×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 08 de dezembro de 2021

Decisão de Toffoli sobre Coaf leva STJ a suspender ação contra empresário investigado por propina na PF

Decisão de Toffoli sobre Coaf leva STJ a suspender ação contra empresário investigado por propina na PFFoto: Gustavo Lima/STJ

João Alberto Magalhães Cordeiro foi denunciado em junho na Operação Tergiversação por supostamente corromper um delegado e um escrivão para ser favorecido em investigações; defesa alega que caso foi obtido por meio de compartilhamento de dados sem autorização judicial

Estadão Conteúdo - 07/11/2019 - 08:45:45

O ministro do Superior Tribunal de Justiça Reynaldo Soares da Fonseca suspendeu ação penal contra o empresário João Alberto Magalhães Cordeiro, denunciado por supostamente pagar propina a agentes da Polícia Federal no Rio para ser favorecido em investigações.

O ministro baseou a liminar em decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, que em 16 de julho suspendeu processos e inquéritos amparados no compartilhamento sem autorização judicial de dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) , hoje Unidade de Inteligência Financeira (UIF).

A Operação Tergiversação foi deflagrada em junho contra esquema de corrupção que teria sido instaurado dentro da Superintendência da PF no Rio.

Segundo a investigação, empresários teriam sido achacados a pagar propinas ao delegado Lorenzo Pompílio da Hora, com o apoio do escrivão Éverton da Costa Ribeiro, lotados à época no Núcleo de Repressão a Crimes Postais.

Os servidores cobraram vantagens indevidas a investigados e potenciais alvos das operações Titanium (fraudes envolvendo o plano de saúde dos Correios) e Viapostalis (fraudes envolvendo o Postalis, fundo de pensão dos servidores dos Correios).


Documento


O Ministério Público apurou o caso a partir de delações premiadas de empresários que teriam repassado propina aos policiais e informações confirmadas pelo Coaf.

No caso de João Alberto Magalhães Cordeiro, o Ministério Público solicitou ao Coaf que confirmasse valores apresentados por um delator na investigação.

Defesa. Segundo a defesa do empresário, a solicitação feita pela Procuradoria foi atendida sem autorização judicial, se enquadrando nos casos previstos na decisão de Toffoli, em vigor desde o dia 16 de julho.

O presidente do STF atendeu pedido do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), alvo de investigação de suposta prática dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A medida será válida até o plenário da Corte decidir sobre a questão.

Inicialmente, o pedido de suspensão da ação contra Magalhães Cordeiro foi levado para a primeira instância, que negou o recurso e manteve o processo.

O argumento à época era que a atuação do Ministério Público ‘se deu diametralmente oposto ao precedente’ estabelecido por Toffoli, ‘visto que a Procuradoria apenas procurou o Coaf para confirmar informações, e não fazer uma devassa na vida bancária e fiscal do empresário’.

“Uma vez confirmada a informação, aí sim requereu o Ministério Público Federal o afastamento dos sigilos bancário e fiscal, de forma abranger todos os dados daquele período compreendido no requerimento. Aliás, já havia medida de afastamento de sigilo bancário e fiscal em curso”, decidiu a Justiça, em primeiro grau.

‘Temerário’. O recurso foi levado ao STJ. Ao relatar o caso, o ministro Reynaldo Soares da Fonseca decidiu acatar o pedido da defesa por considerar ‘temerário’ manter a ação penal contra o empresário.

“Embora realizada a distinção entre a hipótese dos autos e o tema em repercussão geral, com a finalidade de justificar a não suspensão da ação penal, considero temerário manter o trâmite da ação penal, uma vez que, pela leitura da decisão proferida na origem, não é possível dissociar, por completo, a situação dos autos da discussão submetida à repercussão geral”, afirma o ministro.

COM A PALAVRA, OS ADVOGADOS FABRICIO DORNAS CARATA, GUILHERME LOUREIRO PEROCCO E EMMANUEL RÊGO ALVES VILANOVA, REPRESENTANTES DO EMPRESÁRIO JOÃO ALBERTO MAGALHÃES CORDEIRO

‘A defesa entende que a decisão tomada pelo ministro foi acertada na medida em que a questão do Coaf ainda não está pacificada perante o Supremo Tribunal Federal. Desta forma, foi necessário a suspensão da ação penal até que se houvesse segurança jurídica a cerca do tema. A defesa entendeu a medida como justa e necessária frente à utilização e informações sigilosas do cliente sem autorização judicial.’

Comentários para "Decisão de Toffoli sobre Coaf leva STJ a suspender ação contra empresário investigado por propina na PF":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Polícia Federal investiga superfaturamento em licitação do Inep

Polícia Federal investiga superfaturamento em licitação do Inep

Ação mira contratação de empresa para realizar o Enem

Mais da metade dos maiores de 18 anos consomem bebidas alcoólicas

Mais da metade dos maiores de 18 anos consomem bebidas alcoólicas

Dado é de pesquisa do Instituto Brasileiro do Fígado

Pai é preso em Rondônia após menina de 13 anos pedir socorro em prova

Pai é preso em Rondônia após menina de 13 anos pedir socorro em prova

A menina de 13 anos autora da denúncia de violência doméstica tem mais três irmãos

Após investigação, PF culpa navio grego por derramamento de óleo no litoral brasileiro em 2019

Após investigação, PF culpa navio grego por derramamento de óleo no litoral brasileiro em 2019

A Polícia Federal (PF) concluiu as investigações sobre a origem das manchas de óleo que atingiram o litoral brasileiro entre agosto de 2019 e março de 2020.

População local do Rio Madeira vê o drama por trás da rotina do garimpo

População local do Rio Madeira vê o drama por trás da rotina do garimpo

“Tinha mulher, criança de colo. O povo estava sem ter o que comer nem lugar para dormir. Passaram a noite ali no flutuante. No outro dia, arrumaram umas doações. Depois, deram um jeito de ir embora.”

Como o acesso facilitado a armas de fogo beneficia as milícias no Rio de Janeiro?

Como o acesso facilitado a armas de fogo beneficia as milícias no Rio de Janeiro?

Acesso a armamentos está ocorrendo em contexto que não houve nenhum avanço com relação as regras de controle

Gov.Br envia mensagens para ofertar serviços públicos digitais

Gov.Br envia mensagens para ofertar serviços públicos digitais

Notifica Gov.Br, do Ministério da Economia, entrou em fase de testes

Anvisa defende transparência e cooperação entre agências reguladoras

Anvisa defende transparência e cooperação entre agências reguladoras

Diretor-presidente disse que notícias falsas matam tanto quanto vírus

Capes: Mais pesquisadores deixam cargos e número de renúncias chega a 80

Capes: Mais pesquisadores deixam cargos e número de renúncias chega a 80

Os motivos são parecidos com os apresentados pelos pesquisadores da Matemática e da Física, que já haviam pedido renúncia.

ONG no DF vende farofa para ajudar crianças que vivem com vírus HIV

ONG no DF vende farofa para ajudar crianças que vivem com vírus HIV

Organização foi criada no Dia Mundial de Luta Contra a Aids

Mulheres convocam manifestação nacional “Bolsonaro nunca mais” para 4 de dezembro

Mulheres convocam manifestação nacional “Bolsonaro nunca mais” para 4 de dezembro

A lista de locais e horário das cidades confirmadas será divulgada na página @forabolsonaronacional