×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de novembro de 2021

Brasil pedirá verba antidesmate em COP; Bolsonaro fala que queimada é ‘cultural’

Brasil pedirá verba antidesmate em COP; Bolsonaro fala que queimada é ‘cultural’Foto: Lula Marques-Pública

Ricardo Salles disse nesta quarta-feira, 20, que o governo tem feito a sua parte.

Estadão Conteúdo - 21/11/2019 - 10:02:30

Após uma série de confrontos com países, ONGs e organizações internacionais sobre questões climáticas e desmatamento, a gestão Jair Bolsonaro indicou nesta quarta-feira, 20, uma mudança de postura. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles , afirmou que o País participará da Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas em Madri ( COP-25 ) para pedir a colaboração financeira para tocar operações de combate ao desmatamento na Amazônia. Já Bolsonaro disse não ser possível acabar com o desmatamento, por se tratar de uma questão cultural, mas prometeu uma medida provisória para tratar da regularização fundiária na região.

Ao lado dos governadores da Região Amazônica, Salles disse que o Brasil usará a cúpula mundial, que acontecerá entre os dias 2 e 13, em Madri, na Espanha, para buscar recursos estrangeiros “que foram prometidos e até agora não recebemos”. Isso ocorre depois de, como prometeu Bolsonaro, a realização da COP-25 em Salvador ser cancelada. O Chile, então, se ofereceu para realizar o encontro, mas o presidente Sebastián Piñera decidiu cancelar o evento, por causa da onda de protestos no país. Por isso, a ONU acabou por transferir a reunião para Madri. A COP trata da implementação do Acordo de Paris, que o Brasil, a exemplo do que fizeram realmente os Estados Unidos, ameaçou abandonar – mas recuou.


A reunião entre União e Estados ocorre após a divulgação do aumento de 29,5% nos índices oficiais de desmatamento na Amazônia, maior taxa da última década, que também teve repercussão negativa no exterior. A divulgação de números preliminares, que chegaram a ser rejeitados pelo governo, levou a uma polêmica com o presidente francês, Emmanuel Macron, que queria levar a questão à cúpula dos países ricos.

Ricardo Salles disse nesta quarta-feira, 20, que o governo tem feito a sua parte. “Nós não concordamos que o Brasil não está indo bem nas suas metas, ao contrário. Já avançou muito na redução do desmatamento”, afirmou. “O que não está indo bem é receber os recursos que nos foram prometidos lá de fora e são essenciais aos governos estaduais que aqui estão e aos brasileiros em geral.”

Mas a cobrança de apoio internacional ainda ocorrerá no ano que o governo paralisou os repasses do Fundo Amazônia, principal programa de apoio a ações de combate ao desmatamento, bancado com dinheiro da Noruega e da Alemanha. Primeiramente, o governo alegou que a iniciativa tinha de ser reformulada porque servia só para financiar organizações socioambientais (ONGs).

Depois, passou-se a acusar os governos da Alemanha e Noruega de terem desmatado todas suas florestas, caçarem baleias e explorarem petróleo do Ártico. Nas redes sociais em 29 de agosto, Bolsonaro chegou a dizer que “alguns países estavam comprando o Brasil a prestações”.

Fundo

Um dos assuntos a serem discutidos na COP é a distribuição do fundo de US$ 100 bilhões/ano, a partir de 2020, para custear iniciativas de países emergentes para combate às mudanças climáticas. “Se o Brasil presta serviços ambientais ao clima e ao planeta, se a Amazônia tem índice de conservação considerável, o outro componente do acordo, a contraprestação financeira, precisa se concretizar”, disse Salles.

Nesta quarta, Bolsonaro voltou a opinar sobre o problema . “Você não vai acabar com o desmatamento nem com as queimadas . É cultural”, disse. Na sequência, afirmou que pretende editar uma medida provisória para regularização fundiária nos Estados da Amazônia Legal – com autodeclaração. “Nós queremos é titularizar as terras. Uma vez havendo o ilícito, você sabe quem é o dono da terra. Hoje em dia você não sabe.”

Já Ricardo Salles falou que o governo vai reduzir os índices de derrubada da floresta, mas não respondeu qual é a meta. “Mais importante do que estabelecer metas numéricas é estabelecer uma estratégia, que é o alinhamento do governo federal com os Estados”, disse.

Salles voltou a dizer que o “grande fator” para o desmatamento na Amazônia é a ausência de “dinamismo econômico” da região. “Nossa expectativa é reduzir o desmatamento ilegal da Amazônia já para o próximo Prodes (programa oficial do Inpe que monitora o desmate) . E, do ponto de vista de tendência, eliminar desmatamento ilegal.”

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostraram que o desmatamento na região alcançou a maior taxa dos últimos dez anos . Houve aumento de 29,5% no período entre 1º de agosto do ano passado e 31 de julho deste ano, na comparação com os 12 meses anteriores.

