×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de outubro de 2021

Como vivem 1,1 milhão de refugiados em Bangladesh

Como vivem 1,1 milhão de refugiados em BangladeshFoto: Marília Marques

Rohingyas foram expulsos de Mianmar, no noroeste de Ásia; grupo vive no país, mas não tem cidadania. G1 visitou região em crise e conversou com refugiados.

Por Marília Marques, G1 Df - 18/05/2019 - 22:12:26

Os 38 graus de temperatura em plena primavera asiática tornam mais difíceis os dias de quase 280 mil famílias que vivem longe de casa, sem emprego e com pouco acesso à agua e à comida em Bangladesh. O grupo, em sua maioria muçulmano, pertence ao povo Rohingya – que, desde 2017, foi expulso de Mianmar e fugiu em massa para o país vizinho.

Bangladesh é quase do tamanho do estado do Ceará, no Brasil, mas concentra 164,7 milhões de pessoas, segundo o governo local. Em números absolutos da população, fica atrás da China, da Índia e do Brasil, por exemplo.

Para acompanhar a crise migratória que a região vive há mais de dois anos, o G1 foi até o campo de refugiados onde o povo sem pátria está acampado. A reportagem visitou o local a convite da embaixada de Bangladesh no Brasil.

A região costeira e cheia de belezas naturais, conhecida como Cox’s Bazar – onde fica a praia mais longa do mundo - contrasta com o chão árido onde 1,1 milhão de rohingyas firmaram território.

Crianças do povo rohingya vivem há dois anos como refugiadas em Bangladesh — Foto: Marília Marques/G1

Crianças do povo rohingya vivem há dois anos como refugiadas em Bangladesh — Foto: Marília Marques/G1

Para quem chega, o amontoado de casas improvisadas chama a atenção ( veja foto abaixo ). Os abrigos foram montados pelo governo de Bangladesh em parceria com instituições humanitárias que atuam no local.

Em um desses abrigos vive a família do estudante Jamal Hossaim, de 18 anos. Natural de Mianmar, o jovem e a mãe precisaram deixar o país de origem em busca de melhores condições de vida. Eles vivem há dois anos como refugiados em Bangladesh, sem cidadania reconhecida.

Jamal conta que "por questões religiosas" o governo de Mianmar impediu o povo de estudar. "Me sinto triste porque quero estudar e trabalhar, mas não tenho como trabalhar em Bangladesh. Me sinto muito estressado", conta.

"O campo não é suficiente para todos os refugiados, estamos numa estação quente, e as pessoas não se sentem confortáveis. Todos estão estressados."

Abrigos criados em campo de refugiados para o povo rohingya — Foto: Marília Marques/G1

Abrigos criados em campo de refugiados para o povo rohingya — Foto: Marília Marques/G1

Os rohingyas falam um dialeto próprio e diferente do usado na região onde viviam – Birmânia, no oeste de Mianmar. Por ter a cidadania negada pelo governo, por décadas o grupo vem pedindo refúgio, sobretudo em países como Bangladesh, Malásia, Índia e EUA.

Além disso, a lei no país de origem prevê que apenas os grupos étnicos que podem demonstrar sua presença no território antes de 1823 – data da primeira guerra para colonização da região pelos ingleses – podem obter a nacionalidade birmanesa.

No entanto, representantes dos rohingyas garantem que sua comunidade tinha representantes neste país desde o século XII.

Crianças do povo rohingya vivem como refugiadas em Bangladesh — Foto: Marília Marques/G1

Crianças do povo rohingya vivem como refugiadas em Bangladesh — Foto: Marília Marques/G1

Ainda assim, em 2012, foram registrados atos violentos entre budistas e muçulmanos. Na região, um movimento de monges nacionalistas entrou em confronto com o grupo, por considerar que os muçulmanos representam uma ameaça para Mianmar, um país com mais de 90% de sua população budista.

Acampamento rohingya em Bangladesh — Foto: Marília Marques/G1

Acampamento rohingya em Bangladesh — Foto: Marília Marques/G1

De acordo com o governo de Bangladesh, milhares de pessoas fugiram para o país desde o início da violência entre o exército birmanês e os rebeldes, em agosto de 2017.

No campo onde vivem mais de 1 milhão de pessoas, o comissário de Socorro e Repatriamento de Refugiados da Organização das Nações Unidas (ONU), Mohammad Mizanur Rahman, afirmou que a situação "está se tornando insustentável para Bangladesh".

"O governo de Mianmar deve resgatar seu povo, e deve dar a ele direitos de cidadania e direitos humanos", afirmou. "Quando os rohingyas chegaram pela primeira vez aqui, a população local foi a primeira a responder, mas aos poucos a hospitalidade virou hostilidade em alguns casos".

"Houve uma grande mudança demográfica na área, eles [povo bengali] sentem que o mundo está apenas preocupado com os rohingyas."

Menina rohingya pega em água em campo de refugiados em Bangladesh — Foto: Marília Marques/G1

Menina rohingya pega em água em campo de refugiados em Bangladesh — Foto: Marília Marques/G1

Em entrevista à imprensa, o ministro das Relações Exteriores de Bangladesh, Adbdul Momen, afirmou que organizações internacionais pressionaram o governo de Mianmar para permitir o retorno dos refugiados ao país.

