×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de janeiro de 2022

Congresso vê afronta em ataques de Bolsonaro a Maia

Congresso vê afronta em ataques de Bolsonaro a MaiaFoto: Tomaz Silva/Ag. Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que Bolsonaro "taca pedras", mas o parlamento "responde com flores" em momento de crise

G1.com - 18/04/2020 - 09:03:09

Câmara e Senado reagiram à fala do presidente da República em entrevista a TV

O ataque de Jair Bolsonaro ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), provocou uma reação suprapartidária em defesa do Congresso Nacional. Em entrevista à CNN Brasil na quinta-feira, Bolsonaro acusou Maia de conduzir "o Brasil para o caos" e de "conspirar" contra o governo. Recebida como uma agressão ao Legislativo, a fala aprofundou o desgaste entre Palácio Planalto e parlamentares. Além disso, contribuiu para uma resposta imediata: o Senado desistiu de votar nesta sexta-feira uma minireforma trabalhista proposta pela equipe econômica. Trata-se da Medida Provisória do contrato Verde e Amarelo, que perde validade na segunda-feira caso não haja deliberação pelos senadores.

Toffoli : Depois de Bolsonaro criticar Maia, presidente do STF elogia presidente da Câmara

As declarações de Bolsonaro contra o presidente da Câmara foram interpretadas como uma afronta ao Congresso. No Senado, parlamentares expuseram publicamente o desconforto com a postura do presidente da República.

Analítico : O que emperra o jogo de cena de bolsonaro com o novo ministro da Saúde

— Não vamos tapar o sol com a peneira: a fala de ontem, infeliz, do presidente da República expôs todos nós, expôs de forma indevida. (...) Nunca vi, nesses seis anos de mandato e acompanhando os dois mandatos do meu pai, que foi senador da República, tanta união entre oposição e situação no Congresso a favor do povo brasileiro. Então, neste momento em que estamos fazendo um esforço para aprovar medidas relevantes para o país, a fala do presidente foi indevida e enseja, para todos nós, o Congresso como um todo, espera um pedido de desculpas neste momento — disse a presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Simone Tebet (MDB-MS).

Sem controle : Exército revoga portarias que facilitavam rastreamento de armas e munição, após determinação de Bolsonaro

Ao responder à acusação no mesmo dia, Maia afirmou que Bolsonaro "taca pedras", mas o parlamento "responde com flores" em momento de crise. Para o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), a reação do presidente da Câmara deve guiar a manifestação de deputados. Ele argumenta que é preciso ter cautela, pois o Brasil passa por duas crises: econômica e sanitária. Caso seja estimulada a crise política, haveria a "tempestade perfeita" e o "caos institucional". Ele reconhece que o ato de Bolsonaro, no entanto, uniu o parlamento.

— Ele (Bolsonaro) conseguiu unir o Congresso, desde a oposição ao centro e todos os partidos condenaram sua fala.

Na quinta-feira, a reação de deputados ao ataque foi imediata no plenário da Câmara. Logo após a fala do presidente, Maia deixou o comando da sessão, onde era votada a ampliação da renda emergencial aos mais vulneráveis. No gabinete, o deputado se colocou à disposição na mesma rede de televisão para responder ao que considerou uma agressão.

Enquanto Maia se ausentou, deputados começaram a pedir a palavra para defendê-lo. Em sessão remota, a maioria acompanhava de casa o conflito televisionado. A partir do ataque gratuito de Bolsonaro, 40 deputados de 22 partidos pediram a palavra para prestar solidariedade a Maia. O momento de desagravo começou quando Hildo Rocha (MDB-MA) assumiu a presidência da sessão e se estendeu até o retorno do presidente da Câmara à cadeira.

Parlamentares de Novo e PSL, do centrão, como DEM, PP, PL e Republicanos, e até da esquerda, caso de PT, PCdoB, PDT, PSB e PSOL, se uniram para fazer uma defesa do Legislativo. Enquanto davam apoio a Maia, sobraram adjetivos para caracterizar Bolsonaro: "covarde", "destemperado", "desleal", "desequilibrado", "errático", "invejoso" e até mesmo "lunático".

Quando os trabalhos chegavam perto do fim, o deputado Elias Vaz (PSB-GO) fez um resumo do que se transformara a sessão legislativa.

— Acho que está ficando muito claro, até pela postura do conjunto dos deputados, que ninguém, ninguém aqui está fazendo a defesa da postura do presidente (Jair Bolsonaro). Acho que ele está constrangendo inclusive os que o apoiam nesta Casa. Para mim, esse fato, por si só, demonstra quem está certo nessa situação — registrou.

Em sessão desta sexta-feira no Senado, o líder do PSD, Otto Alencar (BA) disse que Maia tem feito trabalho com "moderação".

— Sem ter provocado o presidente da República, foi agredido pelo presidente, que levantou inclusive questões que foram relacionadas aí, como investigação contra o presidente da Câmara, do Supremo Tribunal Federal. Será que nós estamos numa democracia com garantias? Vai-se agora voltar ao grampo para identificar aquilo que as pessoas pensam? Essa democracia do presidente não é a nossa democracia — disse.

