×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de maio de 2022

Casa da Mulher Brasileira comemora um ano com 3,6 mil atendimentos

Casa da Mulher Brasileira comemora um ano com 3,6 mil atendimentosFoto: Atividades promovem a interação entre as mulheres, que participam de encontros nos quais o autoconhecimento é estimulado | Foto: Tony Oliveira/Agência Brasília

Equipamento de alta complexidade em Ceilândia acolhe vítimas de violência doméstica, com serviço psicossocial e capacitações profissionais e de autoconhecimento

Catarina Loiola, Da Agência Brasília | Edição: Rosualdo Rodrigues - 21/04/2022 - 16:27:11

A Casa da Mulher Brasileira (CMB) comemorou, nesta quarta-feira (20), um ano de sucesso como ponto de apoio no enfrentamento à violência doméstica. Desde o lançamento, em abril do ano passado, 3.600 mulheres receberam suporte humanizado, atendimento psicossocial, capacitações profissionais, apoio jurídico e policial. Os serviços são oferecidos de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, na CNM 1, em Ceilândia.

“Essa Casa é a oportunidade que a mulher tem, de qualquer nível, de qualquer situação econômica ou escolaridade, de mudar de vida”Vandercy Camargos, secretária da Mulher

Para a secretária da Mulher, Vandercy Camargos, o programa é um dos mais importantes do Distrito Federal e tem como objetivo principal promover o bem-estar da população. “Essa Casa é a oportunidade que a mulher tem, de qualquer nível, de qualquer situação econômica ou escolaridade, de mudar de vida. Elas podem buscar uma mudança, romper qualquer ciclo de violência, porque aqui a mulher é assistida, apoiada e capacitada”, afirma.

Os dois principais pilares da CMB são o núcleo psicossocial, com uma equipe multidisciplinar, e o programa Empreende Mais Mulher, que oferece qualificações técnicas, de autonomia e autoconhecimento. Assim, a Casa centraliza o suporte às vítimas, agilizando a resolução da ocorrência e define uma porta de saída para a crise.

“Muitas mulheres vêm para cá interessadas nos nossos cursos de capacitação e só depois descobrem que estão sofrendo algum tipo de violência. É um acolhimento com segurança e autonomia, então elas percebem que algo está errado e, com autonomia e o nosso apoio, conseguem pôr um fim no ciclo”, afirma a secretária.

As mulheres chegam ao local de forma espontânea, após tomarem conhecimento das funcionalidades, ou são encaminhadas pelos órgãos especializados, como o Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT), Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), Defensoria Pública do Distrito Federal (DPDF) e Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam).

Genelice Vieira

No núcleo psicossocial, as mulheres vítimas de violência doméstica são atendidas por agentes sociais, assistentes sociais, pedagogos e psicólogos da Secretaria da Mulher

Serviços

No núcleo psicossocial, as mulheres vítimas de violência doméstica são atendidas por agentes sociais, assistentes sociais, pedagogos e psicólogos da Secretaria da Mulher. São analisadas as demandas das vítimas e traçada uma rota de resolução do problema, com o apoio dos órgão parceiros.

“As mulheres recebem um apoio jurídico com servidores especializados para entender os problemas e, dependendo da complexidade, recebem um acompanhamento continuado, de forma quinzenal ou uma vez por mês”, conta a coordenadora do Casa da Mulher Brasileira, Andrezza Ferreira Barbosa.

Já o programa Empreende Mais Mulher é focado em desenvolver a autonomia das participantes, com o Realize, que estimula o autoconhecimento, e o Mão na Massa, que promove cursos técnicos de temas como gastronomia e estética. Dênis Reis, responsável pelo Realize, afirma que a ideia é unir o conhecimento prático com competências comportamentais.

“As mulheres entendem que, quanto mais elas se conhecem, mais têm força para fazer as próprias escolhas e para sustentar ações para alcançar objetivos. A gente olha para a realidade dessa mulher, vê que ela precisa de autonomia econômica, e mostra para ela o caminho de empreender. Mas, junto com isso, a mulher vê quem ela precisa ser para chegar onde ela quer, reconhece os pontos fortes e os fracos, para conseguir se reerguer e cessa o ciclo de violência”, explica Dênis.

O prédio da CMB dispõe de salas para a realização de oficinas e cursos, laboratório de informática com computadores e acesso à internet, auditório e uma cozinha equipada para a realização de oficinas. Há também uma brinquedoteca para as crianças e adolescentes que acompanham as mulheres atendidas pela Casa.

