×
ContextoExato
Responsive image

Bachelet desaprova pena de morte e tortura para dar resposta a crimes de estupro

Bachelet desaprova pena de morte e tortura para dar resposta a crimes de estuproFoto: Acnur/Ruben Salgado Escudero/ONU News

Bachelet destaca relatos de estupro em todo o mundo, que considera horríveis

Onu News - 18/10/2020 - 19:18:42

Para alta comissária de direitos humanos, essas medidas não evitam novos casos e violam normas internacionais; países como Argélia, Bangladesh, Índia, Marrocos, Nigéria, Paquistão e Tunísia defendem punições mais severas ou mudanças de leis.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu esforços redobrados aos governos para prevenir estupros e outras formas de violência sexual, melhorar o acesso à justiça e indemnizar as vítimas desses crimes.

A declaração foi feita na sequência de relatos de várias regiões nas últimas semanas, incluindo países como Argélia, Bangladesh, Índia, Marrocos, Nigéria, Paquistão e Tunísia. Para Bachelet, esses casos são “horríveis.”

A chefe de Direitos Humanos está preocupada com apelos pedindo punições cruéis e desumanas, by ONU

Apelos

A alta comissária disse que “as pessoas ficaram indignadas com razão e estão exigindo justiça para as vítimas e medidas de prevenção de agressões sexuais.”

A chefe de Direitos Humanos disse compartilhar essa indignação, mas está preocupada com apelos “trazendo punições cruéis e desumanas e a pena de morte para os responsáveis.” Segundo ela, em alguns lugares, leis já estão sendo adotadas para responder à questão.

Bachelet citou uma emenda legal assinada em 16 de setembro no estado de Kaduna, no noroeste da Nigéria. Segundo a nova lei, quando a vítima tem menos de 14 anos, o autor do crime será castrado se for homem ou será feita a remoção cirúrgica das trompas de falópio se for mulher. No final estes receberão pena de morte.

Em Bangladesh, na terça-feira, o presidente emitiu um decreto que altera a Lei de Repressão a Mulheres e Crianças para introduzir a pena de morte para estupro. No Paquistão, houve pedidos de enforcamento e castração em público. Em muitos outros países, houve pedidos de pena capital.

Argumentos

Em comunicado, Michelle Bachelet disse que “o principal argumento a favor da pena de morte é que ela impeça o estupro, mas, na verdade, não está comprovado de que a pena de morte impeça o crime mais do que outras formas de punição.”

Segundo ela, as provas mostram que a certeza da punição, ao invés de sua severidade, dissuade o crime.

Para a alta comissária, o principal problema é que, na maioria dos países ao redor do mundo, as vítimas não têm acesso à justiça, seja devido ao estigma, medo de represálias, estereótipos de gênero, desequilíbrios de poder, falta de treinamento policial e judicial, leis que toleram certos tipos de violência ou falta de proteção.

Medidas como pena de morte discriminam, de forma consistente e desproporcional, pessoas pobres e indivíduos marginalizados

Bachelet diz que a pena de morte e castração cirúrgica não resolvem nenhum desses problemas. Segundo a alta comissária, essas medidas discriminam, de forma consistente e desproporcional, pessoas pobres e indivíduos marginalizados. O resultado são “novas violações dos direitos humanos”.

Soluções

De acordo com as normas internacionais dos direitos humanos, a castração viola a proibição absoluta da tortura e de outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes.

Bachelet diz que os Estados-membros devem, em vez disso, adotar uma abordagem centrada na vítima. A sugestão é que maior foco seja dado para a participação de mulheres e treinamento das autoridades policiais e judiciais.

A chefe de Direitos Humanos da ONU afirma que “por mais tentador que seja impor punições draconianas àqueles que cometem atos tão monstruosos, não se deve permitir cometer mais violações.”

Comentários para "Bachelet desaprova pena de morte e tortura para dar resposta a crimes de estupro":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório