×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de maio de 2022

Avaliação. 45% dos brasileiros afirmam que Judiciário interfere nos outros Poderes

Avaliação. 45% dos brasileiros afirmam que Judiciário interfere nos outros PoderesFoto: 247

Cerca de 60% dos entrevistados dizem que os Poderes não são independentes entre si, como determina a Constituição, e que frequentemente interferem entre si.

Estadão Conteúdo - 26/11/2019 - 16:28:25

Mais de quatro a cada dez brasileiros acreditam que o Poder Judiciário interfere e desempenha funções que não são próprias dos juízes e desembargadores. Essa percepção é ainda maior entre advogados e defensores públicos, que trabalham diretamente com o sistema de Justiça: mais de 70% concordam que há interferência no Legislativo e no Executivo . A atuação do Judiciário, porém, ainda é a mais bem avaliada entre os três Poderes.

Os dados são de uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas ( FGV ), feita em parceria com a Associação de Magistrados do Brasil (AMB), que entrevistou mais de 2,5 mil pessoas, entre advogados, defensores públicos e cidadãos comuns. Os resultados serão apresentados hoje em reunião com o presidente do Supremo Tribunal Federal ( STF ), ministro Dias Toffoli , no Conselho Nacional de Justiça. Essa é a primeira edição do estudo.


Cerca de 60% dos entrevistados dizem que os Poderes não são independentes entre si, como determina a Constituição, e que frequentemente interferem entre si. Entre advogados e defensores, o Judiciário é o mais citado como o Poder que interfere nos demais com mais frequência. Já os demais entrevistados, cidadãos que não têm carreira do Direito, 25% dizem que o Legislativo é o Poder que mais interfere nos demais, e 22% citam o Judiciário.

A maior parte dos cidadãos – o equivalente a 45% – concordam que o Judiciário desempenha funções de outros Poderes. Outros 33% discordam dessa afirmação e 22% não sabiam ou não responderam à pergunta. A maioria (51% entre cidadãos comuns e 66% entre advogados e defensores) avalia que é negativa a atuação de magistrados em assuntos sob responsabilidade do Congresso ou do Executivo.

“O ponto positivo é que ( a pesquisa ) retratou uma situação que estamos vivendo, ninguém está surpreso nesse ponto, e é um ponto de partida para a discussão dos papéis de cada Poder”, disse o professor Marco Aurélio Bellizze, da FGV, que é também ministro do Superior Tribunal de Justiça ( STJ ) e ajudou a coordenar a pesquisa. “A pesquisa é uma ‘foto’ do momento. É um momento em que se discute qual é o papel do Judiciário, se há ativismo demais, se o Judiciário está invadindo demais ou se os outros Poderes estão retraídos.”

Avaliação

Entre os três Poderes, o Judiciário tem os melhores índices de confiança e aprovação. Segundo a pesquisa, 33% dos entrevistados dizem que o Judiciário é o poder que melhor cumpre o seu papel, enquanto só 9% escolhem o Legislativo e 8% citam o Executivo. A segunda resposta mais comum, com 28% dos entrevistados, é de que nenhum poder cumpre seu papel de forma melhor.

O Judiciário é o único em que mais da metade dos entrevistados, ou 52%, disse confiar. A Presidência da República conta com a confiança de 34% de quem foi ouvido na pesquisa, e o Legislativo, 19%.

O sentimento mais identificado com o Judiciário brasileiro, porém, é de preocupação. Os pesquisadores perguntaram como os entrevistados se sentem em relação ao sistema de Justiça, e 45% responderam que estavam, em primeiro lugar, preocupados. Em seguida, as respostas mais comuns foram: esperançoso (25%), envergonhado (25%), indignado (24%), triste (20%) e com medo (18%).

A característica mais importante em um sistema Judiciário “ideal”, para o conjunto da sociedade, é que ele seja confiável (41%). Já a maior parte dos advogados (44%) responde que o mais importante é que a Justiça seja imparcial e igual para todos.