Com o slogan “ambientalismo de resultado: incluir para preservar”, o governo promete concentrar esforços em regularização fundiária; zoneamento econômico e ecológico; monetização e bioeconomia. Salles disse que também está em discussão desonerar produtos oriundos da floresta. E citou a possibilidade de transferir equipes do governo federal de ecoturismo para trabalhos em campo, nos Estados, para explorar potencialidades da floresta.

Petrobrás

Presente na reunião, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), disse que os Estados da Amazônia Legal decidiram usar os R$ 430 milhões reservados do fundo da Petrobrás para ações contra crimes ambientais e para regularização fundiária. Já o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), disse que haveria uma reunião mais tarde com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes para definir o uso dos recursos – o governo enviou projeto de lei que prevê a necessidade de a verba passar pela União.

A dúvida, disse Barbalho, é se o dinheiro será repassado diretamente a fundos estaduais ou se os governadores terão de fazer convênios com o governo federal. Até agora, os governos dos Estados, a despeito do esforço por sinalizar uma integração sobre o assunto, têm procurado apoio internacional por convênios com países europeus.

Ambientalistas veem plano vago; frente parlamentar elogia

Organizações não-governamentais que atuam na área ambiental cobraram mais detalhes e classificaram o plano governamental como vago. As entidades alertam que a regularização fundiária, uma das intenções do plano, pode servir como anistia a casos de desmatamento ilegal. Já integrantes do agronegócio elogiaram a iniciativa.

Já para o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado Alceu Moreira (MDB-RS), as diretrizes anunciadas são “parte do caminho e da solução” para a Amazônia. Ele também elogiou a busca de financiamento no exterior. “Se realmente a comunidade internacional quer manter a Amazônia de pé, terá de pagar.”

Regularização e fiscalização são cobradas por especialistas. Uma análise do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) mostrou que 1/3 do desmate em áreas não designadas e sem informação. “Isso é grilagem de terras”, afirmou em nota o diretor- executivo do IPAM, André Guimarães.

Mas o Observatório do Clima, que reúne 47 organizações e movimentos ligados à área ambiental, criticou as propostas da agenda proposta por Salles, entre elas o zoneamento econômico. “A Amazônia tem um macrozoneamento ecológico-econômico aprovado desde 2010 e alguns Estados, como o Acre e o Pará, já fizeram seu zoneamento há anos”, disse a entidade, em nota divulgada em seu site oficial, sobre um dos pilares da proposta. “Isso não impediu nem a grilagem, nem o desmatamento: o Pará concentrou 40% da devastação da Amazônia neste ano.”

A ONG WWF-Brasil criticou a falta de prazos, metas e indicação dos recursos para um programa de controle do desmatamento. “Seguimos sem um plano concreto para conter o desmatamento na Amazônia”, disse, por meio de nota, o diretor-executivo da WWF-Brasil, Mauricio Voivodic. “O ministro Ricardo Salles apresentou um conjunto de ideias que não serão suficientes para conter o atual ritmo de destruição da Amazônia.”

O Greenpeace também classificou o anúncio de Salles como “vazio”, e chamou atenção para a ausência de detalhes sobre a implementação dos planos. “Onze meses após o início do governo, as medidas apresentadas são claramente insuficientes e contraditórias com o que o próprio governo vem fazendo”, escreveu a instituição. “Propostas como a de regularização fundiária poderão premiar a grilagem de terras e incrementar ainda mais a destruição florestal”, alertou. / COLABOROU TULIO KRUSE

Comentários para "Brasil pedirá verba antidesmate em COP; Bolsonaro fala que queimada é ‘cultural’":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Um dos objetivos da ação foi enfatizar a importância do meio ambiente para a qualidade de vida das pessoas

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Festival é indicado para para famílias com crianças de 0 a 5 anos de idade

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Após reforma, Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita de peças e utensílios de povos originários

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Com a retomada das escolas públicas às atividades presenciais nesta nova fase da crise sanitária, a proposta dos músicos é levar uma motivação extra às aulas presenciais.

Praça da República é reinaugurada com programação  especial

Praça da República é reinaugurada com programação especial

Estão confirmados o grupo Samba Urgente, Digão (Raimundos), Philippe Seabra (Plebe Rude), GOG (foto), Bboy Samuka (breakdancer), Turko (grafiteiro), Realleza (rapper e cantora) e Tio André (mágico), entre outros

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

A mostra traz fração do lote de oito mil artefatos apreendidos pela Polícia Federal do contrabando de objetos indígenas e doados à Secec

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Chamado de Água Mineral, local pode receber 1,5 mil visitantes por dia

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Projeto desenhado por Lúcio Costa foi o vencedor em 1957

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

O roteiro deste sábado (20) da coordenação da Web Summit incluiu evento com empreendedores de startups e sobrevoo de helicóptero por Brasília

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Zenilda Vilarins Cardozo conversa com crianças da EC 3 do Gama

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Todos os eventos são gratuitos, de classificação livre e será feita arrecadação de 1 kg de alimento não perecível para doação de cestas básicas a famílias em situação de vulnerabilidade social do DF.