×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de novembro de 2021

Como as mulheres marisqueiras estão vivendo depois que o óleo invadiu as praias do Nordeste – e suas vidas

Como as mulheres marisqueiras estão vivendo depois que o óleo invadiu as praias do Nordeste – e suas vidasFoto: Christian Braga / Greenpeace

As encantadoras de aratus

Por – Fabiana Alves (greenpeace) / Neo Mondo - 29/11/2019 - 16:47:35

O assobio no mangue é a única coisa que se escuta com o vento que vem do mar. A pescadora Rosângela Maria de Lima e Silva, apelidada de Ró, assobia para chamar um bicho. Ela está rodeada de outras pescadoras e de sua família, todos seguidores da mesma profissão. Desde pequena, aprendeu a pescar, não apenas para terminar os estudos, mas por muitos anos, para sobreviver à fome, herança das estruturas desiguais que ainda dominam Pernambuco. Com exceção de seu genro, são todas mulheres no grupo de pesca. Ela é umas das únicas do vilarejo que sabe ler e escrever.

O aratu segue o assobio doce daquelas mulheres. Ambos pertencem ao mangue. Quando não conseguem vender o pequeno caranguejo vermelho, alimentam-se dele. De pequena, Ró e sua mãe se cansaram de comer siri e agradecem por ter a comida à mesa: “Quando conseguia comprar farinha e mandioca, aí era um banquete… Em época de manga, para não comer siri porque não aguentava mais, a gente comia manga e tomava água até se fartar, depois dormia um bom sono de quem naquela noite não tinha dormido com fome. Mas a manga não tem sempre, e logo o siri voltava pra mesa”, relembra.


As encantadoras de aratus

As marisqueiras têm uma técnica especial para pescar: elas assobiam para chamar os aratus. Foto: Christian Braga / Greenpeace

A pobreza em Serrambi, praia de Ipojuca, é uma constante. Na beira da praia, ficam os mais ricos; nos mangues, a população toda da pequena cidade, empurrada para longe de suas antigas casas na areia. O vilarejo é parte desse ecossistema, berçário da vida do mar. Cuidam do que dependem para ganhar o pouco que a vida proporciona, o pouco que as faz sorrir e ter orgulho de sua profissão. Como mulheres, vivem a dificuldade do tratamento desigual de saírem do lar para trabalhar. “Sabe como é ser mulher, né? A gente precisa se vestir de homem para ir pescar, a gente se sente mais segura”, diz Ró.

É dos mangues que saem a comida de muitos turistas que visitam Pernambuco. Mas desde que o óleo atingiu as praias, as marisqueiras não conseguem mais vender. Foto: Christian Braga / Greenpeace

O óleo que chegou não se sabe de onde, sem aviso e sem preparo do governo para recebê-lo, foi mais um fator de mudança para elas. De acordo com Ró, no dia da chegada, todos fizeram vigília na praia, andando de um lado para o outro. Às 4 horas da manhã, o telefone tocou: “O óleo chegou”. Limparam com as próprias mãos as manchas de óleo da praia e do corpo.

A crise lá sempre bate mais forte que em qualquer outro lugar, pois dependem da renda da pesca para comer e para o estudo dos filhos. O lado fraco é apenas econômico, pois a força dessas mulheres é capaz de mover mundos, de rir alto em meio às adversidades, de limpar a sujeira dos outros.

Hoje, elas não conseguem vender o aratu, o peixe ou os mariscos. O turista não vem e tem medo de comprar a mercadoria. Quando as acompanhamos, a pescaria foi para que o governo fizesse análise de contaminação, e os dias que a antecederam foram para cadastrar todos os pescadores da vila em busca de um ressarcimento que ninguém sabe de quanto será e nem quando virá. Ró foi quem coordenou o cadastramento de cada um. Para os três pescadores que não foram durante o dia na Z12 de Ipojuca (zona que demarca a colônia dos pescadores) por estarem trabalhando, ela abriu a casa à noite para fazer o cadastro.

Elas são aquelas que pescam o alimento que chega à mesa do turista, são as que precisam ser ouvidas, mas o assobio das encantadoras do mar é barrado pelos altos muros das casas à beira mar. O que se quer é escondê-las no fundo do mangue, lá onde a pobreza não tem por onde sair aos olhos.

Esconde-se óleo aqui, pobreza ali, mulheres acolá, pessoas logo adiante. Escondem-se os problemas, sem a coragem de resolvê-los. Elas mostraram como driblar adversidades com as próprias mãos, pois nunca tiveram a assistência adequada do governo para isso. Acostumaram-se a limpar todo tipo de sujeira que recai sobre elas, como pescadoras e como mulheres.

Ró fala forte: “ Aqui a gente vive um dia depois do outro, vendo até quando a gente vai sobreviver”. O balaio se enche de aratu novamente. Enredam-se no mangue de volta para a casa.

Expedição no Nordeste, em Recife com Greenpeace Brasil. Foto: Christian Braga

Comentários para "Como as mulheres marisqueiras estão vivendo depois que o óleo invadiu as praias do Nordeste – e suas vidas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Um dos objetivos da ação foi enfatizar a importância do meio ambiente para a qualidade de vida das pessoas

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Festival é indicado para para famílias com crianças de 0 a 5 anos de idade

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Após reforma, Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita de peças e utensílios de povos originários

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Com a retomada das escolas públicas às atividades presenciais nesta nova fase da crise sanitária, a proposta dos músicos é levar uma motivação extra às aulas presenciais.

Praça da República é reinaugurada com programação  especial

Praça da República é reinaugurada com programação especial

Estão confirmados o grupo Samba Urgente, Digão (Raimundos), Philippe Seabra (Plebe Rude), GOG (foto), Bboy Samuka (breakdancer), Turko (grafiteiro), Realleza (rapper e cantora) e Tio André (mágico), entre outros

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

A mostra traz fração do lote de oito mil artefatos apreendidos pela Polícia Federal do contrabando de objetos indígenas e doados à Secec

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Chamado de Água Mineral, local pode receber 1,5 mil visitantes por dia

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Projeto desenhado por Lúcio Costa foi o vencedor em 1957

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

O roteiro deste sábado (20) da coordenação da Web Summit incluiu evento com empreendedores de startups e sobrevoo de helicóptero por Brasília

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Zenilda Vilarins Cardozo conversa com crianças da EC 3 do Gama

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Todos os eventos são gratuitos, de classificação livre e será feita arrecadação de 1 kg de alimento não perecível para doação de cestas básicas a famílias em situação de vulnerabilidade social do DF.