×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de junho de 2022

Com mais milho à China, qual é o risco para a segurança alimentar brasileira?

Com mais milho à China, qual é o risco para a segurança alimentar brasileira?Foto: Reprodução Pixabay gratuita

Risco à segurança alimentar

Agência Sputnik De Noticias - 15/06/2022 - 16:06:25

Devido à crise ucraniana, país asiático encomendou lote do grão ao Brasil após nove anos de raras negociações. No entanto, para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, aumento da exportação não deverá afetar o mercado interno.

Em um momento de perda de poder aquisitivo no Brasil, com maior precariedade do trabalho, alta da inflação e consequente escalada da fome, o país pode aumentar suas exportações de alimentos.

Embora pareça contraditório, não há uma relação de causa e efeito entre os dois fatores, entre a melhora das exportações e a queda do consumo interno, segundo especialista consultado pela Sputnik Brasil.

Um dos maiores mercados consumidores de commodities do mundo, a China encomendou de 250 mil a 400 mil toneladas de milho ao Brasil para setembro deste ano, em um movimento imprevisto, que ocorre devido à crise ucraniana, conforme noticiou a Bloomberg.

Cerca de 70% das importações de milho da China em 2021 foram dos EUA e 29% da Ucrânia. Porém a quebra da cadeia produtiva de alimentos após o início do conflito na Ucrânia obrigou a China a buscar um novo fornecedor para garantir o suprimento de milho, ingrediente alimentar para seu vasto rebanho de suínos.

O Brasil é o segundo maior exportador de milho do mundo, mas a China raramente comprou do país nos últimos nove anos por preocupações fitossanitárias. Em reunião recente em Brasília, as duas nações finalmente chegaram a um acordo sobre diretrizes sanitárias após anos de discussão, abrindo caminho para o novo negócio.

Mas isso não poderia pôr em risco a segurança alimentar brasileira, diante de uma provável crise mundial de alimentos? O país tem capacidade para aumentar o fornecimento do grão?

Cristiano Palavro, consultor técnico da Associação dos Produtores de Soja, Milho e outros Grãos Agrícolas do Estado de Goiás (Aprosoja-GO) e sócio-diretor da consultoria Pátria Agronegócios, afirma que ainda não há dados concretos sobre o tamanho da demanda chinesa no curto prazo pelo milho brasileiro, mas aponta que o volume pode ser significativo, tendo em vista a esperada retração nas exportações da Ucrânia em 2022.

O especialista lembra que, atualmente, o Brasil exporta entre 38 milhões e 42 milhões de toneladas de milho por ano para todo o mundo. Segundo ele, a nova demanda deixaria o volume de excedente mais apertado, mas "o mercado pode se ajustar".

Palavro diz que o país pode aumentar a quantidade de milho destinada aos chineses e abrir espaço para outros ofertantes suprirem outros destinos.

"Em termos gerais, temos, sim, condições para esse fornecimento, desde que exista esse ajuste entre os demandadores. A prioridade é sempre o mercado interno brasileiro, porém o Brasil tem também a capacidade de importação de milho, de Paraguai e Argentina principalmente, para suprir eventuais buracos de oferta. Esses ajustes entre exportações, importações e mercado interno são feitos pelo próprio mercado, evoluindo à medida que a demanda migra em cada uma dessas pontas", avaliou o consultor técnico da Aprosoja-GO.

Risco à segurança alimentar

De acordo com o especialista, a demanda chinesa por milho não poderá ser responsável por uma eventual insegurança alimentar no Brasil. Palavro aponta que "o mercado se ajustará através dos preços para garantir o fornecimento adequado".

"Podemos citar o exemplo dos últimos dois anos. Em 2020, tivemos uma safra cheia no Brasil, e o país foi um dos grandes exportadores no mercado mundial, com mais de 40 milhões de toneladas enviadas ao exterior, sem faltar produto ao mercado interno", disse.

Já em 2021, ele recorda, o Brasil teve "a maior quebra bruta da safra de milho ", ficando bem abaixo da expectativa inicial, exportando apenas 21 milhões de toneladas no ano. E, mesmo assim, também garantiu todo o milho necessário para o mercado interno.

"Isso mostra que o mercado se ajusta com as variações da oferta e demanda", indicou Palavro.