“Quando estávamos com problema, rapidinho tudo deu certo. Agora a gente vem encontrar os nossos amigos”

Para a dona de casa Jucemar Penha, de 58 anos, a Casa da Mulher Brasileira é, realmente, a casa dela. Ela chegou ao local em fevereiro, após indicação de amigos, com problemas no casamento. “Consegui resolver, me separei e agora sou feliz. Venho pra cá quase todo dia, pra fazer as aulas de informática. Aqui é o meu lugar e de todo mundo, as pessoas são muito boas e somos todos amigos. Sempre que dá, estou aqui com minha neta, que fica na brinquedoteca”, conta Jucemar.

A amiga de Jucemar, a dona de casa Genelice Vieira, de 62 anos, também frequenta a CMB diariamente. “A gente é muito bem-recebida, os funcionários trabalham muito bem. Quando estávamos com problema, rapidinho tudo deu certo. Agora a gente vem encontrar os nossos amigos”, comenta ela.

Ações do GDF

Leia também

Programa Realize investe nas habilidades socioemocionais das mulheres

Governador destaca avanços nas políticas públicas voltadas à mulher

Projeto garante autonomia feminina por meio da gastronomia

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) também realiza ações de enfrentamento ao feminicídio e à violência doméstica. Em março de 2021, foi lançado o programa Mulher Mais Segura, com medidas, iniciativas e ações de enfrentamento aos crimes de gênero.

Uma das ferramentas é o Dispositivo Móvel de Proteção à Pessoa (DMPP), que monitora, simultaneamente, vítima e agressor, em tempo real, estabelecendo distância segura entre eles e impedindo que o agressor se aproxime por meio de um dispositivo, que pode ser acionado também quando a vítima se sentir em perigo. Até abril deste ano, foram 69 monitoramentos e, atualmente, são 23 monitorados (13 vítimas e 10 agressores).

Denúncias sobre casos de violência doméstica podem ser realizadas online ou pelo telefone 197, opção 0 (zero), o e-mail denuncia197@pcdf.df.gov.br e o WhatsApp (61) 98626-1197. A Polícia Militar do Distrito Federal também atende a população pelo 190.

Comentários para "Casa da Mulher Brasileira comemora um ano com 3,6 mil atendimentos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
‘Hoje está muito difícil ser uma artista negra no Brasil’, diz Luedji Luna

‘Hoje está muito difícil ser uma artista negra no Brasil’, diz Luedji Luna

Luedji Luna é cantora, baiana, nascida em Salvador. Aos 34 anos, coleciona alguns sucessos e está se preparando para uma turnê na Europa.

Dia Mundial da Doação de Leite realça o valor do aleitamento

Dia Mundial da Doação de Leite realça o valor do aleitamento

Banco de Leite Humano da Unifesp precisa de doadoras

Alcoólicos Anônimos só para mulheres tem impacto positivo

Alcoólicos Anônimos só para mulheres tem impacto positivo

Dados são de estudo realizado por pesquisadores da USP

Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Influenciadora digital compartilha a rotina de viver com a Doença de Crohn

Lorena fala que durante a adolescência se sentia isolada e até excluída, mas viu na internet um refúgio. Ela revela que demorou um tempo para falar sobre a doença e sua deficiência.

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Especialista em finanças lança obra voltada a mulheres que querem independência financeira

Para a escritora, a obra é necessária porque ajuda as mulheres a trilhar um caminho de mentalidade financeira abundante

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

No Dia das Mães, mulheres falam sobre adoção monoparental no Brasil

A chamada adoção solo tem as mesmas regras do processo biparental

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Mujeres Fuertes: Mães venezuelanas recebem apoio para conquistar autonomia no Brasil

Conciliar família, trabalho e estudo é uma tarefa inevitável para mulheres mundo afora. Em Manaus, mães venezuelanas têm ganhado apoio em sua jornada

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Bolsonaro sanciona Plano de Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Lei integra a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

Filme recupera a luta feminista pós-ditadura

O filme dá ideia perfeita da trajetória e das dificuldades dessa luta.

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

Meninas melhoram desempenho em matemática e se igualam a meninos

É o que revela estudo feito pela Unesco

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Banco Mundial e cidades brasileiras em parceria contra violência de gênero

Em 2006, a lei brasileira Maria da Penha trouxe o reconhecimento e a responsabilização criminal da violência contra a mulher, mas ainda existem muitos desafios a serem superados