×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 25 de junho de 2022

Déficit de profissionais. Crianças doentes são obrigadas a esperar para serem avaliadas por médicos

Déficit de profissionais. Crianças doentes são obrigadas a esperar para serem avaliadas por médicosFoto:

Sem pediatras, famílias enfrentam martírio por atendimento no DF

Por Manoela Albuquerque - Metrópoles/foto: Hugo Barreto - 26/11/2018 - 10:39:57

O choro alto das gêmeas Evelyn e Adrielle, de 1 ano, ecoava no pronto-socorro do Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Eram exatamente 10h45 da manhã de quinta-feira (22/11), quando a mãe, Girlene Lopes, 39 anos, tentava acalentar as filhas. Sem entender que não seriam atendidas tão cedo, as duas expressaram descontentamento, pois estavam com febre, tosse e catarro. Girlene, que já havia passado pela Unidade Básica de Saúde 9 de Ceilândia, desistiu de esperar no meio da tarde.

Enquanto as gêmeas aguardavam, Isaac, de 2 anos, vomitava do lado de fora da sala, acompanhado do pai. “Vou esperar até ele ser atendido, não vou arriscar”, disse Nelson Teixeira da Rocha, 33. À tarde, a família “jogou a toalha” e procurou uma clínica particular.

Pais de primeira viagem, Carolina Silva Coimbra, 16, e Guilherme Pinheiro Viana, 21, moram em Ceilândia, mas foram ao HRT acreditando que encontrariam facilmente o atendimento para a pequena Manuela, de 8 meses, que estava com febre. Impaciente, o casal também preferiu tirar dinheiro do bolso para que um médico particular avaliasse a bebê. “Infelizmente, muitos não têm condições de pagar pelo atendimento”, disse a adolescente.

Na triagem, Evelyn, Adrielle, Isaac e Manuela receberam classificação “urgente” para atendimento. Nesses casos, o tempo máximo de espera deveria ser de até uma hora, conforme informações divulgadas pela Secretaria de Saúde do DF em seu portal institucional. No entanto, a realidade é que mães e pais passam horas no hospital com os filhos, sem nenhuma garantia de atendimento ou informações. Muitos precisam justificar a ausência no trabalho ou, como autônomos, perdem a renda do dia.

O sistema não funciona porque, entre outras razões, faltam médicos. Atualmente, há 567 pediatras ativos no quadro da Secretaria de Saúde, com cargas horárias de 20 ou 40 horas semanais. Para atender as crianças do DF, seriam necessários 920 profissionais trabalhando 20 horas por semana, o que representa um déficit aproximado de 38%. As informações são da própria pasta.

Na escala de atendimento, o número é ainda mais reduzido, de acordo com dados do portal Siga Brasília. Na última semana, uma média de 220 pediatras estavam escalados para trabalhar no período matutino, de segunda a quinta-feira. O número cai à tarde e ainda mais à noite, devido ao encerramento de serviços. Sexta, sábado e domingo também há menos profissionais trabalhando.

Nos prontos-socorros, são aproximadamente 25 pediatras atendendo de segunda a quinta durante a manhã, com diminuição ao longo do dia, para dar conta de toda demanda do DF. Na sexta-feira (23) e no sábado (24), a escala varia com 12 a 15 profissionais. No domingo (25), o número é de 14 a 17 pediatras.

A Secretaria de Saúde disse haver mais médicos disponíveis no período matutino por causa da rotina dos pacientes. No fim de semana, quando não há atendimento ambulatorial, o ideal seria manter o quadro sem redução nos prontos-socorros e enfermarias.

Situação se repete nos hospitais
Aos 3 meses, Lara Sofia estava com um chiado no peito enquanto aguardava ser avaliada no colo da mãe, Priscila dos Santos, 29 anos. Depois de esperar a noite toda, a mulher não teve previsão de quando a criança poderia receber o diagnóstico. Apenas uma pediatra estava na escala.

Nem mesmo a triagem estava sendo feita no Hospital Regional de Ceilândia (HRC), segundo os funcionários. O atendimento era por ordem de chegada e as fichas dos pacientes eram feitas no setor de ginecologia.

