×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

Conheça a história de mães refugiadas que fizeram o impossível pelos filhos

Conheça a história de mães refugiadas que fizeram o impossível pelos filhosFoto: ACNUR

Mães refugiadas enfrentam desafios inimagináveis para proteger quem mais amam.

Onu Brasil - 06/05/2020 - 16:38:09

Elas cruzaram rios com seus filhos no colo sem saber nadar, caminharam por quilômetros sem saber aonde iam chegar, algumas abriram mão de suas vidas para priorizar a de seus filhos. Não importa de onde elas sejam, as mães refugiadas têm em comum uma força que impressiona e inspira. Apesar de terem fugido com medo e assustadas, elas encontraram dentro de si coragem para proteger seus filhos.

“Eu estava grávida e caminhei por três dias sem água ou comida. Espero conseguir alimentar meus filhos”. Foto: Rocco Nuri/ACNUR

Christine morava no Sudão do Sul e, mesmo grávida, precisou fugir depois que sua cidade sofreu ataques violentos. Por três dias, caminhou com seus dois filhos sem água ou comida. A pequena Anwech veio ao mundo dois dias depois de finalmente chegarem a Uganda. O marido de Christine desapareceu em meio ao conflito, e ela tem medo de que o pior tenha acontecido. Ela agora é a chefe de sua família e teme não conseguir alimentar seus filhos.

Opani, 28 anos, com sua filha Brenda, de menos de dois anos no colo. Foto: David Azia/ACNUR

Opani percorreu 96 km com sua filha Brenda no colo para fugir da violência no Sudão do Sul. Elas dormiram ao ar livre, sob o constante medo de serem atacadas, até encontrarem segurança em um campo de refugiados do ACNUR em Uganda.

Maysaa se emociona ao falar sobre seus filhos. Foto: Houssam Hariri/ACNUR

“Quando fico doente e não posso cuidar deles, fico muito desesperada. Eu gosto de dar a eles tudo o que precisam”, diz Maysaa, mãe síria de dois filhos com paralisia cerebral. Eles precisam de cuidados médicos e sociais especiais.

Refugiados com deficiência podem estar entre os mais marginalizados, e suas vulnerabilidades são frequentemente agravadas pelo deslocamento forçado. O isolamento e a percepção de que eles são um fardo podem comprometer sua dignidade, segurança e acesso à serviços.

Com o filho no colo, Jorina atravessou um pântano e cruzou o rio Naf em busca de segurança. Foto: Roger Arnold/ACNUR

Jorina fugiu da vila onde morava depois de testemunhar o assassinato de entes queridos e ouvir histórias de mulheres que foram brutalmente violentadas. Com muito medo, ela precisou fugir rapidamente para Bangladesh para se esconder. Sem documentos, Jorina teme não conseguir acesso à moradia, alimentação e atendimento médico. “Sei que o nosso presente e futuro são incertos, mas não posso permitir que meu filho passe pelas mesmas situações que sofri”.

“Deixei meu país para proteger minha família de ataques armados. Quero encontrar um lugar seguro para chamar de lar”. Foto: Viktor Pesenti/ACNUR

Annabel deixou a Venezuela quando a comunidade onde vivia foi atacada por forças armadas. Ela e os filhos fugiram durante a noite levando apenas alguns pertences. Eles tiveram que escalar montanhas rochosas até chegar ao Brasil. Annabel estava grávida de três meses durante essa difícil jornada. Hoje, a família vive em uma comunidade indígena no Brasil, e Annabel sonha em ter a própria casa e colocar os filhos na escola.

Christine, Opani, Maysaa, Jorina e Annabel não tiveram escolha. Elas sonham com um futuro melhor e contam com a sua ajuda. Faça sua doação agora.

Neste Dia das Mães, você pode escolher ajudar mães refugiadas como elas

Comentários para "Conheça a história de mães refugiadas que fizeram o impossível pelos filhos":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Varíola de macacos: Brasileiro é 1º diagnosticado com a doença na Alemanha

Varíola de macacos: Brasileiro é 1º diagnosticado com a doença na Alemanha

O Instituto de Microbiologia das Forças Armadas da Alemanha confirmou o caso após ter detectado a presença do vírus no paciente durante a última quinta-feira

Dia Mundial da Abelha lembra ação dos polinizadores para alimentação e saúde

Dia Mundial da Abelha lembra ação dos polinizadores para alimentação e saúde

Abelhas e outros insetos polinizadores apoiam a produção de alimentos para 2 bilhões de pequenos agricultores

Embaixadora dos Estados Unidos no Brasil 'garante' eleições justas, apesar de Bolsonaro

Embaixadora dos Estados Unidos no Brasil 'garante' eleições justas, apesar de Bolsonaro

O Senado dos EUA sabatinou, nesta quarta-feira (18), a diplomata Elizabeth Bagley. Ela foi questionada sobre as eleições no Brasil e a política ambiental do governo de Jair Bolsonaro.

Embaixadora americana indicada ao Brasil buscará colaborar para 'reduzir drasticamente desmatamento'

Embaixadora americana indicada ao Brasil buscará colaborar para 'reduzir drasticamente desmatamento'

Bagley falou em sua audiência para confirmação, no Comitê de Relações Exteriores do Senado americano.

Uso de máscara em aeroportos e voos não é mais obrigatório na Europa

Uso de máscara em aeroportos e voos não é mais obrigatório na Europa

Tal decisão foi confirmada e divulgada mundialmente por meio de um comunicado realizado pela Agência de Segurança da Aviação da União Europeia

Polícia investiga uso de estudantes de Medicina como 'mulas' do tráfico

Polícia investiga uso de estudantes de Medicina como 'mulas' do tráfico

Segundo o delegado, os traficantes pagam por volta de R$ 20 mil por quilo para comprar a droga e passam a comercializá-la no Brasil

"Democracia latino-americana está envenenada", afirma ex-presidente uruguaio Pepe Mujica

Em evento no Uruguai, o político aposentado cobrou uma união da população para barrar governos autoritários

Dia Internacional das Famílias destaca impacto da urbanização sobre os lares

Dia Internacional das Famílias destaca impacto da urbanização sobre os lares

A ONU marca em 15 de maio o Dia Internacional das Famílias com foco na urbanização e como melhorar a vida das pessoas nas cidades

Coreia do Norte confirma 21 novas mortes suspeitas de Covid-19

Coreia do Norte confirma 21 novas mortes suspeitas de Covid-19

Apesar das medidas restritivas para evitar a circulação de pessoas entre cidades, as descrições da mídia estatal norte-coreana indicam que a população não está confinada.

Espera de entrevista para visto norte-americano chega a 354 dias em SP

Espera de entrevista para visto norte-americano chega a 354 dias em SP

Nos demais consulados no país a demora é menor

"Sem Caribe, não há América": campanha busca visibilizar a necessidade da integração regional

Economista haitiano propõe uma "pedagogia das revoluções" como estratégia contra o domínio imperialista em toda a região