×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de janeiro de 2022

Como a pandemia do coronavírus faz a Terra tremer menos

Como a pandemia do coronavírus faz a Terra tremer menosFoto: NASA

Fenômeno foi observado pela primeira vez em Bruxelas, revelam estudos

Emissora Pública De Televisão De Portugal - Lisboa - 03/04/2020 - 12:52:50

O mundo ficou mais silencioso e a Terra tremendo menos. Sismólogos explicam que a diminuição do ruído sísmico provocado pela circulação de pessoas e, principalmente, rodoviária, faz com que as vibrações na crosta terreste diminuam.

Com o isolamento obrigatório decretado em vários países em resposta à pandemia da covid-19, não foi só a poluição que diminuiu. Cientistas têm alertado para uma outra observação menos perceptível ao ser humano: a Terra está tremendo menos.

Em todo o mundo, os sismólogos têm detectado muito menos ruído sísmico, isto é, vibrações geradas pela circulação de automóveis, comboios, ônibus e mesmo pessoas durante o seu dia a dia.

Na ausência deste ruído, explicam os sismólogos, as vibrações na crosta terrestre diminuem, o que faz com que esta se mova menos.

Thomas Lecocq, geólogo e sismologista do Observatório Real na Bélgica, observou o fenômeno pela primeira vez em Bruxelas.

Segundo Lecocq, Bruxelas tem registrado uma redução de 30% a 50% do ruído sísmico desde meados de março, quando a Bélgica implementou medidas de distanciamento social e fechamento do comércio.

"Desde o início do confinamento, observamos um nível de ruído sísmico semelhante ao que geralmente detectamos nos fins de semana ou durante os períodos de férias. Uma queda de 30% a 50%”, disse o sismólogo, citado pelo Daily Science Brussels .

Ele explica que o ruído durante o dia é agora semelhante ao registrado à noite.

Nos Estados Unidos, também foi observada esta diminuição das vibrações terrestres. Uma imagem partilhada por Celeste Labedz, aluna de doutorado em geofísica na Califórnia, mostra uma quebra do ruído especialmente acentuada em Los Angeles ao longo de março.

Sismos menores mais facilmente detectáveis

Thomas Lecocq revelou ainda um outro efeito interessante relacionado com a diminuição do ruído: os cientistas conseguem detectar terremotos menores e outros eventos sísmicos que algumas estações sísmicas nunca conseguiriam registrar.

Ele dá o exemplo da estação sísmica de Bruxelas que, em situações normais, é “basicamente inútil”.

Como explica Lecocq, as estações sísmicas são habitualmente instaladas fora das áreas urbanas, uma vez que, quanto menor for o ruído humano, mais fácil é a captação de vibrações no solo.

No entanto, a estação de Bruxelas foi construída há mais de um século e a cidade expandiu-se, dificultando o trabalho.

Os sismólogos passaram a utilizar um aparelho instalado no subsolo para monitorizar a atividade sísmica. No entanto, atualmente, com a tranquilidade da cidade, Lecocq explica que a estação de Bruxelas tem detectado atividade quase tanto como esse aparelho.

“Atualmente, somos capazes de detectar eventos muito fracos, como pequenas explosões nas pedreiras do país”, afirmou.

Para o sismólogo, os gráficos são uma prova de que as pessoas estão cumprindo os conselhos das autoridades e, assim, evitam sair de suas casas.

“Do ponto de vista sismológico, podemos motivar a população ao dizer ok, vocês sentem-se sozinhos em casa, mas podemos dizer que toda a gente está em casa. Todos estão fazendo o mesmo, todos estão respeitando as regras’”, finalizou Lecocq.

Comentários para "Como a pandemia do coronavírus faz a Terra tremer menos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Moradores do interior de MG relatam queda de meteoro no céu

Moradores do interior de MG relatam queda de meteoro no céu

Em 2020, ao menos outros dois casos de queda de meteoros foram registrados na mesma região (sem vítimas ou danos materiais

Boa para o consumidor: Vantagens da energia solar nas residências

Boa para o consumidor: Vantagens da energia solar nas residências

É boa para o bolso do consumidor e para o meio ambiente, diz professor

Achados arqueológicos no Tibet indicam atividades humanas pré-históricas

Achados arqueológicos no Tibet indicam atividades humanas pré-históricas

Dois tipos de ferramentas de pedra descobertas no local indicaram as atividades humanas durante dois períodos históricos.

Calor oceânico mundial bate recorde em 2021, diz estudo

Calor oceânico mundial bate recorde em 2021, diz estudo

Foto tirada em 27 de dezembro de 2021 mostra blocos de gelo nas águas costeiras de Qingdao, Província de Shandong, leste da China.

Celular terapeuta? Cientistas testam tecnologia contra transtornos mentais

Celular terapeuta? Cientistas testam tecnologia contra transtornos mentais

É isso o que investiga uma nova corrente da ciência.

Egito apreende moedas antigas e castiçal em aeroporto

Egito apreende moedas antigas e castiçal em aeroporto

Foto combinada mostra moedas antigas apreendidas no Aeroporto Internacional do Cairo, no Egito, no dia 5 de janeiro de 2022. A unidade arqueológica do Egito e a polícia do Aeroporto Internacional do Cairo apreenderam na quarta-feira nove moedas antigas e um castiçal de cobre, que um passageiro tentou contrabandear para o exterior.

Tecnologia de reconhecimento facial possibilita melhor proteção de panda gigante

Tecnologia de reconhecimento facial possibilita melhor proteção de panda gigante

Foto tirada em 15 de janeiro de 2018 por uma câmera infravermelha mostra um panda gigante selvagem na Reserva de Natureza Nacional de Baishuijiang, na Província de Gansu, noroeste da China.

Paleontólogo identifica ovos de dinossauro em fósseis achados no interior de SP

Paleontólogo identifica ovos de dinossauro em fósseis achados no interior de SP

Os dinossauros terópodes eram bípedes, apoiando o corpo sobre os membros traseiros, mais desenvolvidos que os dianteiros. Eles foram mais abundantes durante o cretáceo superior, entre 65 milhões e 80 milhões de anos.

Tendências tecnológicas para a saúde em 2022

Tendências tecnológicas para a saúde em 2022

Inovações se consolidam na rotina dos profissionais, levando segurança e precisão às ações

Experimentos mostram que algas podem sobreviver em ambiente semelhante a Marte

Experimentos mostram que algas podem sobreviver em ambiente semelhante a Marte

Um trabalhador conduzindo uma carregadeira de rodas limpa algas ao longo da praia em Qingdao, Província de Shandong, no leste da China, em 17 de julho de 2021.

Raro embrião de dinossauro de 66 milhões de anos é encontrado na China

Raro embrião de dinossauro de 66 milhões de anos é encontrado na China

Nos últimos 100 anos, muitos ovos e ninhos de dinossauros foram encontrados