"As autoridades [em Mianmar] não criaram o terreno adequado para o retorno dessas pessoas", disse o chefe da pasta. Momen disse ainda que Mianmar é "responsável pela tragédia do Rohingyas, e, portanto, responsável pela resolução [do problema]".

Veja os números do campo de refugiados em Bangladesh, segundo a ONU

 Foto do Rio Naf, na fronteira de Mianmar com Bangladesh  — Foto: Arte/G1

Foto do Rio Naf, na fronteira de Mianmar com Bangladesh — Foto: Arte/G1

O Brasil e os refugiados


No Brasil não há registros de refugiados rohingyas. Apesar disso, segundo dados do Ministério da Justiça, somente em 2017 o país recebeu 33,8 mil solicitações de refúgio, de diversas nacionalidades.

Mais da metade são de venezuelanos que deixaram o país de origem por motivações econômicas e políticas. A situação apesar de difícil para muitos imigrantes em terras brasileiras, não se compara ao que vivem mais de 1 milhão de refugiados na Ásia.

Em Roraima, estado com maior concentração de venezuelanos no Brasil, muitos refugiados ainda dormem em barracas enfileiradas em acampamentos improvisados. Os assentamentos servem de abrigo para centenas de imigrantes que não têm mais para onde ir.

Ao redor do acampamento, militares do Exército patrulham o entorno e quando amanhece, todos são proibidos de ficar na região.

*A repórter Marília Marques, do G1 DF, viajou a convite da Embaixada de Bangladesh no Brasil.

Comentários para "Como vivem 1,1 milhão de refugiados em Bangladesh":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Moscou adotará medidas de lockdown para conter alta da Covid-19

Moscou adotará medidas de lockdown para conter alta da Covid-19

Regras entram em vigor a partir do dia 28

130ª Feira de Cantão: China continua a abertura e compartilha oportunidades com o mundo

130ª Feira de Cantão: China continua a abertura e compartilha oportunidades com o mundo

Em sua carta, Xi observou que a feira fez contribuições significativas para facilitar o comércio internacional, o intercâmbio externo-interno e o desenvolvimento econômico desde sua criação em 1957

Paraguai reforça segurança na fronteira com Brasil

Paraguai reforça segurança na fronteira com Brasil

Congressistas americanos pedem recuo na relação com Brasil

Desenvolvimento é a força motriz da erradicação da pobreza na China

Desenvolvimento é a força motriz da erradicação da pobreza na China

Entre 1990 e 2010, no contexto da arrancada industrial, proporção de população pobre chinesa passou de 66,3% para 11,2%, de acordo com o Banco Mundial

China emite selos comemorativos da COP15

China emite selos comemorativos da COP15

Foto tirada em 11 de outubro de 2021 mostra os detalhes de um selo comemorativo para a 15ª reunião da Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (COP15) realizada em Kunming, Província de Yunnan, sudoeste da China.

ONG austríaca denuncia Jair Bolsonaro a tribunal internacional por 'crimes contra a humanidade'

ONG austríaca denuncia Jair Bolsonaro a tribunal internacional por 'crimes contra a humanidade'

O tribunal não tem obrigação de julgar todos os casos apresentados.

Veja o que dizem os presidentes latino-americanos flagrados com empresas em paraísos fiscais

Veja o que dizem os presidentes latino-americanos flagrados com empresas em paraísos fiscais

As Ilhas Virgens Britânicas são consideradas um dos principais paraísos fiscais do mundo, possuem apenas 152km² e 400 mil empresas registradas, recebendo cerca de US$ 60 bilhões anualmente

Brasil concede 80 vistos humanitários para cidadãos do Afeganistão

Brasil concede 80 vistos humanitários para cidadãos do Afeganistão

Estão em andamento mais 400 pedidos de vistos

Igreja Católica da França: 216.000 menores foram vítimas de abuso sexual em 70 anos, diz relatório

Igreja Católica da França: 216.000 menores foram vítimas de abuso sexual em 70 anos, diz relatório

Cerca de 3.000 pedófilos atuaram na Igreja Católica da França desde 1950, conforme um relatório da Comissão Independente Francesa sobre Abuso Sexual na Igreja.

Pelo menos 8 países apuram denúncias sobre uso de paraísos fiscais por líderes

Pelo menos 8 países apuram denúncias sobre uso de paraísos fiscais por líderes

Autoridades tributárias de Austrália, México, Espanha e Panamá fizeram comunicados públicos afirmando que estão acompanhando as denúncias reportadas e garantindo que investigarão possíveis crimes e indivíduos mencionados nos Pandora Papers.

BNDES captará US$ 500 milhões com banco dos Brics para projetos sustentáveis

BNDES captará US$ 500 milhões com banco dos Brics para projetos sustentáveis

O financiamento do NDB ao BNDES terá prazo total de 11 anos e seis meses. O banco brasileiro poderá usar os recursos para emprestar ao longo de quatro anos.