×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de outubro de 2021

Brasil volta a ter 14 milhões de famílias na miséria, e economistas afirmam: A situação vai piorar

Brasil volta a ter 14 milhões de famílias na miséria, e economistas afirmam: A situação vai piorarFoto: Marcello Casal Jr - Agência Brasil

Após seis anos o Brasil voltou a atingir a marca negativa de 14 milhões de famílias na miséria – e este número deve aumentar em 2021, por conta do fim do auxílio emergencial.

Sputnik Brasil - 15/01/2021 - 06:58:18

É o que afirmam, em entrevista à Sputnik Brasil, os economistas Daniel Duque, pesquisador de economia aplicada da Fundação Getulio Vargas e do Instituto Brasileiro de Economia, e Walter Belik, especialista em segurança alimentar e professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

"Atualmente temos um contingente enorme que vai deixar de receber o auxílio emergencial. Os níveis de pobreza chegaram a números extremos no último ano, e o governo teve que acudir estas pessoas. […] Para 2021 não ha condições de prosseguir [o auxílio emergencial], e a situação deve se agravar bastante", avalia Belik.

Os números a que Belik se referem são dados do Ministério da Cidadania, que mostram que 39,9 milhões de pessoas no Brasil vivem em condição de miséria: ou seja, têm renda de até R$ 89 por pessoa, por mês. Uma pesquisa do Datafolha publicada no dia 21 de dezembro apontou que 36% das famílias beneficiadas pelo auxílio emergencial tinham no benefício sua única fonte de renda.

"A pandemia impactou principalmente trabalhadores de menor qualificação e famílias mais carentes. Há um percentual que ainda não se recuperou em termos de emprego. Para este mês de janeiro podemos esperar que haja mais pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza extrema", diz Duque.

Além das famílias na miséria, havia 2,8 milhões de famílias brasileiras em situação de pobreza em outubro, com renda per capita média entre R$ 90 e R$ 178 por mês.

Belik lembra que o momento delicado por que passa a economia brasileira, com fuga de capitais e fechamento de fábricas, como a da Ford, dificultam ainda mais a situação das pessoas mais carentes.

"Naturalmente teremos a continuidade desta situação de miséria e necessidade de apoio do governo", afirma Belik.

Ambos os economistas afirmam que a crise provocada pela pandemia foi determinante para o aumento da pobreza no Brasil. No entanto, para Duque, era possível ter minimizado os efeitos da crise nas famílias mais carentes. A solução teria sido aprovar uma "uma mudança permanente na política social do Brasil em 2020, e encaminhado para o orçamento deste ano". Para não comprometer ainda mais a dívida pública, o governo federal preferiu não fazê-lo.

"O governo deveria ter se antecipado a esta situação. [...] Seria preciso o governo ter pensado em uma política social com mais recursos, talvez até de forma permanente, com realocação de outras áreas, mas infelizmente isto não foi feito", avalia Duque.

Outra solução apontada por Duque seria prorrogar o auxílio emergencial, talvez "com um valor menor e uma população um pouco mais restrita". Já Belik destaca que há outras políticas públicas que podem, direta ou indiretamente, melhorar a renda das famílias mais carentes.

"A própria vacinação pode ser uma saída para melhorar a situação de empregabilidade. Outros programas, até mais baratos, como restaurantes populares e cozinhas comunitárias e mesmo a dinamização dos bancos de alimentos, podem ajudar bastante no combate à fome", diz Belik.

O professor da Unicamp não acredita na extensão do auxílio emergencial. Segundo ele, por não se tratar de um ano eleitoral, não há apelo de popularidade que faça o governo priorizar políticas sociais em detrimento das contas públicas. Para diminuir o déficit nominal, o economista explica que o governo deverá enxugar em torno de R$ 500 bilhões – segundo ele, este corte acontecerá "basicamente em gasto social".

"Dificilmente deve acontecer [a prorrogação do auxílio]. [...] As pressões do orçamento são extremamente elevadas. [...] A política do governo ainda é uma política conservadora, de não investimento e não intervenção no mercado para melhorar essa situação de geração de emprego e geração de renda destas famílias", diz Belik.

