×
ContextoExato
Responsive image

Desde maio, sites bolsonaristas vêm apagando textos antigos, aponta levantamento

Desde maio, sites bolsonaristas vêm apagando textos antigos, aponta levantamentoFoto: O Antagonista

“Se aumentarmos o poder das plataformas, haverá um sistema privado de censura”

Por Pedro Canário - O Antagonista - 15/07/2020 - 09:15:47

Desde maio, sites bolsonaristas vêm retirando textos do ar, segundo levantamento do jornalista Guilherme Felliti, da empresa de ciência de dados Novelo Data.

No fim de maio, o ministro Alexandre de Moraes autorizou as primeiras diligências da PF nos inquéritos das fake news e dos atos democráticos. Diversos bolsonaristas tiveram os sigilos bancários quebrados e documentos apreendidos. Em junho, alguns foram presos.

Conforme o jornalista publicou no Twitter, foram pelo menos 600 textos retirados do ar pelos sites Terça Livre, Renews, Jornal da Cidade Online e Agora Paraná. São sites ligados a esquemas de fake news, alguns deles citados nos inquéritos sobre o assunto que correm no Supremo Tribunal Federal.

Leia também:

Justiça devolve deputado bolsonarista a atividades parlamentares

STF envia à PGR pedido de abertura de inquérito contra Bolsonaro por fake news

“Se aumentarmos o poder das plataformas, haverá um sistema privado de censura”

Covid-19 protege Bolsonaro de Bolsonaro

Barroso: “O Brasil precisa de um choque de integridade”

Leia AQUI o levantamento

De acordo com a análise do jornalista, foram três tipos de limpeza.

O primeiro tipo foi o de limpezas pontuais, de textos específicos ou de matérias ligadas a um único autor. Entre os textos apagados, um que se chamava “Câmara dos Deputados: o manicômio representativo” e outro com o título “Lulopetismo: o desastre soviético maior que Chernobil”. Ambos foram publicados pelo mesmo autor.

O segundo grupo de limpezas foi o de textos escritos por pessoas investigadas nos inquéritos do STF. Diversos sites apagaram textos de Oswaldo Eustáquio, por exemplo, que é investigado por ligação com atos antidemocráticos.

Textos com ataques a Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, também foram retirados do ar.

O terceiro tipo de limpeza foi o da substituição dos bancos de dados dos sites – esses veículos costumam republicar conteúdos uns dos outros, quando não são alimentados inteiramente por textos de outros sites.

Um exemplo é o Renews, que republicava textos de Oswaldo Eustáquio. Todos foram apagados. Ao que parece, sua prisão fez com que seus veículos tentem se afastar do seu trabalho”, Guilherme Felliti escreveu no Twitter.

O endereço do Renews foi redirecionado para outra página, sem conteúdo nenhum, informou o jornalista.

Leia mais: Paralisia toma conta de áreas do governo responsáveis por ações vitais para o país. Clique para ler mais

Comentários para "Desde maio, sites bolsonaristas vêm apagando textos antigos, aponta levantamento":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório