×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 19 de janeiro de 2022

Bolsonaro no domingo revelou sua verdadeira face e ontem tentou apagar a imagem

Bolsonaro no domingo revelou sua verdadeira face e ontem tentou apagar a imagemFoto: Tribuna da Internet

O presidente da República tinha obrigação constitucional de repelir frontalmente a proposta de radicalização. Mas não fez isso. Pelo contrário.

Pedro Do Coutto-tribuna Da Internet - 21/04/2020 - 06:58:48

No domingo, como as redes de TV mostraram e os jornais desta segunda-feira assinalaram, o presidente Jair Bolsonaro participou de verdadeiro comício no qual os integrantes levaram cartazes propondo o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. A reação não podia ser outra, sobretudo porque os manifestantes gritavam palavras de ordem defendendo a volta do AI5 de dezembro de 68 que ampliou as garras da ditadura militar e fechou o Parlamento.

Na reação manifestada pelos próprios ministros do STF, presidentes da Câmara e do Senado, governadores de estado, parlamentares e opinião pública, o presidente da República ficou isolado politicamente.

E OS MILITARES? – Além disso, provavelmente, penso eu, o efeito negativo envolveu pelo menos a maioria das Forças Armadas. Com isso, Jair Bolsonaro perdeu espaço e linha de manobra. Porém, deixou claro seu impulso, levando-o a participar do comício e discursar em cima de uma caminhonete em uma atitude que só pode ser interpretada como de apoio à manifestação.

O presidente não podia de modo algum participar de um ato em que foi colocado o fechamento do Supremo e do Poder Legislativo. Tal proposta só poderia ser para elevá-lo a uma posição de poder absoluto. Mas esta é outra questão.

O presidente da República tinha obrigação constitucional de repelir frontalmente a proposta de radicalização. Mas não fez isso. Pelo contrário.

REVELAÇÃO CLARA – Ao participar do minicomício, Bolsonaro revelou, sem dúvida, sua satisfação pela atitude dos portadores de faixas reivindicando uma nova ditadura a exemplo daquela que marcou o fechamento absoluto dos direitos individuais em dezembro de 68.

Como presidente da República, tinha obrigação de repelir a concentração com suas faixas subversivas. Não fez isso. Pelo contrário prestigiou de maneira irresponsável a defesa de um estado de exceção. Perdeu pontos. Provavelmente as pesquisas que forem realizadas pelo Ibope ou pelo Datafolha vão acentuar o reflexo negativo que refletiu em todo o país.

A reportagem publicada pelo O Globo foi assinada pelos repórteres João Paulo Saconi, Natália Portinari e Adriana Mendes. A da Folha de São Paulo pelos repórteres Ricardo Della Coletta e Renato Onofre.

O domingo passa a pertencer à história política do Brasil, porque não há antecedentes de o povo nas ruas, por pequeno que seja, reivindicando a volta da ditadura militar.

Vamos aguardar como vão se desenvolver os próximos capítulos, para ver quais seus desdobramentos. Porque em política, num espaço de dois anos, para citar um exemplo de prazo, sempre acontecem acontecimentos inesperados. Assim como a nuvem, como definiu no passado o governador Magalhães Pinto, ao dizer que a situação política muda permanentemente.

OUTRO ASSUNTO – Este assunto, sim, deveria merecer a atenção do presidente da República. O Banco Mundial está prevendo uma movimentação de mais de 5 milhões de brasileiros ingressando na pobreza extrema. No início do ano eram 9,3 milhões. A previsão para dezembro é de irá atingir 14,7 milhões de brasileiros.

São aqueles cuja renda mensal de cada membro da família fica contida em apenas 145 reais por mês. São pessoas que sobrevivem sob as piores dificuldades.

Comentários para "Bolsonaro no domingo revelou sua verdadeira face e ontem tentou apagar a imagem":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada no Brasil

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Fotografia tirada após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, que matou 272 pessoas

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Cerca de 50 categorias pedem reajustes de 20% a 28%

"A luta dos povos indígenas é uma luta válida e importante para todo o povo"

A Festa do Murici e Batiputá acontece entre os dias 12 e 15 de janeiro

Ministro de Minas e Energia quer o Cade investigando preços abusivos da Petrobras

Ministro de Minas e Energia quer o Cade investigando preços abusivos da Petrobras

Na avaliação do ministro, a investigação do Cade não tem atribuição de segurar o preço dos combustíveis. Mas pode corrigir práticas da empresa, caso fique configurada alguma distorção.

Coronavírus: Ciência e Tecnologia suspende trabalho presencial em quatro órgãos

Coronavírus: Ciência e Tecnologia suspende trabalho presencial em quatro órgãos

O Brasil enfrenta uma nova onda de aumentos de casos de covid-19 por causa da variante Ômicron

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19

Medida ainda não foi oficializada pelo presidente da Casa

Marco temporal, operações policiais e vacina: conheça os principais julgamentos do STF em 2022

Marco temporal, operações policiais e vacina: conheça os principais julgamentos do STF em 2022

Pauta do ano coloca Supremo Tribunal Federal novamente em evidência, apontam especialistas

No Recife, crianças vacinadas contra a covid-19 ganham livro de presente

No Recife, crianças vacinadas contra a covid-19 ganham livro de presente

No Recife, quem recebe a vacina contra a covid leva um livro para casa

Indígena é a 1ª criança vacinada contra a Covid-19 no país

Indígena é a 1ª criança vacinada contra a Covid-19 no país

Em ato simbólico, xavante de 8 anos de Piracicaba recebeu imunizante

Médicos da atenção primária decidem entrar em greve em São Paulo

Médicos da atenção primária decidem entrar em greve em São Paulo

Decisão pode ser revista caso prefeitura revise planejamento