×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de janeiro de 2022

Como as escolas podem abrir novamente com segurança? ONU publica novas diretrizes

Como as escolas podem abrir novamente com segurança? ONU publica novas diretrizesFoto: UNICEF/Alessio Romenzi

Uma menina de 7 anos recebe triagem médica da Dra. Antonella Tochiaro em um assentamento informal onde mora em Roma, uma das milhões de crianças durante a pandemia que estão fora da escola.

Onu Brasil - 01/05/2020 - 10:16:22

Uma menina de 7 anos recebe triagem médica da Dra. Antonella Tochiaro em um assentamento informal onde mora em Roma, uma das milhões de crianças durante a pandemia que estão fora da escola. Foto: UNICEF/Alessio Romenzi

Enquanto os países enfrentam graves interrupções na educação causadas pela COVID-19, várias agências da ONU – como parte da Coalizão Global de Educação – emitiram novas diretrizes na quinta-feira (29) para ajudar os governos a tomar decisões sobre a reabertura de escolas com segurança para os 1,3 bilhão de estudantes do mundo afetados por fechamentos em andamento.

Lançada em março por Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Programa Mundial de Alimentos (WFP) e Banco Mundial, a Coalizão trabalha para promover oportunidades de aprendizado inclusivas.

“A crescente desigualdade, efeitos nocivos na saúde, violência, trabalho infantil e casamento infantil são apenas algumas das ameaças de longo prazo para as crianças que perdem a escola”, disse Henrietta Fore, diretora-executiva do UNICEF. “A menos que priorizemos a reabertura das escolas – quando for seguro fazê-lo – provavelmente veremos uma reversão devastadora nos ganhos em educação”.

De fato, os efeitos adversos do fechamento das escolas na segurança e no aprendizado das crianças estão bem documentados.

Milhões dependem da escola para se alimentar

Nos países mais pobres, as crianças costumam contar com as escolas para a única refeição do dia. David Beasley, diretor-executivo do Programa Mundial de Alimentos, explicou que, com muitas escolas fechadas, 370 milhões de crianças estão perdendo essas refeições, assim como o apoio à saúde que normalmente recebem.

“Quando as escolas reabrirem, é fundamental que esses programas de refeições e serviços de saúde sejam restaurados”, disse ele.

As agências estão pedindo aos governos que avaliem os benefícios da instrução em sala de aula em comparação com a aprendizagem remota e os fatores de risco relacionados à reabertura das escolas. Nesses cálculos, observam as evidências inconclusivas sobre os riscos de infecção relacionados à frequência escolar.

Embora longe de ser simples, a decisão de quando e como reabrir as escolas deve ser uma prioridade. “Quando houver uma luz verde no front da saúde, será necessário todo um conjunto de medidas para garantir que nenhum aluno seja deixado para trás”, disse a diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay.

Direito à educação

As diretrizes fornecem conselhos gerais a governos e parceiros para facilitar a reabertura, disse ela. “Compartilhamos um objetivo: proteger e promover o direito à educação para todos os alunos.”

Em termos de política, o documento recomenda a adoção de diretrizes claras para abertura e fechamento de escolas durante emergências de saúde pública. A expansão do acesso equitativo para crianças marginalizadas e fora da escola também é importante, assim como os esforços para padronizar as práticas de aprendizado remoto.

O documento também recomenda abordar o impacto da COVID-19 na educação e investir em sistemas educacionais para estimular a recuperação e a resiliência.

Água e sabão

Na área de segurança, as diretrizes aconselham garantir condições para reduzir a transmissão de doenças e promover comportamentos saudáveis. Isso inclui acesso a água limpa e sabão para lavagem segura das mãos e protocolos sobre distanciamento social.

Também são recomendadas práticas que compensem o tempo perdido de instrução, fortaleçam os métodos de ensino que funcionam e se baseiam em modelos híbridos de aprendizado, assim como formas de garantir o bem-estar e a proteção dos alunos, inclusive por meio da prestação de serviços escolares essenciais, como cuidados de saúde.

