×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de outubro de 2021

Aval do Reino Unido à vacina de Oxford facilita aprovação de mais agências, diz pesquisadora

Aval do Reino Unido à vacina de Oxford facilita aprovação de mais agências, diz pesquisadoraFoto: Arquivo Pessoal

A médica Lily Yin Weckx, coordenadora do Centro de Referência de Imunobiologia Especial da Unifesp

Estadão Conteúdo - 31/12/2020 - 18:52:52

Coordenadora dos testes do imunizante no Brasil explica o que de fato se sabe sobre a eficácia do produto, a estratégia adotada pelos britânicos e como isso pode ser servir de referência

A aprovação da vacina de Oxford/AstraZeneca pelo Reino Unido para uso emergencial trouxe alívio para os pesquisadores que trabalham com os testes clínicos no País. Principal aposta do governo brasileiro, a vacina contra a covid-19 deu um susto quando se viu que houve erros na execução da fase 3, que puseram em dúvida sua real eficácia ou o tempo que ela poderia levar para ser aprovada.

A médica Lily Yin Weckx, coordenadora do Centro de Referência de Imunobiologia Especial da Unifesp, responsável por coordenar o estudo clínico da vacina no Brasil, disse que agora o cenário muda e a 1ª aprovação deve facilitar a análise por parte de outras agências reguladoras, incluindo a Anvisa. a Fiocruz prevê pedir registro para uso no Brasil na 1ª quinzena de janeiro. Ao Estadão, ela explica o que de fato se sabe sobre a eficácia da vacina, a estratégia adotada pelo Reino Unido e como isso pode ser uma boa ideia também para o Brasil.

A primeira aprovação desta vacina, que é a principal aposta do Brasil, traz um alívio?

É com certeza um dia muito especial, porque isso muda o cenário. Como a agência reguladora do Reino Unido é de grande prestígio - foi também a 1ª a aprovar a da Pfizer -, isso facilita a análise de outras agências.

Quando saíram os resultados da fase 3 e se viu que tinha ocorrido uma confusão, em que algumas pessoas tomaram na 1ª aplicação apenas meia dose, era esperado que a autorização de uso atrasasse porque alguns testes adicionais teriam de ser feitos. Isso aconteceu? Foi o que garantiu a aprovação britânica?

Não foram refeitos. Na fase 3, o que aconteceu é que trouxe uma análise combinada de vários estudos no Reino Unido e no Brasil. E dentro desses estudos, um grupo recebeu meia dose como 1ª dose e depois uma 2ª dose plena. E este grupo apresentou eficácia de 90%. Outro grupo, que recebeu as duas doses cheias, apresentou 62%. Tivemos de analisar. Muito provavelmente, o intervalo entre as duas doses no 1º grupo (que tomou meia e uma) foi maior do que o do 2º grupo. No 1º, foi de cerca de três meses e no 2º, de um mês. Pode ser que isso tenha influenciado, por isso continuamos com a avaliação. Por isso, o órgão regulatório do Reino Unido aprovou a vacina em duas doses cheias, mas com espaço de até três meses.

Essa diferença de tempo entre as doses entre os grupos é normal? Pelo protocolo do estudo clínico, o intervalo já não é pré-determinado? Não deveria ser sempre o mesmo para todos?

Houve essa variação porque, no início, houve momentos em que o suprimento da vacina era baixo, já que é um produto ainda em desenvolvimento. Nem sempre tem toda a oferta imediatamente. O grupo inicial, que recebeu a meia dose, teve de esperar um pouco mais. A gente determina no estudo clínico que seja dada a 2ª dose em 4 semanas, mas nem todos os voluntários comparecem em quatro semanas. Alguns chegam mais tarde.

E isso não inviabiliza o estudo?

Não. Aproveitamos tudo e analisamos. O Brasil faz muitos esquemas de vacinação com dois meses de intervalo. Alguns países fazem com um mês. Mas já sabemos que com dois meses há resposta imune melhor.

O Reino Unido anunciou estratégia de vacinar o maior número de pessoas agora com uma dose e dar a 2ª só após três meses, até para dar tempo de ter mais produção. A justificativa foi que a partir da 1ª dose já se observou uma resposta boa. Isso é novo?

Quando se avalia a eficácia, percebemos que com uma só dose já tem eficácia de cerca de 70% mas num tempo de observação curto, três semanas após a 1ª dose, até tomar a 2ª. O estudo mostrou que com uma dose já começa a proteger. A estratégia que eles adotaram foi começar a vacinação com o maior número possível de pessoas. Isso porque com uma dose a vacina já dá uma boa proteção, forma anticorpos, mas com duas doses a quantidade de anticorpos é maior e possivelmente tem duração de proteção maior. Por isso se manteve as duas. Vai facilitar muito. De início, alcança o maior número de pessoas possíveis para ter um impacto nessa situação tão calamitosa.

Autoridades do Reino Unido disseram que um dos motivos pelos quais recomendaram essa estratégia é que a eficácia chegou a subir até 80% para quem tomou duas doses com intervalo de três meses. Esse já é resultado de uma análise posterior?

