×
ContextoExato

Caso Neymar. "No fundo sabia que não haveria justiça", diz Najila Trindade

Caso Neymar. Foto: Reprodução SBT

"Eu acho normal, porque a palavra dele (Neymar) vale mais que a minha. É o caso de um jogador e eu sou só uma pessoa de família humilde. É muito mais fácil arquivar o caso do que ir atrás da verdade", disse Najila.

Portal Uol - 14/08/2019 - 10:14:03

A modelo Najila Trindade disse, em entrevista após depoimento realizado ontem em São Paulo, que agrediu Neymar em Paris na noite posterior a que o acusa de estupro por uma "questão de honra" e porque "sabia que não haveria justiça".

"Foi uma explosão ali, porque no fundo eu sabia que não haveria justiça para ele, uma questão de honra também. Falei, cara, não vai ter justiça, mas vou fazer a minha", disse Najila, que esteve no 11º Distrito Policial de São Paulo na noite de ontem para prestar esclarecimento sobre o suposto arrombamento em seu apartamento em São Paulo.

Najila também comentou sobre o arquivamento do inquérito pela acusação de estupro contra Neymar, anunciado na última semana. A decisão, no entanto, não significa que Neymar foi considerado inocente. Caso haja novas provas, o inquérito poderá ser reaberto a qualquer momento.

"Eu acho normal, porque a palavra dele (Neymar) vale mais que a minha. É o caso de um jogador e eu sou só uma pessoa de família humilde. É muito mais fácil arquivar o caso do que ir atrás da verdade", disse Najila.

Apesar do arquivamento do inquérito sobre a acusação de estupro, a Polícia ainda investiga um suposto arrombamento no apartamento de Najila. A modelo diz que teve um tablet furtado que continha o vídeo completo do segundo encontro com Neymar.

Ao longo da investigação, apenas parte deste vídeo tornou-se público. Nele, Najila parte para cima de Neymar e reclama de suas atitudes na noite anterior, na qual a modelo o acusa de estupro, em maio.

Comentários para "Caso Neymar. "No fundo sabia que não haveria justiça", diz Najila Trindade":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório