×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de novembro de 2021

Bolsonaro e Guedes convocam imprensa e atacam Lula e Pacheco em tentativa de conter crise

Bolsonaro e Guedes convocam imprensa e atacam Lula e Pacheco em tentativa de conter criseFoto: Reprodução-Youtube

"A gente vai sair junto, fica tranquilo. Bem lá na frente", disse Bolsonaro sobre ele e Guedes

Paulo Motoryn - Brasil De Fato | Brasília (df) - 25/10/2021 - 12:13:51

Presidente leva ministro para falar com jornalistas novamente; dupla comenta teto de gastos e preço dos combustíveis

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro Paulo Guedes (Economia) concederam a segunda entrevista coletiva em três dias neste domingo (24). Os dois já haviam convocado a imprensa na última sexta-feira (22) em tentativa de negar as notícias sobre uma suposta demissão de Guedes após uma debandada no Ministério da Economia.

A entrevista deste domingo foi feita após a visita do chefe do Executivo a uma feira de expositores de passarinhos no Parque de Exposições da Granja do Torto, onde mora o chefe da Economia. Assim que Bolsonaro saiu do pavilhão onde ocorre o evento, encontrou Guedes e se dirigiu aos jornalistas que estavam presentes no local. É incomum que Bolsonaro atenda a imprensa, principalmente aos finais de semana.

:: Debandada: quatro secretários pedem exoneração do Ministério da Economia nesta quinta (21) ::

Durante pouco mais de 20 minutos, os dois comentaram a alta no preço dos combustíveis e as alterações na regra do Teto de Gastos para viabilizar o Auxílio Brasil, programa social que o governo Bolsonaro pretende implementar.

O presidente e o ministro trocaram afagos, fizeram elogios um ao outro e desferiram ataques a dois possíveis candidatos à Presidência da República em 2022, o ex-presidente Lula (PT) e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

“A gente vai sair junto, fica tranquilo. Bem lá na frente”, disse Bolsonaro. "Eu conheci o Paulo Guedes praticamente um ano antes da eleição. Deposito total confiança nele. Trabalho excepcional em 2019 e principalmente em 2020", elogiou o chefe do Executivo.

::: Escolha de Guedes para chefiar Orçamento reforça conexão de governos Bolsonaro e Temer :::

Acuado pelas saídas de integrantes da equipe econômica e pelas acusações de que mantém uma offshore no exterior, revelada pelas reportagens do Pandora Papers, Guedes foi duro nas críticas a Lula e Pacheco. Segundo ele, o petista "quebrou o Brasil" e o mineiro "precisa ajudar com as reformas".

"A história de que o Brasil não vai crescer é narrativa política. Já está crescendo este ano e vai crescer mais no ano que vem. O presidente sempre apoiou as reformas. É um político popular, mas está deixando a economia ser reformista. Ele não é populista. Tem muito populista aí, inclusive candidato à Presidência, falando em R$ 600, R$ 700, R$ 800", disse.

"Eles quebraram o Brasil e não taxaram os super-ricos. Quebraram o Brasil e não fizeram nada sobre essa roubalheira", afirmou Guedes, em referência ao valor defendido por Lula para o auxílio aos mais pobres na última semana. Ele também tentou atribuir a Pacheco a responsabilidade por reformas propostas pelo governo, com a administrativa, não avançarem.

"[Pacheco] Se lança [candidato a] presidente da República agora. Como vai defender a própria candidatura dele se não avançar com as reformas? Não pode fazer militância também, e tenho certeza que não vai fazer", pressionou Guedes.

"Se ele [Pacheco] quiser inclusive se viabilizar politicamente como uma alternativa séria precisa nos ajudar com as reformas. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP) quer avançar, e precisamos que o Senado ajude também", disse Guedes.

Durante a entrevista, Bolsonaro e Guedes ainda comentaram o preço dos combustíveis e a alteração na regra do Teto de Gastos. O presidente disse que não vai interferir no valor da gasolina e que vai conversar com o ministro sobre possíveis alternativas. Guedes, por sua vez, disse que defende o teto, apesar de ter corroborado as mudanças nas regras da medida.