Jader Barbalho (MDB-PA) sugeriu que Bolsonaro lesse sobre Duque de Caxias.

— O Duque de Caxias é o Patrono do Exército. Ele ganhou esse título como "O Pacificador". É fundamental que os generais que cercam o presidente da República e os outros generais que são responsáveis pelas Forças Armadas se reúnam com o presidente para dizer "olha, o Pacificador era o Duque de Caxias", porque o que nós estamos vendo, depois de toda a colaboração do Congresso, é um absurdo. Vou reler, neste final de semana, a história de Duque de Caxias. Não sei se o presidente Bolsonaro é dado à leitura, tenho dúvidas, mas os generais que o cercam devem saber da história de Duque de Caxias, e nós devemos estar à altura do Pacificador em defesa da democracia e dos interesses do Brasil.

Já a senadora Kátia Abreu (PP-TO), ao se posicionar pela aprovação do orçamento de guerra, mandou mais um recado:

— Nós vamos continuar, como diz Rodrigo Maia, jogando flores, e não pedras.

Votação da MP

Oficialmente, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), alegou que a maioria dos senadores se manifestou por não votar o texto da Medida Provisória do contrato Verde e Amarelo pelo curto prazo e por falta de acordo com a Câmara e o governo. Também não garantiu sua votação na segunda-feira, quando ela caduca.

O clima no Senado para a votação dessa MP já estava ruim. Parlamentares reclamavam que, mais uma vez, a Câmara encaminhou o texto a poucos dias de ele perder a validade. Ainda assim, em acordo com líderes, Davi decidiu pautá-la para esta sexta-feira. Na noite de ontem, porém, depois dos ataques de Bolsonaro a Maia, o desconfortou se instalou.

Em uma reação acertada entre oposição, independentes e até governistas, senadores decidiram que não votariam a MP. Parte dos parlamentares chegou a defender que também não fosse votado o projeto que cria o orçamento de guerra em segundo turno. Sobre isso, não houve acordo, porque prevaleceu o entendimento que uma decisão desse tipo podia se voltar contra o Senado, sob acusação de não colaborar com o enfrentamento do coronavírus.

Comentários para "Congresso vê afronta em ataques de Bolsonaro a Maia":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Ministro de Minas e Energia quer o Cade investigando preços abusivos da Petrobras

Ministro de Minas e Energia quer o Cade investigando preços abusivos da Petrobras

Na avaliação do ministro, a investigação do Cade não tem atribuição de segurar o preço dos combustíveis. Mas pode corrigir práticas da empresa, caso fique configurada alguma distorção.

Coronavírus: Ciência e Tecnologia suspende trabalho presencial em quatro órgãos

Coronavírus: Ciência e Tecnologia suspende trabalho presencial em quatro órgãos

O Brasil enfrenta uma nova onda de aumentos de casos de covid-19 por causa da variante Ômicron

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19

Câmara deve retomar trabalho remoto após aumento de casos de Covid-19

Medida ainda não foi oficializada pelo presidente da Casa

Marco temporal, operações policiais e vacina: conheça os principais julgamentos do STF em 2022

Marco temporal, operações policiais e vacina: conheça os principais julgamentos do STF em 2022

Pauta do ano coloca Supremo Tribunal Federal novamente em evidência, apontam especialistas

No Recife, crianças vacinadas contra a covid-19 ganham livro de presente

No Recife, crianças vacinadas contra a covid-19 ganham livro de presente

No Recife, quem recebe a vacina contra a covid leva um livro para casa

Indígena é a 1ª criança vacinada contra a Covid-19 no país

Indígena é a 1ª criança vacinada contra a Covid-19 no país

Em ato simbólico, xavante de 8 anos de Piracicaba recebeu imunizante

Médicos da atenção primária decidem entrar em greve em São Paulo

Médicos da atenção primária decidem entrar em greve em São Paulo

Decisão pode ser revista caso prefeitura revise planejamento

Confirmado segundo caso de Candida auris em Pernambuco

Confirmado segundo caso de Candida auris em Pernambuco

Anvisa trata o caso como o terceiro surto do superfungo no país

Vacina brasileira contra a Covid-19 é aplicada pela primeira vez

Vacina brasileira contra a Covid-19 é aplicada pela primeira vez

Estudo clínico aplicará o imunizante em 90 voluntários

Justiça Federal no Brasil se moderniza, mas tribunais ainda amargam demoras

Justiça Federal no Brasil se moderniza, mas tribunais ainda amargam demoras

Essa grandiosidade em termos de acesso à justiça, também vem ao encontro da morosidade com o que cidadão tem que enfrentar, em função ao tempo de decisão com relação a um processo

Estados voltam a ter medidas restritivas com aumento de casos de covid

Estados voltam a ter medidas restritivas com aumento de casos de covid

Aumento no número de infectados é resultado da variante Ômicron