×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de junho de 2022

Bailarina de favela do Rio de Janeiro brilha no palco em Berlim

Bailarina de favela do Rio de Janeiro brilha no palco em BerlimFoto:

A bailarina Debora Goulart tinha 14 anos quando foi descoberta, numa favela carioca, por um professor de balé alemão. Aos 22, ela hoje faz parte do corpo de baile do Friedrichstadt Palast – um dos teatros mais tradicionais de Berlim.

Por Cristiane Ramalho - Rfi Em Berlim - Yvis Sucksdorff - 30/12/2018 - 11:18:49

O salto aconteceu num lance de sorte. Debora já fazia dança desde os oito anos de idade no projeto “Dançando para Não Dançar”, no morro do Cantagalo, onde morava, em Ipanema, quando foi convidada pelo diretor de uma escola estadual de balé de Berlim – a Staatliche Ballettschule - para estudar na Alemanha.

O diretor da escola, Ralf Stabel, que visitava a favela para ver uma apresentação do projeto, ficou encantado com Debora. “Eu só dancei em grupo, para dar as boas-vindas. Quem deveria ter sido escolhida era uma outra menina, mais experiente”, lembra a carioca, que logo provaria que além de sorte, tinha mesmo talento.

Para se preparar para Berlim, Debora teve que disputar uma vaga na prestigiada Escola de Balé Maria Oleneva, do Teatro Municipal. E conseguiu. “Eram 50 meninas concorrendo, e fui uma das três aprovadas na prova. Foi importante para poder treinar e fortalecer a minha técnica”, conta.

Um ano depois, já estava de mudança para Berlim. Um começo difícil. Além de estudar balé, Debora teve que aprender todas as matérias do curso secundário alemão. Um desafio gigantesco. “Eu tinha que estudar tudo: alemão, inglês, matemática, geografia... Aprendi na marra mesmo”, lembra.

Debora também deu um jeito de estudar sozinha e fazer a prova para ter direito ao diploma do ensino médio brasileiro. “Até hoje não sei como consegui me organizar. Mas graças a Deus deu tudo certo”, conta a bailarina.

Racismo na escola

Negra, com um metro e setenta e oito de altura, e aluna aplicada, Debora chamava a atenção na escola. Tinha várias amigas, mas acabou sofrendo com o racismo de uma colega alemã.

“Quando a gente chegou na escola de balé – eu e uma amiga minha – uma menina disse que não queria fazer aula com a gente na mesma turma porque éramos negras, e ela não gostava de negros”. Por sorte, foram defendidas pelas demais colegas. “A turma foi super legal com a gente, todas as meninas ficaram contra ela”.

Não foram poucos os momentos em que Debora pensou em desistir de tudo e voltar para o Brasil. “No começo, eu não conseguia me comunicar. Não falava alemão, não falava inglês, era super frio. Às quatro horas da tarde já estava escuro.”

Para uma adolescente acostumada com o calor e a informalidade carioca, foi uma mudança brutal. “Na comunidade você sai na rua e fala com todo mundo. Não gostava de estar aqui”, admite.

Jovens engravidando

Hoje, ela está mais do que adaptada. Mas o Brasil continua a ser uma referência forte na vida da carioca, que costuma visitar a família uma vez por ano. Da última viagem, Debora trouxe uma tristeza: constatar o impacto da crise sobre projetos como o ‘Dançando pra não Dançar’ e o Criança Esperança, que segundo ela, estão praticamente sem patrocínio.

“Esses projetos eram uma possibilidade para os jovens de ocupar o tempo livre. Com os pais trabalhando, eles ficam sozinhos, sem controle. É muito fácil para as meninas acabar engravidando cedo, ou os meninos entrarem pro tráfico. E é exatamente isso que está acontecendo agora”, lamenta a bailarina.

Sem falar no próprio Teatro Municipal. “É uma pena. Um teatro lindo, com bailarinos super talentosos que não têm mais dinheiro para pagar o aluguel, nem a comida. É triste demais a gente ver a nossa arte tão desvalorizada.”

Rotina puxada

Debora reconhece que só continuou no balé por insistência da mãe, que a estimulou a não desistir do projeto. “Eu me achava muito grande, diferente das outras meninas. Tinha vergonha. Elas eram pequenas – apesar de termos a mesma idade. Foi minha mãe que me incentivou. Hoje eu entendo o motivo”.

