×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileirasFoto: Balé Paraisópolis

Dançar da favela para o mundo na plataforma da nuvem, é um sonho para todos os jovens bailarinos do Balé Paraisópolis em São Paulo no Brasil.

Por Bian Zhuodan - Agência Xinhua De Noticias - 29/09/2021 - 07:19:58

Sem plateia, sem aplausos e sem luzes. Em frente às mais belas casas novas de toda a favela, David Rocha e Isabela de Sousa dançavam e giravam com a música.

Dançar da favela para o mundo na plataforma da nuvem, é um sonho para todos os jovens bailarinos do Balé Paraisópolis em São Paulo no Brasil.

Na véspera do Dia Nacional da China em 2021, alguns dos adolescentes da favela se aproximaram de seus sonhos participando do "Dançando na Nuvem", programa especial iniciado pela Embaixada da China no Brasil. O programa também inclui outros jovens artistas de Beijing e São Paulo.

No mapa de satélite, Paraisópolis é uma área cinzenta e confusa de São Paulo, a maior cidade do hemisfério sul. As imagens dessa comunidade mostram um forte contraste com a vegetação verde ao redor e a área urbana com telhado vermelho bem planejada da cidade.

Semelhante a outras comunidades pobres do Brasil, Paraisópolis é desafiada pela pobreza e pelo crime caracterizados por gangues, tráfico de drogas e tiroteios, com os jovens no centro do grupo de vítimas.

Em 2012, Monica Tarrago decidiu executar balé na comunidade de Paraisópolis, na esperança de que a dança pudesse ser "um meio de mudança social" para desenvolver e moldar o potencial e a habilidade dos jovens em comunidades pobres.

"Respeito, determinação, perseverança e regras rígidas aprendidas nas aulas de balé vão acompanhar os alunos por toda a vida", disse Monica.

Após uma suspensão de 570 dias das apresentações na pandemia de COVID-19, no dia 13 de agosto, a trupe de balé de Monica deu início à sua estreia de "retorno", participando do "Dançando na Nuvem".

As áreas públicas ao ar livre da comunidade tornaram-se seu palco. No vídeo do programa especial, os adolescentes dançavam nas ruas, vielas estreitas e telhados.

Quando o coronavírus assolava o Brasil, a comunidade de Paraisópolis foi a mais atingida devido à densa população, saneamento precário e falta de equipe médica. A companhia de balé entregou mais de 2.000 cestas básicas e muitos produtos de higiene pessoal para famílias da comunidade.

Rocha mora aqui desde criança. Em 2012, ingressou no balé de Monica e se tornou um dos primeiros integrantes do sexo masculino. Naquela época, ele teve que enfrentar preconceitos e discussões como bailarino. Ele conseguiu persistir com seu amor pelo balé e o apoio de sua família.

Com a dança solo contemporânea "So Close", em 2019, Rocha, de 14 anos, conquistou o primeiro lugar no Festival de Dança de Joinville, o maior do gênero da América Latina.

A fundação do Balé Paraisópolis também deu às meninas locais a esperança de mudar suas vidas.

De Sousa se mudou para Paraisópolis com a família aos nove anos. Com o apoio da mãe e da irmã, ingressou no grupo 2015, e logo ganhou um prêmio no festival de dança.

Em 2019, a menina foi aos Estados Unidos a convite da Fundação Brasileira para participar de aulas da bailarina Isadora Loyola no Teatro Americano de Balé.

Desde 2012, mais de 1.000 jovens de famílias carentes tiveram contato com a arte no Balé Paraisópolis, onde cultivam hobbies saudáveis ​​e uma atitude otimista em relação à vida.

Depois de nove anos de aprendizado, treinamento e teste, esses adolescentes do balé da comunidade carente assumiram uma perspectiva global.

"A participação no programa especial do Dia Nacional da China é de especial significado para nós: retomamos a coreografia, tivemos novas ideias e lançamos novos trabalhos", disse Monica.

Comentários para "Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social reuniu 200 crianças na Gerência Regional de Trânsito de Taguatinga

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social reuniu 200 crianças na Gerência Regional de Trânsito de Taguatinga

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Proposta foi aprovada hoje e segue para análise do Senado

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Doações de sangue tiveram um redução de 13% neste mês e para alguns tipos sanguíneos o estoque está em níveis críticos

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Plataforma será ligada à Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha global lembra o Dia Mundial da Alimentação, no próximo sábado

Campanha

Campanha "Tenho Sede" conta com doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido

Na campanha, mulheres do semiárido contam suas histórias sobre como o acesso à água através das cisternas transformou as suas vidas

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Consideradas tecnologias simples e baratas, cisternas tendem a gerar benefícios para famílias e comunidades do semiárido

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Pessoas com mais de 60 anos representam quase 18% dos brasileiros

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

A Sputnik Brasil conversou Thiago Rodrigues, professor do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF), sobre a grave crise de migração que levou milhares de haitianos à cidade texana de Del Rio.

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

2,5 milhões de pessoas na República Centro-Africana passam fome.