DEBANDADA

O Ministério da Economia, liderado por Paulo Guedes, sofreu uma debandada na noite da última quinta-feira (21). Quatro integrantes do segundo escalão pediram exoneração: Bruno Funchal, secretário especial do Tesouro e Orçamento; Jeferson Bittencourt, secretário do Tesouro Nacional; Gildenora Dantas, secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento; Rafael Araújo, secretário-adjunto do Tesouro Nacional.

Os pedidos de demissão ocorreram horas após uma declaração de Guedes, sinalizando a intenção do governo Jair Bolsonaro (sem partido) de “ser reformista e popular” e a necessidade de uma “licença” para furar o chamado “Teto de Gastos”.

Aprovado pelo Congresso e promulgado em dezembro de 2016, a regra do Teto de Gastos congelou investimentos em áreas sociais por 20 anos, por meio da Emenda Constitucional (EC) 95. Desde então, o aumento dos gastos públicos está limitado à variação da inflação.

Edição: Arturo Hartmann

Comentários para "Bolsonaro e Guedes convocam imprensa e atacam Lula e Pacheco em tentativa de conter crise":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Brasil fechará fronteiras aéreas para seis países da África, diz ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira

Brasil fechará fronteiras aéreas para seis países da África, diz ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira

Pela manhã, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro minimizou o impacto de um fechamento de fronteira aérea para conter a covid-19. "Não vai vedar, rapaz. Que loucura é essa? Fechou o aeroporto o vírus não entra? Já está aqui dentro", declarou o presidente, ao ser questionado sobre a chance de restringir a entrada de estrangeiros no País.

Greve na EBC afeta cobertura do Enem e jornalismo factual

Greve na EBC afeta cobertura do Enem e jornalismo factual

Mais de 70% dos trabalhadores da EBC aderiram à greve, que começou nesta sexta-feira (26)

Simone Tebet: Mais um nome na disputa da terceira via

Simone Tebet: Mais um nome na disputa da terceira via

Anúncio da candidatura de Simone Tebet aumenta opções em 2022

Ida de Santos Cruz ao Podemos sinaliza divisão dos militares entre Moro e Bolsonaro

Ida de Santos Cruz ao Podemos sinaliza divisão dos militares entre Moro e Bolsonaro

Bate-papo com Hélio Doyle

'O Brasil cometeu o equívoco de minimizar a questão do desmatamento', diz Kátia Abreu em entrevista

'O Brasil cometeu o equívoco de minimizar a questão do desmatamento', diz Kátia Abreu em entrevista

'O Brasil cometeu o equívoco de minimizar a questão do desmatamento', diz Kátia Abreu à Sputnik

Justiça do DF nega indenização por charge com informação equivocada sobre herança de Mariza Leticia

Justiça do DF nega indenização por charge com informação equivocada sobre herança de Mariza Leticia

Turma nega indenização por charge com informação equivocada sobre herança de ex-primeira dama

Congresso tem sessão solene pelo fim da violência contra as mulheres

Congresso tem sessão solene pelo fim da violência contra as mulheres

Sessão marcou o início da campanha dos "16 Dias de Ativismo"

Pesquisa aponta partidos políticos como ambientes hostis às mulheres

Pesquisa aponta partidos políticos como ambientes hostis às mulheres

Ato simbólico da bancada feminina em prol da aprovação de cotas para mulheres no Congresso

Itamaraty troca seu alto escalão e revê políticas de Ernesto Araújo

Itamaraty troca seu alto escalão e revê políticas de Ernesto Araújo

Mudanças na entidade ainda dependem de indicações formais do presidente Jair Bolsonaro para a chefia de embaixadas.

Repressão a movimentos populares é

Repressão a movimentos populares é "calcanhar de aquiles" de Mendonça em sabatina no Senado

Indicação de Mendonça deve ser levada à CCJ na próxima semana; data ainda não foi definida

Barroso defende reserva de assentos na Câmara a candidaturas femininas

Barroso defende reserva de assentos na Câmara a candidaturas femininas

"Ao invés de ter reserva de candidaturas, é necessário ter reserva de vagas, porque aí os partidos vão ter interesse de ter o registro de candidaturas de mulheres que, efetivamente, queiram participar do processo e tenham chances de se eleger", disse Barroso.