×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiroFoto: Divulgação MDS/Cáritas/Crateús (CE)

Consideradas tecnologias simples e baratas, cisternas tendem a gerar benefícios para famílias e comunidades do semiárido

Cristiane Sampaio-brasil De Fato | Fortaleza (ce) - 01/10/2021 - 18:45:16

Castigada pela seca, região costuma ter longos períodos de estiagem e obras hídricas inacessíveis a populações rurais

Uma campanha lançada no final de setembro pela Articulação do Semiárido (ASA) pretende construir mais de 1 milhão de cisternas para famílias do Semiárido e busca arrecadar doações para viabilizar o novo projeto. Intitulada “Tenho Sede”, a campanha é realizada em parceira com o Consórcio Nordeste, que reúne os governos dos nove estados da região.

O Semiárido brasileiro abarca mais de 1.200 municípios nordestinos e do Norte de Minas Gerais, onde a ASA já construiu mais de 1,2 milhão de cisternas por meio de doações. A ação beneficiou, ao todo, 5 milhões de pessoas.

A entidade, que reúne mais de 3 mil organizações civis e atua no tema há cerca de duas décadas, busca agora ampliar o trabalho por meio da construção de novos reservatórios destinados à população local, que tende a enfrentar nos próximos meses o seu período mais difícil, com a paralisação das chuvas.

O Semiárido costuma ter longos períodos de estiagem que atingem milhões de brasileiros. No ano passado, por exemplo, a escassez de água chegou a níveis superiores a 120 dias em algumas localidades, segundo acompanhamento feito pelo Instituto Nacional de Metereologia (Inmet).

Marcos Jacinto, da coordenação da ASA, afirma que a ideia da campanha é construir cisternas de 16 mil litros, cuja capacidade comporta volume suficiente para atender um núcleo familiar de cinco pessoas durante período de quase um ano, de acordo com os técnicos.

Por armazenarem água da chuva, os reservatórios são considerados essenciais porque amenizam os efeitos da seca, que geralmente afeta as atividades domésticas, sociais e econômicas das populações da região.

“Há obras hídricas no Semiárido brasileiro, principalmente grandes obras, mas, em sua maioria, elas são não estão disponíveis principalmente pras populações rurais, as populações difusas, [localizadas] nas comunidades mais distantes de onde estão essas obras hídricas”, aponta Jacinto, ao mencionar os açudes e barragens encontrados no Semiárido.

Ele acrescenta que o país tem vivido, especialmente desde 2015, um cenário de enfraquecimento das políticas públicas de combate à seca e da construção de cisternas. O contexto reduziu drasticamente as ações estatais na área, gerando maior preocupação nos atores da sociedade civil que lidam com o tema. O segmento vê, na construção de reservatórios por meio de doações, uma saída para ajudar a socorrer a população.

“A cisterna tem sido um instrumento fundamental pra se chegar a essas pessoas, gerar dignidade e acesso a esse bem tão precioso e essencial à vida que é a água. Então, a cisterna tem essa importância de chegar onde outras tecnologias de outras obras ainda não chegam.”

A campanha

A campanha “Tenho sede” conta com a participação especial do cantor e compositor Gilberto Gil, que lançou uma nova versão da canção clássica de mesmo nome. A ideia é sensibilizar a população para se engajar nas doações.

“Para milhões de famílias do Semiárido, ter uma cisterna é a única forma de ter acesso à água para beber e plantar”, diz o baiano, no vídeo de divulgação da campanha.

Para aqueles que desejam colaborar com a mobilização, os organizadores disponibilizam diferentes opções de doação, que vão desde a contribuição pontual a partir de R$ 20 até a doação de uma cisterna completa para beneficiar uma família do Semiárido, que custa R$ 4.500.

Também é possível ajudar com o valor mensal de R$ 80 ou por meio de uma contribuição anual de R$ 600. As doações estão disponíveis na página da campanha, no link: https://asabrasil.colabore.org/tenhosede/single_step

Edição: Anelize Moreira

Comentários para "Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social reuniu 200 crianças na Gerência Regional de Trânsito de Taguatinga

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social reuniu 200 crianças na Gerência Regional de Trânsito de Taguatinga

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Proposta foi aprovada hoje e segue para análise do Senado

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Doações de sangue tiveram um redução de 13% neste mês e para alguns tipos sanguíneos o estoque está em níveis críticos

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Plataforma será ligada à Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha global lembra o Dia Mundial da Alimentação, no próximo sábado

Campanha

Campanha "Tenho Sede" conta com doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido

Na campanha, mulheres do semiárido contam suas histórias sobre como o acesso à água através das cisternas transformou as suas vidas

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Pessoas com mais de 60 anos representam quase 18% dos brasileiros

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

A Sputnik Brasil conversou Thiago Rodrigues, professor do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF), sobre a grave crise de migração que levou milhares de haitianos à cidade texana de Del Rio.

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

2,5 milhões de pessoas na República Centro-Africana passam fome.

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras

Dançar da favela para o mundo na plataforma da nuvem, é um sonho para todos os jovens bailarinos do Balé Paraisópolis em São Paulo no Brasil.