Antes de ir ao pronto-socorro, Priscila esteve na Unidade Básica de Saúde (UBS) 12 de Ceilândia, onde foi orientada por uma enfermeira a buscar atendimento de urgência. “Está péssimo. Ninguém sabe quando vão atender. Estou preocupada porque ela é muito novinha”, desabafou a mãe.

A caixa Raelma Dourado, 35 anos, chegou por volta das 10h no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) com a filha Letícia, 6. O primeiro local procurado foi a UBS de Sol Nascente, onde não havia médico. A menina estava com febre, diarreia e vômito. O atendimento só veio por volta das 15h.

Quando precisamos levar a Letícia ao médico, o coração dói. A gente já vem com medo, constrangido. Eu me sinto a menor pessoa do mundo quando minha filha adoece"

Raelma Dourado, mãe

Para acompanhar a menina, Raelma e o pai, o açougueiro Tailson de Sousa, 28, não trabalharam. “Vou perder um dia de trabalho porque eles não aceitam atestado de comparecimento”, contou Tailson.

No Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), duas pediatras estavam atendendo na parte da manhã. Um funcionário da recepção informou à reportagem que havia cerca de 17 crianças esperando passar pela triagem. Contando com aquelas que aguardavam atendimento, o número subia para 40.

Moradora do Gama, a dona de casa Greyce Kelly Rego, 27 anos, levou a filha Laura, 3. A criança passou pela triagem de manhã, momento em que o termômetro marcava 39ºC de febre.

“Uma vez cheguei aqui às 20h e só fui atendida às 3h da madrugada. A saúde pública está precária. Tem que contar com Deus, porque com a sorte não dá mais. Dá vontade de pagar particular e fazer dívida, mas não tem como”, reclamou a mãe. “Quero ir embora”, disse a menina, chorosa.

Depois de ser atendida, às 16h, Laura precisou ficar mais duas horas esperando o resultado de um exame.

Falta de assistência no início da vida
Pouco antes de parir Analu, a dona de casa Abadia Pereira de Sousa, 29 anos, teve atendimento negado no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), no dia 14 de novembro, por ser moradora de Valparaíso de Goiás (GO). A bebê teve de nascer um pouco mais longe de casa, no Hospital Regional do Gama (HRG).

Mãe e bebê tinham alta prevista para sexta-feira daquela semana (16), mas só puderam voltar para casa no domingo (18). O atraso ocorreu porque não havia sequer um pediatra no hospital para autorizar a saída.

Os dias no hospital não foram nada agradáveis. A água do chuveiro era fria e a lâmpada do banheiro ficou queimada durante toda a estada da mãe. No sábado (17), faltou água durante duas horas. “Eu estava doida para voltar para casa. Fiquei estressada, o meu leite não descia. A gente precisava usar a lanterna do celular no banheiro”, relatou Abadia.

O pai, Alverci Ribeiro de Souza, 29 anos, chegou a passar a noite em pé, por não haver cadeiras para descansar. A filha mais velha do casal, Luísa, 8, ficou em casa com a avó aguardando o retorno dos pais. “Todo dia eu chorava”, disse a menina.

Alverci relatou que precisou brigar para que a direção providenciasse um médico. “Todos do corredor estavam na mesma situação. As pessoas ficam muito permissivas. Se você não gritar, você não consegue”, lamentou.

A Secretaria de Saúde informou que os dois pediatras em escala no Gama apresentaram atestados médicos e, devido ao feriado do Dia da Proclamação da República, não foi possível fazer substituição.

Pediatras “fogem” da rede pública
A diretora do Sindicato dos Médicos (Sindmédico-DF), Adriana Graziano, afirmou que o desfalque no quadro de pediatras acontece há anos. “A escala de trabalho tem vários buracos e há uma sobrecarga muito grande nos médicos. São poucos lugares em que há profissionais disponíveis”, disse.

A maioria dos hospitais do DF possui atendimento pediátrico. De acordo com a Secretaria de Saúde, o serviço não é oferecido em nenhum dia apenas no Hospital Regional do Gama (HRG) e no Instituto Hospital de Base. Mas, apesar disso, o cenário é crítico em todos que atendem, seja no Plano Piloto ou nas regiões administrativas. “Os dias mudam, mas acontece em todos os hospitais”, ressaltou a sindicalista, que também é pediatra.

