×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de outubro de 2021

Brasil corre risco de vivenciar situação parecida com a invasão do Capitólio dos EUA?

Brasil corre risco de vivenciar situação parecida com a invasão do Capitólio dos EUA?Foto: Lucio Bernardo Jr/Câmara dos Deputados

A invasão ao Capitólio dos Estados Unidos nesta quarta-feira (6) deve servir de alerta às autoridades brasileiras para que um episódio semelhante não ocorra no país, afirmou um cientista político à Sputnik Brasil

Por Victor Labaki Agostinho - Sputnik - 10/01/2021 - 14:59:57

Na quinta-feira (7), em conversa com grupo de apoiadores na porta do Palácio da Alvorada, em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro disse que a falta de confiança nas eleições levou "a este problema que está acontecendo" nos Estados Unidos e que, no Brasil, "se tivermos voto eletrônico" em 2022, "vai ser a mesma coisa".

Na quarta-feira (6), a sessão de certificação do resultado da eleição de novembro foi interrompida após apoiadores do presidente Donald Trump invadirem o Capitólio. O episódio deixou cinco mortos e vários manifestantes foram detidos.

Para o cientista político, Paulo Silvino Ribeiro, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), a declaração de Bolsonaro é "infeliz" e "equivocada".

"Nas entrelinhas ela está estimulando e provocando as pessoas que se sentem minimamente encorajadas a fazerem uma loucura como essa que aconteceu essa semana", afirmou.

Chance de invasão ao Capitólio se repetir no Brasil 'é grande'

Diversas autoridades brasileiras se manifestaram sobre a invasão do Capitólio dos EUA.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), classificou a situação como um ato de desespero. O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que o episódio merece "o repúdio e a desaprovação de todos os líderes com espírito público e responsabilidade".

Apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobem pelas paredes do Capitólio dos EUA durante o protesto contra a certificação dos resultados das eleições presidenciais de 2020 pelo Congresso, Washington, EUA, 6 de janeiro de 2021

© REUTERS / Stephanie Keith

Apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobem pelas paredes do Capitólio dos EUA durante o protesto contra a certificação dos resultados das eleições presidenciais de 2020 pelo Congresso, Washington, EUA, 6 de janeiro de 2021

Já o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que "apoiadores do fascismo mostraram sua verdadeira face: antidemocrática e truculenta".

Além das condenações públicas feitas por líderes políticos brasileiros e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a avaliação feita por vários deles nos bastidores, conforme publicou o blog do jornalista Valdo Cruz no G1, é que a invasão ao Capitólio dos Estados Unidos é um sinal de alerta para o Brasil evitar que o mesmo aconteça aqui.

Paulo Silvino Ribeiro disse que "todo país que tiver alguma manifestação de grupos que flertem com o autoritarismo corre o risco de ter um episódio como o que aconteceu nos Estados Unidos ".

"No caso brasileiro, para ser mais específico, acredito que a chance seja grande. Haja vista o número de manifestações absolutamente antidemocráticas, como a gente viu e tem visto. Nós vimos várias manifestações contra instituições democráticas, contra o próprio Supremo Tribunal Federal, contra o Congresso Nacional, essa chance infelizmente existe para qualquer democracia contemporânea", declarou.

Manifestantes invadem o plenário da Câmara dos Deputados em 2016 e pedem por intervenção militar.

© Foto / Lucio Bernardo Jr./ Câmara dos Deputados

Manifestantes invadem o plenário da Câmara dos Deputados em 2016 e pedem por intervenção militar.

Em 2016, um grupo com cerca de 50 pessoas invadiu o plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília pedindo por intervenção militar. Houve tumulto e a sessão teve que ser suspensa e o local fechado.

​'Autoridades brasileiras precisam ser firmes'

Ainda de acordo com o cientista político, as autoridades brasileiras fizeram bem em repudiar rapidamente a invasão ao Capitólio dos EUA.

"As autoridades brasileiras precisam ser firmes, cumprirem a lei, defenderem a Constituição, e fazerem aquilo que reza a própria Carta Magna. Mais do que isso, elas precisam se fortalecer pela defesa da autonomia dos Poderes. As instituições não podem se constranger", disse.

Declaração de Bolsonaro 'estimula situação de anomia social'

Logo após a invasão do Capitólio dos EUA, Bolsonaro disse na quarta-feira (6) que é "muito ligado ao Trump".

"Eu acompanhei tudo hoje. Vocês sabem que eu sou ligado ao Trump, né? Então vocês já sabem qual a minha resposta", afirmou o presidente.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante cerimônia no Palácio do Planalto.