A gente ainda pode ficar com a média de eficácia de 70%. O estudo continua, teremos um ano de segmento para ver a persistência da proteção, dos anticorpos, de segurança, etc. O que é importante é que temos uma vacina segura, eficaz e que pode fazer a diferença na pandemia. Esses número de 60%, 70%, 80% são de proteção contra a doença covid. Mas se considerarmos doenças graves e hospitalização, a vacina foi capaz de evitar quase 100%. Entre as pessoas que foram vacinadas, nenhuma delas teve uma doença grave nem ficou hospitalizada por covid. Todas as hospitalizações ocorreram no grupo controle.

Quer dizer que mesmo se a eficácia dela não for tão alta /9como a da Pfizer, de 95%), se as pessoas ficarem doentes, será uma doença mais leve. Não será um problema de saúde pública. É isso?

Por enquanto, é o que os dados indicam. Outra coisa importante é a facilidade de armazenamento da vacina, em geladeiras de 2°C e 8°C. O Programa Nacional de Imunização (PNI, do Ministério da Saúde) está acostumado a lidar com isso há anos, tem a logística de conservação e para distribuir vacinas com essa característica. Para nós, será ótimo. Se encaixa com as nossas características. E com isso vamos poder levar a vacina para qualquer lugar do País.

Para a submissão no Brasil, a sra. acredita que será recomendado também o regime de duas doses com intervalo de até três meses?

Creio que sim, mas vamos ver o que a Anvisa aprova.

Um dos problemas que foram apontados para esta vacina é que a maior parte dos voluntários em que ela foi aplicada tinham menos de 55 anos. Os resultados sobre os idosos – justamente o grupo mais vulnerável – ainda são pouco conhecidos. Houve algum avanço nisso?

É verdade, essa eficácia observada é mais consistente em adultos até 55. A gente começou os estudos vacinando pessoas de 18 a 55. Depois que no Reino Unido se viu que na fase 2 ela era segura até 69 anos, ampliamos para 69, e depois para acima de 70 anos. Esses grupos mais idosos entraram mais recentemente no estudo, então ainda não houve tempo adequado para medir a eficácia. Por isso temos de continuar o estudo e fazer o segmento das pessoas com mais idade. O que sabemos nessas pessoas com idade mais avançada é que a resposta imune delas é muito parecida com a do adulto jovem. Então sabemos que temos uma vacina que suscita uma excelente resposta imune no idoso. Isso deve levar a uma eficácia semelhante à do adulto jovem. Mas ainda não temos isso comprovado, porque o tempo é curto.

Comentários para "Aval do Reino Unido à vacina de Oxford facilita aprovação de mais agências, diz pesquisadora":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Projeto promove educação antirracista em Taguatinga, no Distrito Federal

Projeto promove educação antirracista em Taguatinga, no Distrito Federal

‘Cidade Cor’ vai reunir estudantes de 34 escolas para bate-papo e show da cantora Ellen Oléria

'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

'Nada pode me limitar ou definir', diz a modelo com síndrome de Down

O sonho de ser modelo, ela relata, começou aos 16 anos, quando foi internada com meningite bacteriana e ficou dez dias em coma.

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Inquérito que investiga loja da Zara por abordagem racista será enviado ao MP

Segundo as investigações da polícia, o gerente cometeu atitude discriminatória contra a delegada Ana Paula Barroso, que é negra no último dia 14 de setembro.

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Campanha da ONU chama atenção para direitos das crianças refugiadas

Quase 1 milhão de crianças nasceram como refugiadas entre 2018 e 2020

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

Mulher acusada de homofobia em padaria de SP é condenada a indenizar balconista

"Ainda que a ré seja incapaz, sobre o que não produziu sequer começo de prova, tal condição não afasta sua responsabilidade pelos prejuízos a que der causa", observou a juíza.

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

Distribuição de absorventes faz cair evasão escolar

A "pobreza menstrual" era um tema de pouca repercussão na época e não motivava projetos de lei como hoje, a exemplo do vetado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro. E passava longe de ser associado ao cotidiano de meninas.

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Fachin manda União distribuir testes de covid e máscaras N95 entre quilombolas

Em decisões anteriores, Fachin já havia determinado à União que apresentasse as medidas sanitárias relativas à covid-19 nas comunidades quilombolas

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Coletivo vai mapear cultura LGBTQI+ do Distrito Federal

Prazo para repostas ao mapeamento é até 17 de dezembro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Dia Internacional promove educação e maior consciência da não-violência

Selo emitido pela Administração Postal da ONU com uma pintura de Mahatma Gandhi de Ferdie Pacheco em Comemoração do Dia Internacional da Não-Violência

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

ONU quer agir rápido em favor da igualdade de gêneros na liderança global

Apenas 18 mulheres discursaram nos debates de alto nível da Assembleia Geral em 2021

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados LGBTQIA+ no Brasil enfrentam discriminação, violência e desemprego

Refugiados venezuelanos são registrados na Polícia Fedral de Boa Vista para emissão e regularização de documentos.