Tendência ou negócio pontual?

O especialista explica que o negócio com a China era um processo em discussão que foi impulsionado pela crise ucraniana.

Além disso, o consultor técnico da Aprosoja-GO lembra que, há dois anos, a China voltou a se tornar um importador relevante da commodity graças à recuperação do rebanho de suínos, depois de o país sofrer com a peste suína africana, que reduziu em 50% as criações entre 2018 e 2020.

A China é o segundo maior produtor de milho do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Em 2021, o país importou 28,35 milhões de toneladas do grão, uma alta de 152%, após registrar 11,3 milhões em 2020, que já era um recorde, conforme dados publicados pela agência Reuters com base em números da Administração Geral de Alfândegas.

"Nos últimos dois anos, a importação [chinesa] mais do que triplicou, o que amplia a necessidade de busca por novos parceiros comerciais no segmento. Sendo assim, acreditamos que esta seja de fato uma tendência, e não algo pontual. O Brasil deve figurar como um tradicional exportador de milho para a China daqui em diante", avaliou.

Comentários para "Com mais milho à China, qual é o risco para a segurança alimentar brasileira?":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Tecnologia digital chega à alimentação

Tecnologia digital chega à alimentação

O impacto positivo de novas tecnologias é algo que se espera no dia a dia das cidades.

Suprema Corte dos EUA decide não analisar recurso da Bayer em caso de herbicida

Suprema Corte dos EUA decide não analisar recurso da Bayer em caso de herbicida

A Bayer diz que resolveu cerca de 107 mil de um total de 138 mil casos relacionados ao herbicida.

Normas de compliance e LGPD aplicadas ao agronegócio

Normas de compliance e LGPD aplicadas ao agronegócio

Apesar de ser tema que está em voga na atualidade, já há tempos que as políticas de incentivo à melhor responsabilidade social, ambiental e econômica atingem o agronegócio

Bayer apresenta soluções integradas para frutas e vegetais na 27ª Hortitec

Bayer apresenta soluções integradas para frutas e vegetais na 27ª Hortitec

Empresa apresentará novidades voltadas às áreas de proteção de cultivo e sementes de frutas e hortaliças

Agricultura irrigada e sua importância na produção de alimento: nexo água-alimento

Agricultura irrigada e sua importância na produção de alimento: nexo água-alimento

Para que o papel estratégico do Brasil de produtor mundial de alimentos possa ser consolidado, é importante que os nossos agricultores tenham segurança hídrica e energética

Da coleta ao reaproveitamento: Indústria de alimentos saudáveis preza por conduta sustentável em ciclo produtivo

Da coleta ao reaproveitamento: Indústria de alimentos saudáveis preza por conduta sustentável em ciclo produtivo

Iniciativas sustentáveis: de olho em toda a cadeia produtiva

Bayer amplia investimento e expande centro de inovação em Petrolina

Bayer amplia investimento e expande centro de inovação em Petrolina

Ampliação da área de cultivo protegido na maior unidade de pesquisa da multinacional no hemisfério sul vai acelerar desenvolvimento de novas tecnologias

Apicultores de Gaza enfrentam desafios à medida que mudanças climáticas afetam produção de mel

Apicultores de Gaza enfrentam desafios à medida que mudanças climáticas afetam produção de mel

Apicultor palestino trabalha em uma fazenda de abelhas na cidade de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, no dia 6 de junho de 2022.

Criação humanitária de bovinos impacta na produtividade do agronegócio

Criação humanitária de bovinos impacta na produtividade do agronegócio

A condução inadequada na criação do animal pode gerar prejuízos ao produtor

Ferramenta para quebra do coco babaçu é tecnologia social em reta final de validação pelas quebradeiras de coco

Ferramenta para quebra do coco babaçu é tecnologia social em reta final de validação pelas quebradeiras de coco

Os recursos para o desenvolvimento da ferramenta vieram da Fundação de Amparo e Desenvolvimento Científico do Maranhão

O que o MST tem feito em contraponto ao agronegócio predatório no Brasil?

O que o MST tem feito em contraponto ao agronegócio predatório no Brasil?

Emancipação é libertação, é tornar-se autônomo, é constituir-se na luta como sujeito, é consciência