×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Brasil deixa de pagar US$ 292 milhões para aporte no Banco do Brics

Brasil deixa de pagar US$ 292 milhões para aporte no Banco do BricsFoto: Adriano Machado/Reuter

Verba para pagamento da dívida com o Brics - e demais organismos multilaterais - não foi votada no fim do ano em projeto de lei do Orçamento; como consequência, País pode perder espaço na organização

Por Adriana Fernandes, Estadão Conteúdo - 05/01/2021 - 16:31:59

O governo brasileiro não honrou o pagamento da penúltima parcela de US$ 292 milhões para o aporte de capital no Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), a instituição financeira criada pelos cinco países do grupo do Brics (Brasil , Rússia , Índia , China e África do Sul ). O prazo para a quitação da parcela terminou no dia 3 e o Brasil agora está inadimplente com o banco que ajudou a fundar e é um dos acionistas.

O dinheiro para o pagamento da parcela da dívida com o Banco do Brics e outros compromissos com os bancos multilaterais ficou de fora do projeto de lei que foi votado no fim do ano para remanejar despesas do Orçamento de 2020 e atender a demandas de obras de interesse do governo e emendas de parlamentares aliados.

No fim do ano, o argumento para votar correndo o texto , mesmo na frente de votação de outros projetos importantes, foi o de que o governo precisava honrar os seus compromissos com organismos multilaterais e não podia ficar com a imagem arranhada na comunidade internacional.

O Brasil ficou inadimplente com o Banco do Brics justamente no ano em que o brasileiro Marcos Troyjo assumiu a presidência da instituição por indicação do governo Bolsonaro e o total de financiamento aprovado para o País bateu recorde em 2020, atingindo US$ 3,5 bilhões.

Ex-secretário Especial de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Troyjo fez apelos aos ministros Paulo Guedes (Economia ) e Walter Braga Netto (Casa Civil ) e ao presidente do Banco Central , Roberto Campos Neto , para conseguir o pagamento no prazo, mas não obteve sucesso. Um ofício foi enviado aos três alertando para os riscos do não pagamento, inclusive, o de a nota de crédito do banco dada pelas agências internacionais ser afetada negativamente.

Diante da inadimplência, o Brics, por determinação contratual, terá de comunicar às agências de classificação de risco, detentores de títulos e parceiros internacionais, o não pagamento. O Palácio do Planalto foi avisado pelo Ministério da Economia do problema.

Consequências

A parcela é uma obrigação financeira prevista em tratado internacional e decreto presidencial de 2015 que promulgou os termos do acordo para a criação do banco. Durante a tramitação do projeto, foi apresentada uma suplementação orçamentária para a integralização de cotas dos organismos multilaterais no valor de R$ 1,9 bilhão. Desse total, cerca de R$ 1,5 bilhão seriam destinados ao NBD. Os parlamentares retiraram, porém, essa previsão do texto.

O Ministério da Economia confirmou ao Estadão que o pagamento não foi realizado com a justificativa de que "não houve dotação orçamentária para tanto". Mas não deu detalhes do caso, apesar dos pedidos da reportagem feitos desde antes do fim do ano. Em nota, o ministério informou que o NDB e seus sócios foram informados sobre o compromisso do governo brasileiro em buscar meios para quitar a obrigação o "mais breve possível". Não há compromisso de datas. A reportagem tentou, sem sucesso, contato com a presidência do Brics em Xangai .

Em caso de descumprimento da obrigação financeira, o Brasil, que detém 20% de participação acionária, poderá perder parte do direito de voto. A ausência do pagamento aos organismos multilaterais pode prejudicar também a concessão de empréstimos firmados com estas instituições com o Brasil, entre eles, US$ 1 bilhão com o NDB para o programa emergencial de apoio à renda de populações vulneráveis afetadas pela covid-19 e US$ 1 bilhão com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) .

Como mostrou o Estadão, o Brasil deixou de ser o lanterninha do Brics em termos de projetos de financiamento aprovados pelo NDB. Em 2018, a fatia doméstica de projetos financiados pela instituição era de apenas 8%, subindo para 10% em 2019 e chegando a 20% em 2020. Desde o início das operações do banco em 2015, até o início de 2019, as aprovações para o Brasil somavam só US$ 621 milhões.

Comentários para "Brasil deixa de pagar US$ 292 milhões para aporte no Banco do Brics":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Guedes: Como pode o país que menos polui ser o mais agredido internacionalmente?

Guedes: Como pode o país que menos polui ser o mais agredido internacionalmente?

Quando pegamos os fluxos de poluição, o Brasil tem 1,7%, a Europa tem 15%, os Estados Unidos têm 15% e a China tem 30%.

Lançado há 2 anos, programa de Jair Bolsonaro para substituir Mais Médicos nunca abriu edital

Lançado há 2 anos, programa de Jair Bolsonaro para substituir Mais Médicos nunca abriu edital

Joice Hasselmann, Luiz Henrique Mandetta, Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão no lançamento do Médicos pelo Brasil, que ainda não saiu do papel

Quais os motivos e como amenizar impactos de possível greve de caminhoneiros no Brasil?

Quais os motivos e como amenizar impactos de possível greve de caminhoneiros no Brasil?

Caminhoneiros bloqueiam parcialmente a rodovia Castello Branco, em São Paulo, como parte de uma paralisação nacional protestando contra o alto preço do combustível e baixo valor na tabela de fretes

Indígenas Pataxó acusam latifundiário por tentativa de atropelamento no sul da Bahia

Indígenas Pataxó acusam latifundiário por tentativa de atropelamento no sul da Bahia

Segundo os indígenas, a etnia Pataxó ocupa a região há séculos

“É piada”: Caminhoneiros riem de ajuda de R$ 400 para compra de Diesel, anunciado por Bolsonaro

“É piada”: Caminhoneiros riem de ajuda de R$ 400 para compra de Diesel, anunciado por Bolsonaro

Em 2018, Brasil viveu a maior greve de caminhoneiros da sua história

Senado dos EUA nega verba para remoção de quilombolas em Alcântara

Senado dos EUA nega verba para remoção de quilombolas em Alcântara

Centro de Lançamento Espacial de Alcântara (CLA), no Maranhão

Ao completar 18 anos, o Bolsa Família beneficia 44 milhões, mas está prestes a ser desfigurado

Ao completar 18 anos, o Bolsa Família beneficia 44 milhões, mas está prestes a ser desfigurado

De acordo com o IPEA, entre 2003 e 2018 o programa reduziu em 25% a extrema pobreza no Brasil

Dois meses sem receber: Governo não paga bolsa de formação de docentes em universidade do RS

Dois meses sem receber: Governo não paga bolsa de formação de docentes em universidade do RS

Conselho Universitário (Consuni) e Conselho Estratégico (CES) aprovaram duas moções de repúdio ao MEC

Policias de Goiás e do Mato Grosso do Sul apreendem 2,5 toneladas de maconha

Policias de Goiás e do Mato Grosso do Sul apreendem 2,5 toneladas de maconha

A apreensão trouxe prejuízo estimado em R$ 2,5 milhões ao tráfico de drogas.

Estudo detecta

Estudo detecta "pandemia dos não vacinados" no Brasil, como aconteceu nos EUA e em Israel

Vacinação de adolescentes em Salvador (BA); desafio do Brasil é aumentar o alcance da imunização

Pistoleiros ameaçam famílias agricultoras do MST no interior de Tocantins

Pistoleiros ameaçam famílias agricultoras do MST no interior de Tocantins

As intimidações começaram na sexta-feira (15) com ataques a tiros e voltaram a ocorrer neste domingo (17)