×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de janeiro de 2022

Conselho de Saúde aponta responsabilidade do governo Bolsonaro em crise de Manaus

Conselho de Saúde aponta responsabilidade do governo Bolsonaro em crise de ManausFoto: Michael Dantas

Órgãos federais e estudais também engrossam coro e dizem que gestão precisa viabilizar soluções para caos sanitário

Por Cristiane Sampaio - Brasil De Fato - 17/01/2021 - 10:48:31

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) rebateu, nesta sexta-feira (15), as declarações do governo Bolsonaro a respeito do caos sanitário na cidade de Manaus (AM), onde a falta de oxigênio provocou a morte de diferentes pacientes na quinta-feira (14) por asfixia.

A conselheira Vanja Santos, da mesa diretora da entidade, disse que o presidente da República não pode se isentar da responsabilidade sobre a situação da capital amazonense, onde a covid-19 já matou mais de 5.300 pessoas. O CNS também publicou nota na noite desta sexta (15) pedindo "providências imediatas" para a crise.

“Já faz muito tempo, desde o início da pandemia, que o governo federal não tem feito a parte dele, que seria agir desde o principio pra que nós não chegássemos a este ponto, tomar a dianteira do cuidado com a população brasileira. Nós tivemos, no primeiro momento, o governo fazendo pouco da pandemia, das infecções”, disse Santos ao Brasil de Fato, após Jair Bolsonaro dar mais uma declaração controversa sobre o avanço do novo coronavírus no país.

"A gente está sempre fazendo o que tem que fazer, né? Problema em Manaus : terrível o problema lá, agora nós fizemos a nossa parte, com recursos, meios", declarou o chefe do Executivo.

O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, também se manifestou de forma polêmica após o agravamento da situação da cidade. Ele chegou a colocar a culpa nas chuvas, por exemplo.

A manifestação foi feita três dias após Pazuello visitar o Amazonas, que hoje acumula quase 6 mil óbitos registrados e mais de 223 mil infecções pelo novo coronavírus, segundo contagem oficial.

O ministro também culpou a distância e as dificuldades de logística para tentar embasar a carência de oxigênio, suprimento que é de responsabilidade do governo federal.

E acrescentou: “Manaus não teve a efetiva ação no tratamento precoce com diagnóstico clínico no atendimento básico, e isso impactou muito a gravidade da doença”.

A declaração do mandatário é uma referência indireta à defesa do governo Bolsonaro em torno do uso de medicamentos sem comprovação científica para esse tipo de tratamento, como é o caso da cloroquina.

“O governo federal tira algumas coisas da cabeça e quer impor à população sem que pra isso tenha dados científicos. É um pacote que eles tentam impor e querem culpabilizar os médicos e as instituições que não aderirem a isso. É uma política genocida da população brasileira, e eu não posso ver essa declaração do Pazuello como algo sério”, critica Vanja Santos.

O que faltou?

Na avaliação do CNS, o governo federal tem “forte responsabilidade” no processo que levou a capital amazonense ao status atual da crise de saúde pública. Segundo aponta a conselheira, em primeiro lugar, o “descompromisso” de Bolsonaro com o enfrentamento à covid-19 deixou gestores locais à deriva, tendo que administrar por conta própria fluxos e demandas que, via de regra, dependem de uma lógica conjunta – a mesma que orienta o Sistema Único de Saúde (SUS), que opera de forma tripartite, envolvendo União, estados e municípios.

“Faltou um plano nacional de enfrentamento à covid-19, o que acabou sendo feito pela Frente pela Vida. Faltou o governo estabelecer um plano como esse e chamar os pares pra dialogar, participar e interagir com ele. E faltou acompanhar o desenrolar nos estados, estabelecimento de lockdown onde fosse necessário, etc.”, resgata Vanja Santos, lembrando que Bolsonaro chegou inclusive a criticar o lockdown do estado do Maranhão, por exemplo, em maio de 2020.

Para o Conselho Nacional de Saúde, faltou ainda abastecer os entes federados com insumos e equipamentos, como é o caso do remédios, equipamentos para exame pulmonar, entre outros. “Também faltam profissionais especializados para o cuidado intensivo dos pacientes que necessitam de auxílio para respirar”, acrescenta Vanja, ao falar em “negligência”.

Uma situação foi puxando a outra. E, quando você vê a situação do Amazonas, se está buscando oxigênio pra região que é exatamente o pulmão do mundo. Mas, quando você chega nessa situação e vai no hospital, está faltando muito mais do que oxigênio”, relata a conselheira, ao mencionar que familiares de pacientes estão buscando remédios e equipamentos por conta própria para tentar aumentar a expectativa de vida dos doentes.

Outros órgãos

Diferentes órgãos públicos federais e estaduais ajudaram a engrossar o coro feito pelo CNS. Na quinta-feira (14), por exemplo, uma ação civil pública protocolada na Justiça Federal de Manaus apontou que o governo Bolsonaro seria o responsável por ter que buscar uma saída para o colapso na disponibilidade de oxigênio medicinal no estado.

A argumentação é do Ministério Público Federal (MPF), da Defensoria Pública da União (DPU), do Ministério Público do Estado do Amazonas, da Defensoria Pública do Estado do Amazonas e do Ministério Público de Contas estadual. Juntos, eles assinam a ação.

A Justiça acatou parcialmente os pedidos feitos pelos órgãos e estipulou prazo de 24 horas para que o governo Bolsonaro se manifestasse e providenciasse a transferência de pacientes para outros estados.

Também foi estabelecido que a União deve apresentar planejamento de suprimento das necessidades da rede estadual de saúde.

Seguindo a mesma linha, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, na noite desta sexta (15), que a gestão Bolsonaro tem responsabilidade sobre a situação e precisa enviar oxigênio para a capital amazonense com urgência.

Também determinou o prazo de 48 horas para que a gestão apresente um plano detalhado com estratégias de atuação no local. A decisão atende um pedido feito pelo PT e pelo PCdoB e estipula ainda que o governo atualize o plano a cada 48 horas “enquanto perdurar a conjuntura excepcional”.

Edição: Leandro Melito

Comentários para "Conselho de Saúde aponta responsabilidade do governo Bolsonaro em crise de Manaus":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Armas e plantas de maconha que teriam sido apreendidas pela Polícia Militar no local da chacina

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Possível federalização do caso anularia setenças da Justiça estadual

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

De outubro de 2020 a setembro de 2021 foram registrados 375 assassinatos no mundo, o que representa um aumento de 7% em relação ao ano anterior

Intolerância religiosa:

Intolerância religiosa: "Brasil vive negação de direitos", afirma especialista

Violência aumentou nos últimos anos e políticas de combate foram enfraquecidas

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada no Brasil

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Fotografia tirada após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, que matou 272 pessoas

"A luta dos povos indígenas é uma luta válida e importante para todo o povo"

A Festa do Murici e Batiputá acontece entre os dias 12 e 15 de janeiro

Brasil precisará de um exército de profissionais agroflorestais para liderar a transição regenerativa no mundo

Brasil precisará de um exército de profissionais agroflorestais para liderar a transição regenerativa no mundo

Hoje a agricultura é considerada ainda uma vilã do clima e não resolve o problema da fome no mundo