×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 12 de agosto de 2022

Cacau e chocolate agroecológico. Conheça a produção que cresce no norte do Brasil

Cacau e chocolate agroecológico. Conheça a produção que cresce no norte do Brasil

Foto:

Produzido em comunidades indígenas, assentamentos e quilombos, o cacau se transforma em chocolate de alta qualidade.

Por Luciana Console - Brasil De Fato - São Paulo - 30/05/2019 - 11:57:19

O Brasil é um dos maiores produtores de cacau no mundo e é no Norte e no Nordeste que se concentram as plantações da semente, cujo principal derivado é o chocolate. Mas não é qualquer chocolate. A produção do alimento na forma agroecológica aumentou na região nos últimos anos. Só no sul da Bahia, são cerca de 40 marcas de chocolate artesanal e agroecológico.

A produção do cacau no assentamento Dois Riachões, localizado no Baixo Sul do estado, é um exemplo disso. O produtor Luciano Silva conta que antes de ser ocupada pelos agricultores, em 2007, a região funcionava como plantação de cacau na forma convencional. Após o trabalho inicial de desenvolvimento agroecológico no local, os agricultores se articularam com outros produtores da agricultura familiar e assentados da reforma agrária e criaram a Rede de Agroecologia Povos da Mata. Comunidades indígenas e quilombolas também fazem parte da Rede, que atua na certificação orgânica dos produtos. A produção do cacau agroecológico começou a partir daí, em 2016.

“A gente tem um trabalho com o cacau agroecológico certificado, ele tem a certificação do Orgânico Brasil, que é a participativa, tem a Ecocert, que é internacional e nós somos a primeira fortaleza de cacau cabruca no mundo reconhecida pelo movimento Slow Food, que é um movimento internacional que trabalha com alimentos bons, limpos e justos e que valoriza as comunidades da produção tradicional e de alimentos sustentáveis”.

A coordenadora do Movimento Slow Food na região Nordeste, Revecca Tapie, explica que a plantação da semente na forma agroecológica é conhecida como cabruca, que significa “abrir a mata”. A técnica consiste em plantar os cacaueiros no meio da floresta em completa harmonia com a Mata Atlântica, de forma que não seja necessário o uso de pesticidas para controle de pragas. Neste sentido, o modelo também foi responsável por restaurar a produção de cacau na região, que sofreu uma grave crise nos últimos anos devido a infestação da vassoura-de-bruxa, praga comum nesse tipo de plantação.

Além do cultivo do cacau na forma cabruca, diversas marcas da região compram a semente como matéria-prima para a produção de chocolates de qualidade, puros e que não prejudicam o meio ambiente, conta Revecca.

“Este processamento tem sido à partir de 60% que é o cacau puro, não tem adição de leite. Tem muitas iniciativas que já não usam mais a lecitina de soja, porque ela já vem com o reflexo de agrotóxico. Então tem produtor que está usando a lecitina de girassol ou açúcar de coco”.

Apesar da qualidade, Revecca explica que o grande desafio é a competição com as grandes marcas, principalmente devido ao valor mais elevado do produto agroecológico. A saída encontrada pelos produtores foi promover a diferença entre os chocolates e a conscientização sobre a qualidade do cacau totalmente puro. A Slow Food entra nessa parte, com projetos locais, como é o caso do Fortaleza Slow Food, na Bahia.

Luciano explica que a união entre os produtores nas cooperativas também é outro fator de grande importância para manter a produção agroecológica funcionando e garantir competitividade e espaço no mercado.

“A gente compreende que se a gente fazer uma escala maior de produção de produtos agroecológicos, a gente consegue baratear cada vez mais esse produto, porque a gente vê que a alimentação saudável é um direito das populações. É um direito que o povo trabalhador deve ter para consumir este produto, então a gente faz um produto diferenciado e de forma coletiva a gente vai criando mecanismo para que esse produto não encareça no seu processo, nem na produção nem no transporte e comercialização”.

Segundo Luciano, a Rede de Agroecologia Povos da Mata busca sempre novos agricultores na região para somar na cooperativa e aumentar o desenvolvimento agroecológico do cacau nos territórios ameaçados pelo agronegócio.

A conscientização também entra quando o assunto é a escolha do comprador. O agricultor afirma que o cacau que eles produzem não é vendido para as multinacionais e nem passa pelos chamados “atravessadores”, pessoas responsáveis por intermediar a venda.

A marca AMMA é uma das que trabalham com o cacau cabruca, assim como o chocolate Terra Vista, do Assentamento de mesmo nome. A Cooperativa da Agricultura Familiar e Economia Solidária da Bacia do Rio Salgado e Adjacências (COOPFESBA) é responsável pelo Bahia Cacau. Além dessas, diversas outras marcas compram o chocolate orgânico das cooperativas.

Edição: Michele Carvalho

Comentários para "Cacau e chocolate agroecológico. Conheça a produção que cresce no norte do Brasil":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

PF mira grupo que fez 245 saques para desviar recursos do Fundeb e do SUS em AL

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Saiba como identificar os recenseadores do IBGE

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Margareth Dalcolmo é eleita para integrar a Academia Nacional de Medicina

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Dia Internacional da Juventude busca pontes com outras faixas etárias

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Ato na UnB marca leitura de carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Em Brasília, estudantes vão às ruas em protesto contra o governo Bolsonaro

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Casas sustentáveis: Entenda como esse modelo de residência gera economia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Trabalho remoto é o futuro na área da tecnologia

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Alexandre diz que atos por democracia reforçam 'orgulho do sistema eleitoral'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

Celso de Mello: Manifesto representa 'severa advertência ao presidente Bolsonaro'

"Carta bate com o que faço aqui", diz professor que levou documento para Londres

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

Jovens ainda sofrem com recuperação lenta do mercado de trabalho, diz OIT

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

José Carlos Dias destaca união do capital e trabalho e lê carta da Fiesp

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Ação contra fraude notifica cinco postos de combustível no DF

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Saiba o que são e como preparar as PANCs, plantas alimentícias não convencionais

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'

Alvaro Vargas Llosa: 'O idiota latino-americano se reinventou'

'Os manifestos geram poder para a resistência', afirma Celso Lafer

'Os manifestos geram poder para a resistência', afirma Celso Lafer

No DF, políticos e militantes de esquerda têm sido vítimas de violência nas ruas

No DF, políticos e militantes de esquerda têm sido vítimas de violência nas ruas

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

MPDFT apoia criação de Frente Nacional de Combate a Cartéis

MPDFT apoia criação de Frente Nacional de Combate a Cartéis

Deputados distritais derrubam veto e demitidos da CEB recuperam emprego

Deputados distritais derrubam veto e demitidos da CEB recuperam emprego