Foco no fim da marginalização

As diretrizes dão prioridade aos mais marginalizados. Abordam como expandir as políticas e práticas de abertura escolar para aqueles que são frequentemente excluídos – crianças particularmente deslocadas e migrantes -, disponibilizando comunicações críticas em idiomas relevantes e formatos acessíveis.

“Quando as escolas começam a reabrir, a prioridade passa a ser a reintegração dos alunos nos ambientes escolares com segurança e de maneiras que permitam que o aprendizado volte a acontecer”, disse Jaime Saavedra, diretor global de educação do Banco Mundial.

No final, as escolas devem ver como podem “reabrir melhor”. As agências afirmam que o melhor interesse das crianças e considerações gerais de saúde pública – com base em uma avaliação dos benefícios e riscos associados à educação, saúde pública e fatores socioeconômicos – devem ser fundamentais para essas decisões.

Comentários para "Como as escolas podem abrir novamente com segurança? ONU publica novas diretrizes":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
UBS 1 da Asa Sul abre drive-thru noturno para vacinação de adultos

UBS 1 da Asa Sul abre drive-thru noturno para vacinação de adultos

A Unidade Básica de Saúde 1 da Asa Sul passa a oferecer, a partir desta segunda (24), vacinação para adultos em drive-thru, das 18h às 22h

Campanha de castração de cães e gatos abre 3,2 mil vagas gratuitas no DF

Campanha de castração de cães e gatos abre 3,2 mil vagas gratuitas no DF

DF abre 3,2 mil vagas na primeira etapa da Campanha de Castração de Cães e Gatos

Combate à dengue no DF ganha reforço para regiões onde há mais mosquitos

Combate à dengue no DF ganha reforço para regiões onde há mais mosquitos

Em reunião no Palácio do Buriti, a Subsecretaria de Vigilância em Saúde apresentou as notificações de 800 casos prováveis de dengue na primeira quinzena de janeiro na capital

Taxa de transmissão da Covid-19 alcança a máxima já registrada no Distrito Federal

Taxa de transmissão da Covid-19 alcança a máxima já registrada no Distrito Federal

Taxa de transmissão da covid-19 no DF alcança 2,61 e iguala a máxia já registrada desde o início da pandemia

Reservatórios cheios, mas atenção precisa ser redobrada!

Reservatórios cheios, mas atenção precisa ser redobrada!

Níveis do Descoberto e de Santa Maria são ideais, mas especialistas apelam pelo uso consciente de água, visando o período de estiagem

Roubo de tampas de bocas de lobo causa prejuízo ao DF de quase R$ 400 mil

Roubo de tampas de bocas de lobo causa prejuízo ao DF de quase R$ 400 mil

É preciso denunciar esse tipo de crime e quem vir um bueiro sem tampa deve entrar em contato com a administração de sua RA ou com a Novacap, pelo 162

Sintomas parecidos, doenças diferentes e a busca do diagnóstico

Sintomas parecidos, doenças diferentes e a busca do diagnóstico

Atualmente, a vacina contra a influenza está disponível para grupos prioritários de pessoas com idades acima de 60 anos, privadas de liberdade e imunodepressivos, além de pessoas com comorbidades |

Como precaução, Detran-DF adia passeio ciclístico

Como precaução, Detran-DF adia passeio ciclístico

O evento seria realizado no próximo domingo ( 23), em Samambaia

Biblioteca Pública de Brasília reabre reformada

Biblioteca Pública de Brasília reabre reformada

Localizado nas entrequadras 312/313, o espaço de 313 metros quadrados nasceu da mobilização popular

Distrito Federal começa a vacinar crianças de 6 e 7 anos contra a Covid-19

Distrito Federal começa a vacinar crianças de 6 e 7 anos contra a Covid-19

Público receberá a primeira dose da vacina CoronaVac; vacinação também abrange crianças a partir dos 8 anos, adolescentes e adultos

Eletricitários realizam ato em Brasília contra a privatização da Eletrobras

Eletricitários realizam ato em Brasília contra a privatização da Eletrobras

A empresa, que é responsável por 30% da geração e 50% da transmissão de energia elétrica no país, foi incluída no PND em 2017, ainda no governo de Michel Temer.