×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de outubro de 2021

Decreto regulamenta programa do Código Sinal Vermelho no DF

Decreto regulamenta programa do Código Sinal Vermelho no DFFoto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Mulheres em situação de vulnerabilidade podem pedir socorro em estabelecimentos comerciais ao mostrar um X vermelho na palma da mão

Agência Brasília* | Edição: Renata Lu - 07/01/2021 - 17:59:26

Um pedido de socorro em forma de X. A sugestão é que a letra seja pintada a caneta ou em batom vermelho para deixar clara a urgência da ajuda. As mulheres agora poderão registrar na palma da mão que estão sofrendo uma violência doméstica e procurar estabelecimentos comerciais que estarão aptos a chamar a polícia para atendê-las. A ação faz parte do Programa de Cooperação e Código Sinal Vermelho, instituído pelo decreto Nº 41.695, que regulamenta a Lei nº 6.713, de 10 de novembro de 2020, e que foi publicado hoje no Diário Oficial do DF.

O programa, que será colocado em prática pelas secretarias da Mulher (SMDF), de Segurança Pública (SSP) e unidades da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), estabelece que as vítimas de violência doméstica poderão procurar farmácias, condomínios, hotéis e supermercados em funcionamento em todo o DF e apresentar um sinal vermelho na mão como alerta de que estão vivendo uma situação de vulnerabilidade, ou até mesmo pedirem ajuda verbalmente.

Vítimas de violência doméstica poderão procurar farmácias, condomínios, hotéis e supermercados no DF e apresentar um sinal vermelho na mão, como alerta de que estão vivendo uma situação de vulnerabilidade | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Os funcionários dos estabelecimentos que participarem da campanha serão orientados a acolher essas mulheres de forma sigilosa. A vítima deverá ser levada para um local seguro e discreto até que possa receber atendimento especializado. A orientação para quem receber a denúncia é manter a calma para não chamar a atenção das pessoas próximas sobre a condição da mulher e, menos ainda, levantar suspeitas do agressor, caso ele esteja por perto.

Os participantes do programa serão capacitados por meio de vídeos tutoriais e cartilha elaborados pela SMDF, SSP e unidades da Deam. Entre as recomendações, quem receber o pedido de socorro deverá anotar os dados da vítima, caso ela tenha necessidade de sair do local, e ligar, imediatamente, para os números 190 (Emergência – Polícia Militar), 197 (Denúncia – Polícia Civil) ou 180 (Central de Atendimento à Mulher) para reportar a situação às autoridades competentes. Todas as informações deverão ser mantidas em sigilo absoluto.

Essa iniciativa é extremamente relevante porque amplia esforços e envolve toda a sociedade no enfrentamento à violência de gêneroIrina Storni, subsecretária de Enfrentamento à violência contra as mulheres

Caberá à equipe policial levar a vítima à delegacia para registro de ocorrência, bem como garantir o transporte gratuito e seguro até uma unidade de saúde para atendimento médico, caso ela necessite. A mulher também poderá ser conduzida a um dos centros de atendimento especializados, como o Centro Especializado de Atendimento a Mulher (Ceam), da Secretaria da Mulher, ou à Casa Abrigo, para que ela tenha acesso aos serviços de assistência social, psicológica e orientação jurídica.

“Essa iniciativa é extremamente relevante porque amplia esforços e envolve toda a sociedade no enfrentamento à violência de gênero. A adesão e treinamento de funcionários de diversos estabelecimentos para acolher essas mulheres reforça a necessidade de todos participarem deste combate”, defende Irina Storni, subsecretária de Enfrentamento à violência contra as mulheres.

Instituições interessadas em aderir ao programa deverão procurar a Secretaria da Mulher para ter acesso ao material de capacitação| Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Pelo decreto, fica determinado que a Secretaria da Mulher deverá reforçar a ação dos canais de atendimento às situações de violência contra a mulher, bem como a rede de proteção, além de criar e divulgar campanhas publicitárias para que todos tomem ciência do Programa de Cooperação e Código Sinal Vermelho.

Leia também

DF terá quatro unidades da Casa da Mulher Brasileira

"Boto Fé na Proteção": curso para prevenir violência de gênero

Feminicídios caem 56,6% ao longo do ano

Lançada cartilha de prevenção ao assédio

As instituições interessadas em aderir ao programa, de forma espontânea, deverão procurar a Secretaria da Mulher para ter acesso ao material de capacitação. Elas também receberão um selo de identificação que será afixado em lugar visível para que as mulheres reconheçam que aquele local está preparado para acolhê-las em caso de estarem vivendo uma situação de violência doméstica.

*Com informações da Secretaria da Mulher

Comentários para "Decreto regulamenta programa do Código Sinal Vermelho no DF":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Tiffany diz que Tandara 'errou nas palavras' e minimiza novas declarações

Tiffany diz que Tandara 'errou nas palavras' e minimiza novas declarações

Tiffany voltará às quadras na próxima terça-feira, para o segundo jogo da decisão do Campeonato Paulista, em Barueri

Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Tandara critica mais uma vez a presença de transexuais: 'Minha opinião não muda'

Em 2018, eu dei uma entrevista, inclusive eu estava aqui em Osasco, quando eu disse que não concordava.

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

OMS reconhece legado de Henrietta Lacks à ciência e à saúde

Chefe da OMS (à dir, em pé) recebe a família de Henrietta Lacks para uma homenagem na sede da agência.

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

Mostra ajuda a limpar estigmas e dá profundidade à Carolina Maria de Jesus

A mostra tem entrada gratuita com agendamento prévio pelo site do IMS.

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

PSB vai ao STF contra Plano de Segurança de Bolsonaro que exclui feminicídio

O PSB lembra na ação que, sem uma classificação particular, os feminicídios e as mortes causadas por violência policial vão sofrer um apagão de dados, o que dificulta a definição de políticas públicas para proteger os grupos vulneráveis.

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Maria Ressa e o prêmio Nobel: A luta contra fake news é a luta pela democracia

Jornalista Maria Ressa foi condecorada com o Nobel da Paz em 2021; prêmio também foi concedido ao russo Dmitry Muratov -

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

''Renascer' me fez crescer muito', diz Adriana Esteves

A novela exclusivamente rural, que caiu no gosto do público, entrou agora para o catálogo da Globoplay e a partir desta segunda, 11, poderá ser assistida em edição completa - são 126 capítulos.

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Dia Internacional da Menina reforça necessidade de acesso às ferramentas digitais

Divisão digital impacta empregabilidade, saúde reprodutiva e autonomia corporal de mulheres

Marieta Severo conta que as sequelas da Covid-19 prejudicam o seu trabalho

Marieta Severo conta que as sequelas da Covid-19 prejudicam o seu trabalho

Além da sua doença, Severo enfrentou ainda um AVC do marido, Aderbal Freire. A veterana de 74 anos disse que voltar a gravar novela tem ajudado a superar esse período desafiador.

"Nunca quiseram nos escutar, então criamos um ambiente nosso, de acolhimento", diz slammer

Vencedora da Final Gaúcha de Slam, Tiatã conversou com o Brasil de Fato RS sobre a arte das batalhas de poesia das ruas

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF

Mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio no DF

Não nos matem