No governo Rollemberg, essa desestruturação foi degringolando. Muitos pacientes buscam o pronto-socorro porque, muitas vezes, é o único local em que eles conseguem ter acesso ao médico. É onde eles buscam, de forma desesperada, uma solução para o problema. O governo precisa investir em estrutura de tudo. Estrutura física, humana e da rede"

Adriana Graziano, pediatra e diretora do Sindmédico-DF

A subsecretária de Assistência Integral à Saúde do DF, Marta Vieira, admite que faltam pediatras. “Encontramos dificuldades na fixação dos médicos. A gente faz concursos, a gente nomeia, mas, depois de um tempo, eles pedem exoneração. Há, sim, um déficit, assim como em todos os lugares do Brasil. Sabemos que o atendimento em emergências, principalmente em hospitais públicos, é pesado”, justificou.

Neste ano, 208 pediatras aprovados em concurso público foram chamados no DF. Ainda há 83 profissionais aguardando convocação, o que não será mais possível na atual gestão por questões orçamentárias.

O futuro da saúde
Procurado pelo Metrópoles, o próximo governo, o de Ibaneis Rocha (MDB), afirmou que ainda está estudando dados do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde para determinar as carências de cada área.

“Enquanto esse levantamento não for concluído, não é possível fazer qualquer tipo de previsão”, diz a nota enviada.

O próximo governo reafirmou o compromisso de reequipar as equipes do Saúde em Casa e das unidades de atendimento da rede e disse que todos os aprovados em concursos anteriores serão chamados para suprir a demanda prevista.

Comentários para "Déficit de profissionais. Crianças doentes são obrigadas a esperar para serem avaliadas por médicos":

    • Sebastião

      Terça-Feira, 27 de Novembro de 2018 -

      Brasília não tem governador e esse secretario de saúde tinha que estar era preso por omissão de socorro! Isso é um absurdo em plena capital da república...

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

A comunidade internacional deve defender a Carta das Nações Unidas e se esforçar para manter a paz em um mundo volátil, disse ele.

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Segundo analistas, trata-se de uma "mudança de maré" provocada pelo descontentamento com governantes anteriores.

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

A Polícia Federal brasileira informou que a prisão decorreu das investigações desenvolvidas no âmbito da Operação Enterprise

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Jair Bolsonaro na abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2022, em 14 de junho de 2022 © Alan Santos / Palácio do Planalto / CCBY 2.0

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

A Educação Não Pode Esperar

Ball Corporation avança em investimentos na América do Sul com nova fábrica de latas de alumínio no Peru

Ball Corporation avança em investimentos na América do Sul com nova fábrica de latas de alumínio no Peru

A empresa, líder global em embalagens sustentáveis de alumínio, anunciou abertura que vai gerar mais de 100 empregos diretos e 300 indiretos.

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso

Milhares de burquinenses que se deslocaram pelo massacre em Seytenga encontraram segurança além da fronteira com o Níger.

Estados Unidos alertaram sobre projeto de bagagem gratuita vetado por Bolsonaro

Estados Unidos alertaram sobre projeto de bagagem gratuita vetado por Bolsonaro

Acordo foi assinado em março de 2011, no governo Dilma Rousseff, e entrou em vigor em maio de 2018, na gestão de Michel Temer, após aprovação pelo Congresso.

Liderança da UE diz que crime no AM é fruto da postura de Bolsonaro; aliados criticam presidente

Liderança da UE diz que crime no AM é fruto da postura de Bolsonaro; aliados criticam presidente

Aliados de Bolsonaro acham que presidente errou

FC Barcelona e Acnur formam parceria para apoiar crianças refugiadas

FC Barcelona e Acnur formam parceria para apoiar crianças refugiadas

O logotipo do Acnur é apresentado, pela primeira vez, no uniforme dos jogadores da principal equipe masculina e feminina do time espanhol

Cartéis de Miami, Medellín e Sinaloa sustentam um Estado paralelo na Amazônia

Cartéis de Miami, Medellín e Sinaloa sustentam um Estado paralelo na Amazônia

Apesar de toda a movimentação militar em Atalaia, amigos de Pelado continuam entrando e saindo de terras indígenas com embarcações que levam freezers para pescados