No teatro, a rotina exige muita disciplina. Mas Debora adora o que faz: “A gente tem ensaios de manhã e apresentações à noite. Mas ver o público aplaudindo no final do espetáculo faz parte do salário. A gente se sente super realizado”.

Depois de quase sete anos em Berlim, a carioca pensa agora em investir também na carreira de modelo. Além de fotografar para agências alemãs, ela acaba de gravar uma participação no famoso programa Germany’s Next Topmodel, pilotado por Heidi Klum, que vai ao ar a partir de fevereiro.

Depois de quase sete anos em Berlim, a carioca pensa agora em investir também na carreira de modelo.Yvis Sucksdorff


Comentários para "Bailarina de favela do Rio de Janeiro brilha no palco em Berlim":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Elas batalham pela inclusão de mais mulheres na astronomia

Elas batalham pela inclusão de mais mulheres na astronomia

A proposta inicial de acompanhar as garotas de forma próxima se manteve. “Fazemos o acompanhamento individual de cada menina, auxiliando nas atividades e interagindo”

Quem é Francia Márquez, a primeira mulher negra vice-presidenta na Colômbia?

Quem é Francia Márquez, a primeira mulher negra vice-presidenta na Colômbia?

Francia Elena Márquez Mina foi a mulher mais votada na história das eleições colombianas

'Meu repúdio por qualquer discriminação', diz Xuxa sobre homofobia de religiosos

'Meu repúdio por qualquer discriminação', diz Xuxa sobre homofobia de religiosos

A loira afirmou que está indignada com os discursos e por ver que existem pessoas que apoiam esse pensamento.

Relacionamentos abusivos: o que você precisa saber para mudar esse padrão e se libertar

Relacionamentos abusivos: o que você precisa saber para mudar esse padrão e se libertar

Uma em cada três mulheres sofre violência ao longo da vida, de acordo com relatório divulgado pela OMS. Entenda como o autoconhecimento pode ser um dos caminhos para evitar que os relacionamentos cheguem a este ponto

“A ressignificação da velhice é imprescindível”, destaca juíza do TJ do DF em lançamento de cartilha sobre a pessoa idosa

“A ressignificação da velhice é imprescindível”, destaca juíza do TJ do DF em lançamento de cartilha sobre a pessoa idosa

Conheça a Cartilha Quem Nunca? - Reflexões sobre o preconceito em razão da idade.

'Errei e não há justificativa', diz Talitha Morete após ser acusada de racismo no 'É de Casa'

'Errei e não há justificativa', diz Talitha Morete após ser acusada de racismo no 'É de Casa'

No final do programa, Talitha passou o prato para a convidada e pediu para que ela servisse todos que estavam no estúdio.

Bia Haddad celebra melhor ranking em simples e em duplas; Medvedev vira número 1

Bia Haddad celebra melhor ranking em simples e em duplas; Medvedev vira número 1

Confira abaixo os rankings de simples masculino e feminino

Bia Haddad vence Riske na grama em Nottingham e conquista 1º WTA 250 da carreira

Bia Haddad vence Riske na grama em Nottingham e conquista 1º WTA 250 da carreira

Bia Haddad Maia ainda disputará a final das duplas ao lado da chinesa Zhang Shuai no início da tarde deste domingo. Elas enfrentarão a americana Caroline Dolehide e a romena Monica Nicuslescu.

Abertas as inscrições para interessadas em atuar como embaixadoras do Programa Mães do Brasil

Abertas as inscrições para interessadas em atuar como embaixadoras do Programa Mães do Brasil

Prazo para se inscrever vai até o dia 28 de junho. Entre os requisitos necessários, consta experiência em atividades destinadas à proteção integral da mulher no exercício da maternidade

Com metas ambiciosas, executiva brasileira se torna pioneira dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU

Com metas ambiciosas, executiva brasileira se torna pioneira dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU

Denise Hills, diretora de Sustentabilidade da Natura&Co

Europ Assistance Brasil reforça seu foco no conceito de cuidar, valorizar e desenvolver

Europ Assistance Brasil reforça seu foco no conceito de cuidar, valorizar e desenvolver

Signatárias da ONU Mulheres Brasil, empresa apoiou o Lady Diamond Club, evento voltado à proteção e valorização da mulher