×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de janeiro de 2022

Bolsonaro tem 72 horas para explicar exoneração “a pedido” de Valeixo

Bolsonaro tem 72 horas para explicar exoneração “a pedido” de ValeixoFoto: José Cruz / Agência Brasil

Três partidos tentam anular nomeação de Alexandre Ramagem na Justiça

Por Erick Mota - Congresso Em Foco - 28/04/2020 - 20:19:17

O presidente Jair Bolsonaro tem 72 horas para explicar a exoneração "a pedido" do ex-diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo . A decisão foi tomada pelo juiz Luiz Francisco Ribeiro, da 8ª Vara Federal, em Brasília. Essa é uma resposta às ações populares protocoladas contra o ato de exoneração, sendo uma delas do deputado Aliel Machado (PSB-PR) .

A ação popular afirma que durante a fala de Sergio Moro , ficou demonstrado que "o ato administrativo de exoneração está maculado de ilegalidade: primeiro porque não foi exoneração a pedido; segundo porque seu nome constou em ato oficial sem que tenha ciência de tal conduta".

> Três partidos tentam anular nomeação de Alexandre Ramagem na Justiça

A ação trata ainda da "interferência política ilegal do presidente na PF", que teria havido "não só nessa exoneração", mas também em outros momentos conforme narrado pelo ex-ministro. São ainda citadas possíveis repercussões do ato ilegal, nas esferas administrativa, cível e criminal.

“Estamos em duas frentes: a primeira é a CPI, que está na fase de coleta de assinaturas. A outra é o pedido na Justiça Federal para que seja suspensa a demissão do diretor-geral da Polícia Federal. Estamos trabalhando em duas vertentes para que a Polícia Federal tenha autonomia e independência que ela tanto necessita, tão importante para o país. E, paralelo a isso, as investigações de interferência política que são gravíssimas feitas pelo ex-ministro e ex-juiz Sergio Moro”, defende Aliel.

A ação também visa a suspensão dos efeitos de Decreto Presidencial de 23 de abril de 2020, que exonerou Valeixo do cargo, devendo ser o mesmo reintegrado ao posto e impedida a nomeação de novo ocupante até que a legalidade seja restabelecida.

Advogado de Aliel na ação, Igor Gomes Rocha, afirma que o ato é ilegal pois baseado em falso motivo", na medida em que afirma ter sido uma exoneração “a pedido”, sendo que o ocupante do cargo jamais Valeixo protocolou pedido nesse sentido.

Segundo o advogado, outra ilegalidade aconteceu na medida em que incluiu como subscritor da exoneração o próprio ministro da Justiça, que afirma categoricamente não ter participado do ato. Após à ação e a repercussão da fala de Moro, o Governo republicou o ato retirando a assinatura do ex-juiz, mas manteve a afirmação de que a exoneração de Valeixo se deu a pedido.

Caso comprovado que a exoneração a "pedido de demissão" seja falsa, o presidente terá contratiado a Lei Federal nº 9.784 de 1999, que trata do processo administrativo federal, a Lei nº 4.717, de 29 de junho de 1965, e mesmo a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, que trata do estatuto dos servidores.

Após o prazo de 72 horas fixado pelo Juiz Francisco Ribeiro para que o Governo se explique, será apreciado o pedido liminar de suspensão da exoneração, que pode ter como consequência a suspensão também da nomeação do substituto, Alexandre Ramagem .


Comentários para "Bolsonaro tem 72 horas para explicar exoneração “a pedido” de Valeixo":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Ministro de Minas e Energia quer o Cade investigando preços abusivos da Petrobras

Ministro de Minas e Energia quer o Cade investigando preços abusivos da Petrobras

Na avaliação do ministro, a investigação do Cade não tem atribuição de segurar o preço dos combustíveis. Mas pode corrigir práticas da empresa, caso fique configurada alguma distorção.

Coronavírus: Ciência e Tecnologia suspende trabalho presencial em quatro órgãos

Coronavírus: Ciência e Tecnologia suspende trabalho presencial em quatro órgãos

O Brasil enfrenta uma nova onda de aumentos de casos de covid-19 por causa da variante Ômicron

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19

Medida ainda não foi oficializada pelo presidente da Casa

Marco temporal, operações policiais e vacina: conheça os principais julgamentos do STF em 2022

Marco temporal, operações policiais e vacina: conheça os principais julgamentos do STF em 2022

Pauta do ano coloca Supremo Tribunal Federal novamente em evidência, apontam especialistas

No Recife, crianças vacinadas contra a covid-19 ganham livro de presente

No Recife, crianças vacinadas contra a covid-19 ganham livro de presente

No Recife, quem recebe a vacina contra a covid leva um livro para casa

Indígena é a 1ª criança vacinada contra a Covid-19 no país

Indígena é a 1ª criança vacinada contra a Covid-19 no país

Em ato simbólico, xavante de 8 anos de Piracicaba recebeu imunizante

Médicos da atenção primária decidem entrar em greve em São Paulo

Médicos da atenção primária decidem entrar em greve em São Paulo

Decisão pode ser revista caso prefeitura revise planejamento

Confirmado segundo caso de Candida auris em Pernambuco

Confirmado segundo caso de Candida auris em Pernambuco

Anvisa trata o caso como o terceiro surto do superfungo no país

Vacina brasileira contra a Covid-19 é aplicada pela primeira vez

Vacina brasileira contra a Covid-19 é aplicada pela primeira vez

Estudo clínico aplicará o imunizante em 90 voluntários

Justiça Federal no Brasil se moderniza, mas tribunais ainda amargam demoras

Justiça Federal no Brasil se moderniza, mas tribunais ainda amargam demoras

Essa grandiosidade em termos de acesso à justiça, também vem ao encontro da morosidade com o que cidadão tem que enfrentar, em função ao tempo de decisão com relação a um processo

Estados voltam a ter medidas restritivas com aumento de casos de covid

Estados voltam a ter medidas restritivas com aumento de casos de covid

Aumento no número de infectados é resultado da variante Ômicron