Desinformação

Outro fenômeno identificado pela pesquisa é o desconhecimento em relação ao sistema Judiciário. Apenas 21% conhecia o nome do presidente do STF, ministro Dias Toffoli. A pesquisa também listou 11 instituições do sistema de Justiça, da Defensoria Pública ao Superior Tribunal Militar, e perguntou se os entrevistados conheciam os órgãos citados. A proporção de pessoas que respondeu conhecer “bem” ou “mais ou menos” as entidades ficou abaixo dos 50% em todos os casos.

Esse é um dos motivos levantados pelos pesquisadores para explicar a avaliação ruim da Justiça em alguns casos. “Quanto maior o conhecimento sobre o Poder Judiciário, melhor a avaliação. Nossa avaliação é sempre melhor entre advogados e defensores do que entre o público em geral”, disse Bellizze.

Ele afirmou que a comunicação deve ser um dos temas sobre os quais o Conselho Nacional de Justiça ( CNJ ) deve discutir a partir do estudo. Lentidão nos processos e o papel do Judiciário também devem entrar no debate. “Há uma falha grande de comunicação. O Judiciário não consegue nem demonstrar qual é sua missão real. Há muita confusão sobre o que é Justiça, o que é polícia e o que é Ministério Público, quem prende e quem solta.

Comentários para "Avaliação. 45% dos brasileiros afirmam que Judiciário interfere nos outros Poderes":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Desmate na Mata Atlântica cresce 66%, com alta anual em 15 Estados

Desmate na Mata Atlântica cresce 66%, com alta anual em 15 Estados

Falhas permitem cadastro rural em área indígena

"Imaginar pessoas negras no futuro já é por si só ato de resistência", afirma autora GG Diniz

Em entrevista ao Trilhas do Nordeste, escritora cearense fala sobre particularidades do afrofuturismo na região

Dez anos do Código Florestal: Entraves e divergências ainda atrasam implementação

Dez anos do Código Florestal: Entraves e divergências ainda atrasam implementação

Para escritório Bueno, Mesquita e Advogados, falta de qualificação dos dados é principal impasse, mas análise dinamizada surge como solução viável para tirar a legislação do papel

Com alta da gasolina e carros mais caros, venda de motos aumenta no país

Com alta da gasolina e carros mais caros, venda de motos aumenta no país

Procura e compras de motos no Brasil vêm registrando alta histórica, enquanto carros estão em queda devido ao aumento dos preços

“Racistas estão cada vez mais à vontade” diz diretor do Observatório Racial no Futebol

“Racistas estão cada vez mais à vontade” diz diretor do Observatório Racial no Futebol

Desde o início do ano, foram registrados 33 casos de racismo envolvendo o futebol brasileiro

USP projeta 816 mil médicos em 2030, mas má distribuição continua no Brasil

USP projeta 816 mil médicos em 2030, mas má distribuição continua no Brasil

O estudo Radiografia das Escolas Médicas Brasileiras, concluído em 2020 pelo CFM, mostrou que 92% das instituições de ensino superior que oferecem vagas para Medicina não atendem pelo menos um dos três parâmetros considerados ideais

Operação no Pará interdita garimpo ilegal de manganês e apreende 2.4t de minério

Operação no Pará interdita garimpo ilegal de manganês e apreende 2.4t de minério

No último domingo, 15, cerca de 800 toneladas de manganês foram apreendidas pela PRF na BR-155, em Marabá. O minério estava sendo transportado de forma ilegal, num comboio de 14 carretas

Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Unep Grid Arendal/Riccardo Pravettoni Plantações na Amazônia brasileira

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Brasil tem vantagem competitiva com créditos de carbono

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

Sandra Benites pediu demissão do museu depois que seis fotos sobre o MST e a luta indígenas foram vetadas de uma mostra

Como os indígenas preservam o peixe pirarucu

Como os indígenas preservam o peixe pirarucu

Comunidades adotam o plano de manejo que gera renda e salva o gigante amazônico da extinção