×
ContextoExato

Clubes se mobilizam para combater a violência de gênero no futebol argentino

Clubes se mobilizam para combater a violência de gênero no futebol argentinoFoto: Esporte Espetacular

Jogadores argentinos são acusados de agressões a esposas e namoradas e clubes se posicionam

Esporte Espetacular - 20/09/2020 - 19:04:46

Times tradicionais como Boca, River e San Lorenzo seguem passos do pioneiro Vélez e trabalham para implantar protocolo de defesa das mulheres

Os seguidos casos de violência de gênero no futebol argentino levaram alguns dos principais clubes do país a criar um protocolo especial para defender as mulheres que tenham alguma ligação com o esporte, desde namoradas e esposas de jogadores até funcionárias e torcedoras dos times.

- Têm questões que enfrentamos sempre e que tem a ver com a invisibilização da violência. Então, todas as mulheres que estão nas arquibancadas, em qualquer arquibancada, considero que somos sobreviventes da violência - explica Mercedes Palazzo, integrante do Feminismo Xeneize e Agrupación Nuevo Boca.

- Se uma jornalista ou uma repórter cinematográfica está no ambiente do Boca, este protocolo tem que protegê-la. Em todas as atividades ligadas ao clube. Sócias, esposas de jogadores, dirigentes, empregadas do clube. É preciso garantir que todas estejam livres de qualquer tipo de violência - completou.

Nos últimos seis anos, 14 jogadores do futebol argentino foram denunciados por violência contra mulheres. Entre eles Ricardo Centurión, ex-São Paulo; Jonathan Cristaldo , ex-Palmeiras; Sebastian Villa , Agustín Rossi e Alexis Zárate, condenado em 2017 por estupro e preso mês passado, após perder o recurso.

O Vélez Sarsfield foi o primeiro clube da Argentina a ter um departamento exclusivo de combate à violência contra a mulher. Desde 2018, o clube conta com um protocolo especial para tratar do assunto.

- A base é a prevenção. Para a prevenção é fundamental educar. Essa é a única forma para mudar culturalmente esta pandemia que temos, que são os feminicídios - disse a diretora do departamento de violência de gênero do Velez, Paula Ojeda.

O projeto cresceu no início deste ano, quando o Vélez anunciou que todos os novos contratos com jogadores profissionais passariam a ter uma cláusula que permite a rescisão unilateral pelo clube, sem custos, em caso de violência de gênero.

Essa medida foi tomada após a contratação do atacante Centurión . Em 2017, ele foi acusado pela ex-namorada Melisa de violência verbal e física. Na época, ela publicou um vídeo dizendo que Centuríon a havia enforcado e quebrado três dentes seus.

Na época, o juiz do caso determinou que o atacante não poderia se aproximar da ex-namorada, e hoje Melisa possui um botão anti-pânico em caso de novas ameaças. A defesa de Centurión negou as agressões e disse que houve apenas uma discussão típica de um casal.

O exemplo do Vélez fez com que outros clubes se mobilizassem. O San Lorenzo anunciou mês passado que os novos contratos do clube terão a mesma cláusula.

River Plate e Boca Juniors também trabalham na criação desse protocolo, mas ainda estão na fase de implementação do projeto.

Comentários para "Clubes se mobilizam para combater a violência de gênero no futebol argentino":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório