×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Brasil é o país mais difamado do mundo, em matéria de preservação ambiental

Brasil é o país mais difamado do mundo, em matéria de preservação ambientalFoto: Tribuna da Internet

O biólogo Cláudio Martins Ferreira, entrevistado pela RedeTV!

Por Carlos Newton-tribuna Da Internet - 05/06/2019 - 07:26:09

Somente nos últimos 50 anos, desde que se constatou o fenômeno das chuvas ácidas, é que a ciência passou a se preocupar para valer com a questão do meio ambiente. Na Europa e na América do Norte, a devastação já era realidade e a contaminação atmosférica passou a ser considerada grave ameaça.

PARA A CHINA – Foi quando as grandes indústrias poluidoras tiveram de ser transferidas para a China, que ao mesmo tempo se tornou uma potência econômica e o país mais poluidor do mundo, a tal ponto que o famoso Rio Amarelo já não faz jus ao nome e mal consegue desaguar no Pacífico, porque na maios parte do ano suas águas secam a meio caminho. E hoje as chuvas ácidas ocorrem com maior intensidade exatamente na China.

Entre os países que ainda têm grandes extensões de florestas naturais destaca-se o Brasil. No entanto, ao invés de ser saudado como o maior preservador ambiental do planeta, há décadas passou a sofrer uma campanha permanente de difamação, inclusive com claras ameaças até de intervenção internacional na Amazônia.

SEM DEFESA – Essa campanha não parou nem vai parar, porque o governo brasileiro jamais soube se defender a respeito, nem externa ou internamente. E hoje os próprios cidadãos brasileiros desconhecem que têm motivos para se orgulhar da política ambiental do país, alguns sequer acreditam que isso exista.

É impressionante que os sucessivos governos brasileiros jamais tenham alegado que o Brasil adota a mais rígida e moderna legislação do mundo, que obriga os produtores agrícolas a preservarem para reserva florestal na Amazônia 80% da área de cada empreendimento, 30% no Cerrado e 20% nas demais regiões.

Por incrível que pareça, essa legislação está sendo obedecida e Estados agrícolas que haviam sofrido brutal desmatamento estão recuperando as percentagens exigidas em lei, tornando o Brasil o país que mais regenera ambientes degradados.

EXEMPLO PAULISTA – Em São Paulo, a extensão de áreas reflorestadas em fazendas já é superior à soma de todas as unidades de conservação existentes no Estado. E essa regeneração está acontecendo em todo país, documentada pela Embrapa em observações por satélite.

Porém, os próprios brasileiros continuam a desconhecer essa auspiciosa realidade. O próprio governo não sabe, podem perguntar ao presidente Jair Bolsonaro ou ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Ele vão ficar surpresos.

A revista “Science”, editada pela Associação Americana para o Avanço da Ciência, acaba de divulgar que há uma tendência mundial de retrocessos ambientais, acentuada nas últimas duas décadas e liderada por dois países de proporções continentais: Estados Unidos e Brasil. Esta é a conclusão do mais completo estudo já realizado, a cargo de um grupo de cientistas de diversas universidades, sob liderança da ONG Conservação Internacional.

QUEM SE INTERESSA? – É preciso que o governo brasileiro reaja e desminta esse relatório de fancaria, mas quem se interessa? Em setembro, o presidente Bolsonaro vai abrir a Assembleia-Geral da ONU, seria importante revelar essas verdades ao mundo, inclusive se referindo aos países que destruíram seu meio ambiente e deveriam se envergonhar disso, ao invés de criticar quem preserva.

O mais importante é que no Brasil existe também a recuperação ambiental voluntária, realizada por ecologistas anônimos, que deveriam ser homenageados com a Ordem do Rio Branco, mas nenhum governo se lembra de fazê-lo.

É preciso exaltar os exemplos desses brasileiros, como o biólogo paulista Cláudio Martins Ferreira, que preserva a reserva ambiental das Fazendas Meandro, em Ibiúna, a apenas 70 km de São Paulo. Quando adquiriu a primeira propriedade, na década de 70, boa parte da área de Mata Atlântica estava preservada.

BIODIVERSIDADE – Empolgado, o biólogo adquiriu mais duas áreas, que foram chamadas de Fazendas Meandros II e Meandros III. Hoje, ao todo, há uma área de 1.200 hectares de Mata Atlântica conservada, que protegem diversas nascentes e um cachoeira que deságua no Rio Laranjeiras, um dos formadores da represa Cachoeira do França.

Na reserva também há uma riquíssima diversidade de animais, com muitas aves, mamíferos, répteis e anfíbios, alguns inclusive, ameaçados de extinção como é o caso da araponga, do sabiá-pimenta e do pavó. A paca e o cachorro-vinagre, de categoria bastante rara, também estão sob proteção, assim como a onça parda e primatas como o sagui, macaco-prego e bugio.

PRODUÇÃO AGRÍCOLA – Nos campos das fazendas, o biólogo implantou um moderno esquema agrícola, em 24 estufas, onde aproximadamente 60 funcionários trabalham na produção de tomates, pimentões, pimentas, vagem holandesa e francesa.

Em média, segundo o proprietário, 60 toneladas são comercializadas por mês para grandes redes de supermercados, gerando recursos que ajudam a manter a Unidade de Conservação Ambiental, incluindo a atuação de seis guardas florestais.

Exemplos como o do biólogo Cláudio Martins Ferreira estão prosperando no país. Hoje, Dia do Meio Ambiente, é preciso lembrar que esses heróis anônimos existem e criam reservas florestais que na verdade passam a não mais pertencer a eles, porque acabam por se tornar patrimônio da Humanidade.

Comentários para "Brasil é o país mais difamado do mundo, em matéria de preservação ambiental":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Poluição por plásticos deve duplicar até 2030

Poluição por plásticos deve duplicar até 2030

Lixo marinho, incluindo plástico, papel e madeira, acaba indo para as profundezas dos oceanos.

Semanas de Inovação Suécia-Brasil discutirão ações para o clima

Semanas de Inovação Suécia-Brasil discutirão ações para o clima

Evento busca integração de iniciativas sustentáveis entre países

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Brasileiros descartam 79 milhões de toneladas de lixo sólido por ano

Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Emissões com a queima de carvão contribuem para a poluição em Ulaanbaatar, na Mongólia.

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Na véspera da COP-26, na Escócia, que começa no dia 31, há uma expectativa sobre o que o Brasil vai apresentar.

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Foto tirada em 27 de setembro de 2021 mostra uma vista no parque de Jiuzhaigou, no distrito de Jiuzhaigou, Província de Sichuan, sudoeste da China.

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Ativista Greta em protesto junto da ONU

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

A Sputnik Brasil conversou com dois especialistas sobre o impacto que um novo projeto de lei norte-americano sobre desmatamento ilegal no mundo pode ter para as exportações brasileiras

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

O desmatamento em junho deste ano, conforme Imazon, apontam para o terceiro maior índice de destruição da vegetação nos últimos 10 anos.

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Desde o início da intervenção na Ponte 3 da Rodovia Transpantaneira, caminhões-pipa de 16 mil litros fazem a reposição diária da água do corixo para beneficiar a população que permaneceu. Um trabalho de "enxugar gelo", segundo Martins, da Ecotrópica, porque o volume é consumido diariamente pelo uso e evaporação.

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro e está sendo devastado, segundo Mapbiomas.