao isolamento”. Onde os governos cederam às pressões e optaram pelo mais fácil de ignorar o vírus, este terminou vencendo. E a popularidade do governante junto aos eleitores foi paga com a morte de seus familiares.

Só papos

“Nossas salas de aula são apertadas e mal ventiladas. Tem escola que não tem nem água. É mais prudente o governo se debruçar no combate efetivo da pandemia e pensar no retorno depois.”
Chico Vigilante (PT), deputado distrital

“As crianças e adolescentes estão nas ruas, brincando aglomerados. Ir para escola não vai aumentar riscos de contaminação, eles já estão se expondo.”
Júlia Lucy (Novo), deputada distrital

Comentários para "“Autocrítica não é um dom dos políticos”, diz Cristovam Buarque":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório