×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 20 de agosto de 2022

Conflito de interesses no serviço público de Brasília

Conflito de interesses no serviço público de Brasília

Foto: Correio Braziliense

"Além de abrir processos administrativos disciplinares para apurar esses fatos, a ideia é implantar regras para evitar que o problema ocorra" Aldemário Castro, controlador-geral do Distrito Federal

Por Helena Mader-correio Braziliense - 26/05/2019 - 13:22:27

Levantamento aponta que pelo menos 300 empresas vencedoras de licitações no governo têm servidores entre seus administradores. Na saúde, contratos nessa situação somam R$ 600 milhões.

Servidores públicos não podem ser administradores ou gerentes de empresas, nem podem ter firmas que participem de negócios com o poder público. A lei prevê a demissão dos funcionários públicos e até a aplicação de sanções criminais, por fraude à Lei de Licitações, em caso de irregularidades. Mas as penas rígidas para as situações de conflito de interesses não inibem a prática: levantamento do GDF apontou pelo menos 300 casos de servidores que administram empresas e fazem negócios com a administração pública. A pasta com mais casos de irregularidades é a Saúde. A secretaria tem 125 servidores, responsáveis pela gerência de 72 empresas com contratos públicos. Esses negócios somam R$ 600 milhões.


A área de hemodiálise concentra grande número de servidores que administram firmas contratadas pelo GDF (TCDF/Reprodução)
A área de hemodiálise concentra grande número de servidores que administram firmas contratadas pelo GDF

A Lei Complementar 840/2011, que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis do Distrito Federal, classifica como infração grave “participar de gerência ou administração de sociedade ou empresa privada, personificada ou não personificada”. A pena definida para esses casos é de demissão. Já o Artigo 9º da Lei de Licitações determina que servidor ou dirigente de órgão ou entidade contratante ou responsável pela licitação “não poderá participar, direta ou indiretamente, da licitação ou da execução de obra ou serviço e do fornecimento de bens”. A identificação dos casos de irregularidades ocorreu após determinações do Tribunal de Contas do DF, que investigou denúncias de casos graves de conflito de interesse.


Para coibir as irregularidades, o governador Ibaneis Rocha vai assinar um decreto determinando que, antes de fechar negócio com entidades privadas, os órgãos públicos precisarão consultar o CNPJ da empresa contratada para identificar o nome dos sócios. Em seguida, as informações deverão ser cruzadas com dados dos sistemas de recursos humanos do GDF, para verificar se o gerente ou administrador da empresa é servidor do órgão responsável pelo contrato ou pela licitação.


“Além de abrir processos administrativos disciplinares para apurar esses fatos, a ideia é implantar regras para evitar que o problema ocorra”, explica o controlador-geral do Distrito Federal, Aldemário Castro. Para ele, a assinatura de contratos com empresas que têm servidores entre os

administradores mostra que há falhas nos procedimentos de controle. “No mínimo, a composição societária não está sendo verificada”, comenta Aldemário. Paralelamente à instauração de processos administrativos disciplinares contra os servidores, as empresas administradas pelos funcionários também podem sofrer sanções. Os procedimentos de responsabilização de fornecedores podem gerar penalização como multas e até a suspensão de contratos.

Fiscalização


No TCDF, tramitam dezenas de processos relacionados a irregularidades cometidas por servidores que são administradores de empresas. Em um dos relatórios, desenvolvido a partir de contratos da Secretaria de Saúde, a Corte apontou “situações em que servidores da pasta que são sócios de entidades contratadas, além de pertencerem à mesma carreira, também trabalham na mesma unidade que os responsáveis pela fiscalização. Esse contexto poderia influenciar decisões, inibir executores de contratos a adotar medidas severas em relação à entidade contratada, ou, uma vez tomadas essas medidas, ocorrer constrangimentos e animosidades no ambiente de trabalho, posto que contrariariam interesses econômicos de colegas de trabalho, também sócios da entidade contratada”, diz um trecho do relatório.


Em um dos contratos analisados, também foi detectado caso em que servidor da Secretaria de Saúde que era sócio de uma empresa contratada assinou dois termos aditivos pela entidade — situação de inquestionável conflito de interesse.


Um dos setores da saúde que concentram casos de servidores donos de empresas prestadoras de serviço é a nefrologia. Pelo menos cinco contratos enquadrados nessa situação foram analisados pelo TCDF. Para auditores da Corte, as constantes reclamações sobre a qualidade dos serviços de terapia renal substitutiva podem estar relacionadas a esses conflitos de interesse.


O presidente do Sindicato dos Médicos do Distrito Federal, Gutemberg Fialho, diz que a lei proíbe servidores de serem administradores ou gerentes de empresas, mas não veda a inscrição como acionista. “A conveniência do contrato entre essa empresa e a Secretaria de Saúde tem que ser analisada pela própria secretaria. Se tem algum erro, é do Estado. A Corregedoria tem que questionar por que a pasta faz esses contratos, e não questionar a atuação da empresa ou do servidor”, justifica.



Para saber mais

Mais celeridade dos processos


Desde o início da atual gestão, a Controladoria-Geral do DF passou a publicar o andamento de processos administrativos disciplinares sob sua responsabilidade, sem infringir o sigilo sobre os casos. O documento mostra a data de instauração e da última movimentação no processo. A ideia do controlador-geral do DF, Aldemário Castro, é garantir mais celeridade com esse mecanismo de transparência.


“O objetivo é estender esse mecanismo para os processos que tramitam em todas as secretarias, no segundo semestre”, explica o controlador. Segundo ele, a demora na tramitação de vários casos é decorrente de decisões judiciais. “E tem casos parados que só Deus sabe por que”, acrescenta. Com a nova metodologia, o governo espera acelerar o andamento dos PADs e, principalmente, coibir novas infrações.



O que diz a lei
A Lei Complementar 840/2011, que dispõe sobre o regime jurídicos dos servidores públicos civis do Distrito Federal, classifica como infração grave “participar de gerência ou administração de sociedade ou empresa privada, personificada ou não personificada”. A pena definida para esses casos é de demissão. Já o Artigo 9º da Lei de Licitações determina que servidor ou dirigente de órgão ou entidade contratante ou responsável pela licitação “não poderá participar, direta ou indiretamente, da licitação ou da execução de obra ou serviço e do fornecimento de bens”.

Comentários para "Conflito de interesses no serviço público de Brasília":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
Toffoli chama de 'suicidas' empresários que teriam defendido golpe no WhatsApp

Toffoli chama de 'suicidas' empresários que teriam defendido golpe no WhatsApp

Desigualdade emperrou chegada da vacina contra a Covid-19 em regiões mais pobres do Brasil

Desigualdade emperrou chegada da vacina contra a Covid-19 em regiões mais pobres do Brasil

Número de candidaturas no DF é menor que em 2018

Número de candidaturas no DF é menor que em 2018

“Trabalho para o ACNUR porque acredito no que estou dizendo”

“Trabalho para o ACNUR porque acredito no que estou dizendo”

Vale prevê mais 13 anos para eliminar barragens como Brumadinho

Vale prevê mais 13 anos para eliminar barragens como Brumadinho

STF veta lei mais branda a condenados, mas admite em processos não julgados

STF veta lei mais branda a condenados, mas admite em processos não julgados

Canadian planeja fábrica de US$ 9 bilhões na China para fabricação de polissilício

Canadian planeja fábrica de US$ 9 bilhões na China para fabricação de polissilício

Cochilos diurnos frequentes aumentariam risco de hipertensão e AVC

Cochilos diurnos frequentes aumentariam risco de hipertensão e AVC

Atenção! A Varíola do Macaco é completamente diferente da Covid-19

Atenção! A Varíola do Macaco é completamente diferente da Covid-19

Campanha Agosto Lilás e os 16 anos da Lei Maria da Penha

Campanha Agosto Lilás e os 16 anos da Lei Maria da Penha

Vocês não estão sós: Vitória brasileira no Festival de Locarno tem recado para artistas do país

Vocês não estão sós: Vitória brasileira no Festival de Locarno tem recado para artistas do país

Debate insosso: Correio Braziliense e TV Brasília se esforçaram, mas o elenco não ajudou

Debate insosso: Correio Braziliense e TV Brasília se esforçaram, mas o elenco não ajudou

Justiça Federal cancela liminar e maior porta-aviões do Brasil não poderá voltar ao país

Justiça Federal cancela liminar e maior porta-aviões do Brasil não poderá voltar ao país

RD Congo: Uso de fake news está causando mortes, diz comandante da Missão

RD Congo: Uso de fake news está causando mortes, diz comandante da Missão

Internacionalização do PCC: Como enfrentar o avanço do 'profissionalismo de gestão' da facção?

Internacionalização do PCC: Como enfrentar o avanço do 'profissionalismo de gestão' da facção?

Datafolha: Lula tem 51% dos votos válidos contra 35% de Bolsonaro

Datafolha: Lula tem 51% dos votos válidos contra 35% de Bolsonaro

Adeus aos sacoleiros: O Brasil virou o Paraguai dos paraguaios?

Adeus aos sacoleiros: O Brasil virou o Paraguai dos paraguaios?

“Vandalismo”: Senado aprova projeto que altera área da Floresta Nacional de Brasília

“Vandalismo”: Senado aprova projeto que altera área da Floresta Nacional de Brasília

Para evitar rejeição, candidatos omitem partido na propaganda

Para evitar rejeição, candidatos omitem partido na propaganda

Recenseadores do IBGE denunciam ameaças e violência em entrevistas do Censo 2022

Recenseadores do IBGE denunciam ameaças e violência em entrevistas do Censo 2022

Vereador Gabriel Monteiro é cassado pela Câmara do Rio por quebra de decoro

Vereador Gabriel Monteiro é cassado pela Câmara do Rio por quebra de decoro