×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Como chegamos ao ponto de conviver todos os dias com o inaceitável?

Como chegamos ao ponto de conviver todos os dias com o inaceitável?Foto: Pixabay

Estamos caminhando rumo a um colapso total, com índices absurdos de extrema pobreza e fome no país

Carol Solberg - Portal Brasil De Fato - 10/09/2021 - 07:38:15

Todos os dias vemos pessoas com fome nas nossas esquinas, sem ter onde morar, sem nenhuma perspectiva de oportunidades e sofrendo injustiças sem que tenham o direito a uma defesa justa. Todos os dias seguimos nossas vidas de alguma forma naturalizando essas atrocidades.

Não quero dizer que a gente não liga a mínima, que não ficamos tristes ou de alguma forma impactados, mas muitas vezes achamos que não tem nada que possamos fazer para mudar isso. Também que não vai fazer diferença ajudar uma pessoa, que o problema é muito maior e que o governo precisa de políticas públicas e projetos sociais que assistam às pessoas mais vulneráveis.

Com certeza um dos nossos maiores problemas hoje é termos um governo fascista, mentiroso, corrupto, que incita a violência e que não tem nenhuma urgência em diminuir a desigualdade social.

Como efeito de tudo isso, estamos caminhando rumo a um colapso total, com índices absurdos de pessoas em situação de extrema pobreza e fome. Sem falar em todos os outros absurdos, canalhices e crimes de diferentes ordens.

Mas para além do nosso contexto político brasileiro, se pararmos para nos analisar como humanidade, dá uma triste sensação de que fracassamos. São tantos absurdos e atrocidades todo santo dia que de alguma forma banalizamos a dor do outro.

Como podemos seguir nossas vidas vendo alguém no chão com fome, sem ter para onde ir e com os filhos dormindo na calçada?

Tenho dois filhos: José, de 9 anos, e Salvador, de 5 anos. Durante essa pandemia vimos aumentar absurdamente o número de famílias dormindo nas ruas do bairro onde moramos no Rio de Janeiro. Quando não dou dinheiro a alguma dessas pessoas ou passo com pressa para seguir meu caminho, eles me perguntam por que não ajudei.

Leia também: Comida ou aluguel: pandemia obriga mais famílias a morar em ocupações para sobreviver no RJ

Eu falo que não tenho dinheiro para ajudar a todo mundo, eles me olham com um olhar crítico e às vezes questionam: “Mamãe, você comprou uma cadeira outro dia, não teria sido melhor você comprar comida para eles?”.

E eu me pergunto o que estou ensinando aos meus filhos indo para casa jantar uma comida gostosa depois de ver várias famílias dormindo na rua. Como posso falar que eles têm que se preocupar com o próximo, serem generosos e atentos, se eu mesma não consigo fazer diariamente o que está ao meu alcance para ajudar alguém?

É um grande desafio criar uma criança no meio de tanta desigualdade, sem deixar com que eles naturalizem e se acostumem a conviver, como nós, com o que não é aceitável.

Ao mesmo tempo, o que me inspira e não me deixa perder a esperança é ter certeza da existência de pessoas maravilhosas, que erguem as mangas e vão à luta. Sobretudo que sabem da força que uma pequena ação pode ter em nós como sociedade.

Outro dia ouvi uma frase do geógrafo Milton Santos que dizia: “A cidade é o espaço do acontecer solidário”. É sobre isso. Se chegamos até aqui, podemos mudar também a partir daqui. Basta a gente querer e correr atrás para entender como fazemos isso juntos. Não importa quantas pessoas vamos conseguir atingir, o que vale é não aceitarmos mais o inaceitável.

Edição: Mariana Pitasse

Comentários para "Como chegamos ao ponto de conviver todos os dias com o inaceitável?":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social reuniu 200 crianças na Gerência Regional de Trânsito de Taguatinga

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social do Detran-DF distribui brinquedos a 200 crianças

Ação social reuniu 200 crianças na Gerência Regional de Trânsito de Taguatinga

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência doméstica

Proposta foi aprovada hoje e segue para análise do Senado

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Hemocentro do DF promove campanha para doação de sangue

Doações de sangue tiveram um redução de 13% neste mês e para alguns tipos sanguíneos o estoque está em níveis críticos

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Plataforma será ligada à Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha global lembra o Dia Mundial da Alimentação, no próximo sábado

Campanha

Campanha "Tenho Sede" conta com doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido

Na campanha, mulheres do semiárido contam suas histórias sobre como o acesso à água através das cisternas transformou as suas vidas

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Consideradas tecnologias simples e baratas, cisternas tendem a gerar benefícios para famílias e comunidades do semiárido

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Pessoas com mais de 60 anos representam quase 18% dos brasileiros

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

A Sputnik Brasil conversou Thiago Rodrigues, professor do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF), sobre a grave crise de migração que levou milhares de haitianos à cidade texana de Del Rio.

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

2,5 milhões de pessoas na República Centro-Africana passam fome.