© AP Photo / Eraldo Peres

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante cerimônia no Palácio do Planalto.

Para Paulo Silvino Ribeiro, as falas de Bolsonaro sobre a invasão do Capitólio não devem constranger as autoridades brasileiras, mas elas ajudam a criar uma divisão na sociedade que não é positiva para a democracia no país.

"A minha preocupação não é com as instituições democráticas em si, claro elas precisam ser preservadas, a questão é a sociedade civil. Os discursos de ódio levam também ao discurso da negação da política e que vai, portanto, estimulando candidaturas como as que a gente viu em 2018", declarou.

Segundo o cientista político, a declaração de Bolsonaro é "maléfica à democracia" e estimula a população a agir de maneira truculenta.

"A gente precisa tirar o Bolsonaro dessa posição de algo jocoso porque ele não é só isso. O que ele fala é perigoso, o que ele fala é ruim, estimula uma situação de anomia social", afirmou.

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação

Comentários para "Brasil corre risco de vivenciar situação parecida com a invasão do Capitólio dos EUA?":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Por que com reformas falhas e promessas não cumpridas Paulo Guedes continua no governo?

Por que com reformas falhas e promessas não cumpridas Paulo Guedes continua no governo?

Sputnik Brasil conversou com Maria Beatriz David, professora da Faculdade de Economia da UERJ, para compreender os motivos que ainda seguram o ministro da Economia, Paulo Guedes, no cargo.

Privatizar Petrobras é 'sonho distante' e 'cortina de fumaça', dizem bancos

Privatizar Petrobras é 'sonho distante' e 'cortina de fumaça', dizem bancos

Em avaliação preliminar, o Credit Suisse diz que um cenário com a Petrobras privatizada seria positivo para a estatal.

Fórum de Mulheres da Amazônia Paraense defende o direito ao aborto para as vítimas de estupro

Fórum de Mulheres da Amazônia Paraense defende o direito ao aborto para as vítimas de estupro

Eunice Guedes, do Fórum de Mulheres da Amazônia Paraense, diz ser "importante que Ministério Público tenha levantado a possibilidade de amenizar a portaria cruel"

A ciência brasileira e seus inimigos

A ciência brasileira e seus inimigos

Paulo Guedes debocha dos milhões de miseráveis famélicos, levados a essa condição pela agenda econômica antipovo e antivida

Lançado há 2 anos, programa de Jair Bolsonaro para substituir Mais Médicos nunca abriu edital

Lançado há 2 anos, programa de Jair Bolsonaro para substituir Mais Médicos nunca abriu edital

Joice Hasselmann, Luiz Henrique Mandetta, Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão no lançamento do Médicos pelo Brasil, que ainda não saiu do papel

Quais os motivos e como amenizar impactos de possível greve de caminhoneiros no Brasil?

Quais os motivos e como amenizar impactos de possível greve de caminhoneiros no Brasil?

Caminhoneiros bloqueiam parcialmente a rodovia Castello Branco, em São Paulo, como parte de uma paralisação nacional protestando contra o alto preço do combustível e baixo valor na tabela de fretes

Indígenas Pataxó acusam latifundiário por tentativa de atropelamento no sul da Bahia

Indígenas Pataxó acusam latifundiário por tentativa de atropelamento no sul da Bahia

Segundo os indígenas, a etnia Pataxó ocupa a região há séculos

“É piada”: Caminhoneiros riem de ajuda de R$ 400 para compra de Diesel, anunciado por Bolsonaro

“É piada”: Caminhoneiros riem de ajuda de R$ 400 para compra de Diesel, anunciado por Bolsonaro

Em 2018, Brasil viveu a maior greve de caminhoneiros da sua história

Senado dos EUA nega verba para remoção de quilombolas em Alcântara

Senado dos EUA nega verba para remoção de quilombolas em Alcântara

Centro de Lançamento Espacial de Alcântara (CLA), no Maranhão

Ao completar 18 anos, o Bolsa Família beneficia 44 milhões, mas está prestes a ser desfigurado

Ao completar 18 anos, o Bolsa Família beneficia 44 milhões, mas está prestes a ser desfigurado

De acordo com o IPEA, entre 2003 e 2018 o programa reduziu em 25% a extrema pobreza no Brasil

Dois meses sem receber: Governo não paga bolsa de formação de docentes em universidade do RS

Dois meses sem receber: Governo não paga bolsa de formação de docentes em universidade do RS

Conselho Universitário (Consuni) e Conselho Estratégico (CES) aprovaram duas moções de repúdio ao MEC