Já Duque acredita que, por conta da pressão sofrida pela extensão do benefício, "em algum momento o governo vai acabar tendo que ceder e aprovar esta prorrogação" do auxílio emergencial.

Segundo uma pesquisa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) publicada em novembro, 13% da população do Brasil (cerca de 20,7 milhões de pessoas) deixou de comer porque "não havia dinheiro para comprar mais comida" durante a pandemia de COVID-19.

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação

Comentários para "Brasil volta a ter 14 milhões de famílias na miséria, e economistas afirmam: A situação vai piorar":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Consumidor brasileiro gosta de 'regalias' por isso low cost não 'vingam', diz especialista

Consumidor brasileiro gosta de 'regalias' por isso low cost não 'vingam', diz especialista

A Sputnik Brasil conversou com dois especialistas sobre os novos acordos da Embraer e as expectativas de retomada no setor aéreo após o impacto da pandemia do novo coronavírus.

Fenafisco: Alteração no ICMS é desleal e não resolve alta dos combustíveis

Fenafisco: Alteração no ICMS é desleal e não resolve alta dos combustíveis

"É medida paliativa e falsa solução para o elevado preço dos combustíveis, resultado da política de preços da Petrobras", diz a nota.

Conselheira do Cade pede reanálise de operação entre BRF e Marfrig

Conselheira do Cade pede reanálise de operação entre BRF e Marfrig

Pelas regras do Cade, a Superintendência-Geral - área responsável por investigações e instruções de processos - pode aprovar operações que entenda não oferecer riscos à concorrência.

Previsão de crescimento pra América Latina em 2021 salta, mas Brasil vê projeção despencar, diz FMI

Previsão de crescimento pra América Latina em 2021 salta, mas Brasil vê projeção despencar, diz FMI

Relatório "Perspectiva Econômica Mundial" foi divulgado nesta terça- feira (12) pelo Fundo Monetário Internacional e traça prognóstico pras diferentes economias

Para Guterres, Nobel da Paz é lembrete de que nenhuma sociedade é livre sem jornalistas

Para Guterres, Nobel da Paz é lembrete de que nenhuma sociedade é livre sem jornalistas

Jornalista Maria Ressa durante diálogo sobre liberdade de imprensa, na internet, organizado pela Unesco em maio

Cúpula Mundial da Economia Verde de 2021 termina com a 7ª Declaração de Dubai

Cúpula Mundial da Economia Verde de 2021 termina com a 7ª Declaração de Dubai

A WGES terminou com Sua Ex.ª Saeed Mohammed Al Tayer, vice-presidente do Conselho Supremo de Energia de Dubai, diretor executivo e CEO da DEWA e presidente da WGES, anunciando a Declaração de Dubai de 2021

Brasileiro já usa mais lenha do que gás na cozinha

Brasileiro já usa mais lenha do que gás na cozinha

Apenas neste ano, a Petrobras já reajustou o preço do GLP em 47 53%. Desde o início de 2020, a alta acumulada é de 81,5%.

Empresas engordam fundos de inovação

Empresas engordam fundos de inovação

Só no primeiro semestre, o total de investimento foi de quase US$ 80 bilhões - mais do que o dobro do volume verificado em igual período de 2020.

Produção industrial cai em 7 de 15 locais em agosto ante julho, mostra IBGE

Produção industrial cai em 7 de 15 locais em agosto ante julho, mostra IBGE

Na média global, a indústria nacional recuou 0,7% em agosto ante julho.

Cinema africano pode criar mais de 20 milhões de empregos

Cinema africano pode criar mais de 20 milhões de empregos

Unesco celebra Semana do Cinema Africano com mesas redondas e uma exibição sobre o tema

Nova plataforma online interativa do Banco Mundial foca no Brasil

Nova plataforma online interativa do Banco Mundial foca no Brasil

Sede do Banco Mundial em Washington.